terça-feira, outubro 19, 2010

A cleptocracia soma e segue

Ainda há cofres por arrombar!

Subir o IVA ou ajudar a ASCENDI?
Sabia que mais de metade das receitas projectadas com a subida do IVA vão "direitinhas" para os cofres de uma empresa privada? Sabia que as transferências dos dinheiros do Estado para esta empresa equivalem a mais de metade das poupanças arrecadadas com o corte de salários dos funcionários públicos?
Pois é, é verdade. Pelo menos, é isso o que nos informa o Relatório do Orçamento de Estado para 2011. Como todos sabemos, o projecto de Orçamento de Estado do governo dá azo ao maior aumento da carga fiscal das últimas décadas. Sobe-se o IVA, o IRS, as contribuições sociais, bem como toda uma série de taxas que farão diminuir o rendimento disponível das famílias e aumentar os custos das empresas e dos consumidores.
Cortaram-se ainda salários, prestações sociais, despesas com a Saúde e os gastos com a Educação. Tudo em prol do "interesse nacional". Porém, sabia que o mesmo governo que está a querer aumentar o IVA vai igualmente transferir 587,2 milhões de euros para a ASCENDI, com a desculpa de levar a cabo a "reposição da estabilidade financeira" da empresa? E que esse "reforço" equivale a um aumento de 289,6% das verbas pagas à ASCENDI em relação a 2010? (p. 212 do Relatório do OE 2011). — in Desmitos.

Finanças cometem gralha de €437 milhões em dotação orçamental

A Ascendi, gestora de infra-estruturas detida pela Mota-Engil e pela ES Concessões (participada do Banco Espírito Santo - BES), solicitou ao Ministério das Finanças uma correção à rubrica inscrita no Orçamento do Estado (OE) para 2011 que refere uma dotação de €587 milhões como reposição do equilíbrio financeiro da Ascendi.

O valor em causa destina-se a compensar alterações contratuais efectuadas nas auto Sem Custos para o Utilizador (SCUT) relativamente às quais a Ascendi deveria receber cerca de €150 milhões. Contactado pelo Expresso, o Ministério das Finanças não adiantou detalhes sobre o assunto.

No entanto, a referida rubrica do OE para 2011 inscreveu mais €437 milhões que o valor que seria devido, o que, aparentemente, será apenas um lapso.

A Ascendi também integra investimentos da Opway, da Amândio Carvalho, da Rosa Construtores, da Odebrecht, do Millennium bcp Investimento, do Santander Totta, da Hagen Concessões, da Monte Adriano e da Mesquita.

A Ascendi resultou de uma transformação da Aenor e detém, a concessão de uma rede de 850 quilómetros de auto-estradas. — in Expresso.

Eu não vos tinha dito? O Orçamento demorou e traz páginas em branco, porque foi, de facto, composto nos gabinetes clandestinos do PS (sim, clandestinos!), onde quem continua a mandar é o Coelho de sempre (o Jorge!). Um estalinista maoísta nunca esquece.

Se a história da "gralha" do Orçamento, que a própria ASCENDI mandou o contínuo Teixeira dos Santos corrigir —pasme-se!—, não é a prova do algodão de que os socialistas da Tríade de Macau transformaram Portugal numa cleptocracia, perante a passividade bovina da restante corja partidária, então sou eu que estou maluco.

A sensação que me dá é a de estarmos num filme policial, onde um país inteiro, Portugal, foi tomado de assalto por piratas, encontrando-se neste momento o pelotão da frente dentro do cofre forte do regime, sacando freneticamente tudo o que encontra dentro das sucessivas gavetas arrombadas, enquanto comandos especiais se atarefam a dinamitar e arrombar os poucos cofres ainda fechados.

Saquear milhões de portugueses à vista de todos e em directo televisivo, é o filme de horror onde estamos metidos neste preciso momento, perante o semblante patético de um presidente da república levado pela mão da mulher (sem a qual já não sabe que fazer), a gritaria hipócrita e populista dos herdeiros degenerados das esquerdas, e um PSD balcanizado como sempre, onde efectivamente se encontra a cara-metade da cleptocracia, controlada há mais de uma década pelos piratas que tomaram de assalto o PS.

