segunda-feira, agosto 16, 2010

O embuste do NAL em Alcochete

Augusto Mateus publicou em tempos um estudo onde se pode ler que Beja iria ser um "centro de exportação de peixe". Está lá escrito. Beja está, como todos sabemos, às moscas há dois anos e 32 milhões de euros depois de o governo de Sócrates ter comprado as ideias do genial Mateus. Nenhum avião utiliza o aeroporto de Beja!

Entretanto o mesmo Mateus, desta vez com a DHV, pariram mais um estudo enviesado para tentar justificar a destruição da Portela. Porquê?

Porque para financiar a construção do Novo Aeroporto de Lisboa em Alcochete (NAL) são necessárias duas receitas:
  • A receita da privatização da ANA
  • E a receita dos terrenos da Portela
As receitas geradas pelos terrenos da Portela serão sempre muito maiores do que as da privatização da ANA. Ou seja, sem destruir o actual aeroporto da Portela não haverá NAL em Alcochete nas próximas décadas. Isto apesar de o aeroporto da Portela ser um dos mais seguros do mundo, contra toda a aparência e especulação alarmista montada desde as afirmações bombásticas do ex-ministro João Cravinho, o tal que inventou as SCUTS que levarão Portugal à falência (entre outras barbaridades do género.)

A empresa ANA gera mais ou menos 50 milhões de euros de lucro por ano. Assim sendo, os 40 anos de concessão previstos para o NAL nunca chegariam para pagar o novo aeroporto. É por isso que o boy do PS —Augusto Mateus— quer vender os terrenos da Portela à filha do senhor Stanley Ho, ou quaisquer outros especuladores imobiliários, certamente secundados pelas Ordens dos Arquitectos e dos Engenheiros.

O modelo é o mesmo utilizado para construir a EXPO'98.

Neste caso o neutralizado Porto de Lisboa foi forçado a doar à Parque Expo 5 milhões de metros quadrados. A Parque Expo recebeu terrenos a custo zero que mais tarde vendeu por milhares de milhões de euros à especulação imobiliária, deixando a Câmara de Lisboa a arder em dívidas!

Se a Parque EXPO tivesse tido que pagar aqueles terrenos, o valor poderia ter chegado aos 7,5 mil milhões de euros.  É o que dá multiplicar 5 milhões de metros quadrados por 1500 euros (preço médio por metro quadrado dos terrenos para construção.)

Ora bem, 40 anos de receitas da ANA, sem contar com a inflação (que é diminuta, pois entrámos num longa época de deflação), daria qualquer coisa como 2 mil milhões de euros. O que obviamente seria insuficiente para pagar a nova infraestrutura

O dito estudo do genial boy Mateus e da DHV está pois viciado, partindo aliás de um pressuposto falso e usado sistematicamente para efeitos de contra-informação e propaganda: a saturação da Portela e a incapacidade de esta se transformar num hub aeroportuário.

Na realidade a TAP pode ficar na Portela e montar aí o seu hub, ao mesmo tempo que as Low Cost, como a Ryanair e a easyJet, poderiam ir para o Montijo, na medida em que os voos Low Cost são deslocações destino a destino.

A operação de propaganda do genial boy Mateus e da DHV, paga a peso de ouro, como é costume, omite de forma fraudulenta um dado crucial: a esmagadora maioria do tráfego aéreo de Lisboa, 82%, é realizado entre Lisboa e a União Europeia (Portugal+Ilhas+Europa.)

Apenas 18% se destina às Américas, a África e ao resto do mundo!
Do Brasil apenas 50% dos voos são de transferência, e de África nem chegam a 25%...

Ou seja, no total estamos a falar de 750 mil passageiros em transferência (500 mil do Brasil + 250 mil de África) por ano. Estas operações podem ter perfeitamente lugar na Portela, pois já existem mangas suficientes para o efeito, que a TAP, inacreditavelmente, na maior parte das vezes, para poupar custos (estando-se nas tintas para os passageiros), nem sequer utiliza!

Como se isto não bastasse para desmontar a propaganda sobre a saturação da Portela, veja-se o que sucede na recém alargada (et pour cause) placa de estacionamento da Portela: ocupada permanentemente por aviões da TAP. Ou seja, a TAP tem há vários meses aviões a mais para as encomendas.

Por fim, ao adiar a transferência das Low Cost para o Montijo, a ANA tem vindo a empurrar mais rapidamente do que seria de esperar a TAP para a irremediável falência. Esta tem vindo assim a perder continuamente quota de mercado dos voos europeus para Ryanair e para a easyJet — em Faro, no Porto e em Lisboa!

A teimosia da Ota, ou de Alcochete, apenas serve dois amos: a especulação imobiliária e a corrupção partidária que alimenta uma democracia que é cada menos nossa e cada vez mais dos partidos.

A menos que os chineses, os brasileiros e os angolanos comprem a TAP e apostem na criação duma plataforma estratégica conjunta em Alcochete, não vejo nenhum argumento racional válido para dar crédito aos estudos enviesados, para não dizer idiotas, do boy Mateus.


REFERÊNCIAS
Diagrama do Aeroporto da Portela com as novas mangas (21)
Reportagem TVI sobre a vigarice em volta da suposta saturação do Aeroporto da Portela

1 comentário:

Antonio Cerveira Pinto disse...

Recebi este comentário via e-mail:

"A TAP até pode ficar com as mangas todas (20), que as Low Cost vão para o Terminal 2

Se isso acontecer, o Terminal 2 começa a encher e o Terminal 1 começa a esvaziar...

A Ryanair diz que só vai para a Portela se a TAP sair do Terminal 2. Mas se a ANA aceitar a condições da Ryanair os aviões da TAP ficam quase todos parados com falta de tráfego!

Estes burros ainda não perceberam que o mais importante é ter uma companhia aérea competitiva em vez do NAL

Ainda se arriscam a cair na situação do Boavista. Derreteu todo o dinheiro na aventura de um novo Estádio para 30 mil espectadores quando a média de adeptos não passava dos 3 mil. O clube foi à falência e por não ter dinheiro para pagar a jogadores já está na 3ª divisão.

O Boavista era uma equipa que andava sempre a discutir os primeiros lugares. Teria sido muito melhor continuar a investir na equipa para obter mais receitas e apostar no crescimento baseado no rendimento disponível.

Foram pelo caminho do Governo: tentar crescer através do endividamento. O resultado não poderia ser mais eloquente!"