quinta-feira, março 31, 2011

Amigos, amigos...

Brasil prefere EDP às obrigações virtuais
Era a este tipo de garantias que Dilma Rousseff se referia ao falar em "ajudar" Portugal... Mas esperem pela pancada espanhola!

Com activos conjuntos no Brasil, o interesse do grupo estatal brasileiro poderá passar pela compra de até 10% (da EDP)

O Estado português detém 25% do capital da eléctrica liderada por António Mexia.

A empresa terá contratado o Citibank para avaliar e analisar os números da companhia portuguesa e a estimativa é que o negócio fique perto de 600 milhões de euros (1.300 milhões de reais). Económico.

As carcaças ainda frescas da nossa economia devastada pela inépcia, irresponsabilidade e corrupção da nomenclatura partidária, financeira e corporativa instalada, são proteína irresistível para quem tem reservas, recursos e interesses estratégicos no nosso país: Brasil, Angola, Reino Unido, Canadá... Estados Unidos.

O nosso problema é que o número de carcaças frescas com alguma carne agarrada aos ossos é insuficiente para o buraco do nosso colectivo endividamento. Os 600 milhões de euros que a Eletrobras, empresa energética estatal brasileira, poderá vir a meter na EDP, comprando 10% da participação estatal portuguesa na empresa (e assim financiando indirectamente a nossa dívida pública), nem sequer chegam para duas barragens … quanto mais para as 11 que querem construir; e já nem falo do passivo acumulado da empresa portuguesa: mais de 18 mil milhões de euros!

Não deixa de ser curioso que, para sair da bancarrota em que estamos, algumas empresas portuguesas estratégicas, essenciais do ponto de vista do serviço público, se arrisquem a ser comidas por empresa estatais de outros países. É, a bem dizer, uma nova forma de colonização a que estaremos sujeitos se não houver quem se oponha a tamanha capitulação.

A nossa melhor saída do colapso para onde nos levaram não será certamente vender o sangue, os rins e os pulmões da nossa economia!

A única solução inteligente e decente passará inevitavelmente por uma lipoaspiração ao Estado, por baixar os impostos que afectam a produção de bens transaccionáveis e as exportações, e pela redefinição do Estado Social. Este terá que transformar-se, a muito curto prazo, num estado transparente e eficiente, onde o perímetro da sua presença na saúde, na educação, na burocracia e na economia seja radicalmente circunscrito. Precisamos de uma visão estratégica sobre as universidades, e sobre os serviços de saúde, delimitando drasticamente o que devem ser obrigações estratégicas da comunidade, e deixando à iniciativa privada, cooperativa e comunitária tudo o resto.

Mas para isto, claro, será preciso mudar de regime e fazer uma revolução!

2 comentários:

Tá na laethanta saoire thart-Cruáil an tsaoil disse...

o passivo da EDP é problema dos accionistas e secundariamente dos consumidores

dos quais o estado é o maior...

as revoluções em sociedades envelhecidas devem ser raras

o ataque ao euro e a sua depreciação

é a única notícia positiva para Portugal e para a Europa
desde que continue...
os 11% de valorização da moeda chinesa

e os quase 700 mil milhões de excedentes comerciais desta
também são uma hipótese

Karocha disse...

http://infamias-karocha.blogspot.com/