Que julga esta gente? Que a vamos aturar por muito mais tempo? Que vai poder escapar toda para o Brasil daqui a quatro ou cinco anos? O plano deve ser esse, pois sabem que o Brasil não extradita criminosos! E se os apanhássemos já? Para isso seria necessário, neste momento crucial da nossa vida colectiva, que o senhor Passos de Coelho agisse com coragem e inteligência, sem ceder a chantagens, venham elas dos ladrões da Lapa, ou dos ladrões de Bruxelas. Se conseguir levar o PSD a chumbar a criminosa gazua orçamental com que os piratas do regime pretendem saquear até ao tutano Portugal, o país dar-lhe-à não só a maioria, como uma expressiva maioria absoluta, para colocar o país nos eixos, e a canalha na prisão. O pior que poderia acontecer-nos é ficarmos sem alternativa à sinistra nomenclatura que levou Portugal à bancarrota.

A arrogância de José Sócrates —ao anunciar com displicência que nem sequer estará em Lisboa para discutir o Orçamento— tresanda a comportamento mafioso, como se ele fosse o gato, e Passos de Coelho o rato prestes a cair-lhe na boca. Espero bem que o candidato a próximo primeiro-ministro não seja mortalmente atropelado pelas pressões das suas interessadas amizades.

5 comentários:

João Soares disse...

Só uma coisa, António...o povo sente que o PSD faria o mesmo se estivesse no poder...acho que das duas uma, ou há juízes duros para mandar prender estes homens ou um novo 25 de Abril e já...sem recurso a greves e outras situações....ocupar as ruas e pedir impeachment!!

Força Emergente disse...

Caro João Soares
Totalmente apoiado.
Infelizmente ainda teremos de continuar a olhar para os Franceses, que afinal até têm razões bem menos sustentadas.
É urgente sair para a RUA.

Antonio Cerveira Pinto disse...

João,
eu ainda aposto na regeneração interna dos partidos actuais, ou numa recomposição partidária a partir de crises geradas no interior da actual nomenclatura partidária, sobretudo se apanharem um verdadeiro susto com a actual situação, que irá necessariamente agravar-se, e muito, nos próximos meses e anos. Posso estar completamente enganado. Mas dentro em breve saberemos se é ou não possível evitar uma nova revolução, precedida de tumultos e de umas mais do que provável implosão do regime. Estou convencido de que, se
o Bloco Central do Betão e da Corrupção continuar no poleiro, cuspindo Passos Coelho para fora da panela orçamental, e o inanimado Cavaco for reeleito, então outra revolução, desta vez sem a bonomia dos militares de Abril, mergulhará Portugal numa pré-guerra civil — entre os que pagam impostos e os que vivem de impostos.

Anónimo disse...

Mas ainda há quem acredite que o PSD é alternativa??!! Se as intenções do PSD não fossem as mesmas do PS (só mudam as moscas...) não teriam corrido de forma tão feroz com a Manuela Ferreira Leite! Apesar de discordar de muitos dos seus principios, reconheço que a senhora "é uma mulher séria", logo, um alvo a abater num meio de "acompanhantes de luxo". Por vezes, acho que ainda não apertaram nem roubaram o suficiente; por todo lado, oiço o borreguismo que refila e afirma, orgulhosamente, "é por isto que eu não voto"!! Um dilúvio, que venha um dilúvio!

Antonio Cerveira Pinto disse...

As classes médias vão revoltar-se no momento em que os jovens sem emprego deixarem de poder contar com a mesada dos pais, e passarem a ter que contribuir para as despesas domésticas comuns. 50% dos rapazes com menos de 35 anos vivem em casa dos pais; e 1/3 das raparigas estão na mesma situação! É esta combinação explosiva que varrerá do actual regime cleptocrata a corja de bovinos imbecis ou corruptos que capturou o país, o descarnou, e agora se prepara para entregar os ossos aos credores. A partidocracia foi apenas o instrumento da cleptocracia que agora vemos exposta em todo o seu esplendor e corrupção. Ou seja, tenho poucas ilusões sobre o desfecho da actual pugna orçamental, e sobre o comportamento do jota Passos de Coelho, mas apesar de tudo desejaria que pudesse acontecer doutro modo. Se não for possível, paciência, lá teremos que exigir uma revolução política a sério. E como é óbvio essa revolução a sério não será feita pelas carcaças carcomidas do estalinismo, ou do trotskysmo universitário que por aí anda!