sábado, abril 16, 2011

Expulsos do Paraíso?

Não, não podemos ser os chineses (pobres) da Europa!

A histeria anti-germânica do PS, partido acarinhado e financiado durante décadas pelos social-democratas alemães, é mais um tiro na testa dos portugueses dado pelas agora histéricas criaturas dependentes da tríade de piratas que assaltou o PS e Portugal e nos conduziu à bancarrota. Sim, se a Alemanha der ouvidos à retórica recente de Mário Soares, e à verborreia febril da funcionária cor-de-rosa Ana Gomes, acabando por nos deixar resvalar para fora da moeda única europeia, o nosso país perderá literalmente a face, tornando-se mais um estado pária dos muitos que preencherão a geopolítica do futuro. Eu só compreendo as palavras de Mário Soares como um táctica negocial — mas é tarde para isso, além de que foi esta mesma espécie de chantagem europeia o estratagema usado sem vergonha por Sócrates ao longo dos últimos três anos e meio.

É difícil passarmos a ser os chineses (pobres) da Europa, se formos expulsos do euro. E isto por quatro razões básicas:
  1. a nossa dívida tornar-se-ia muito mais pesada e porventura eterna...
  2. o que exportamos bem (têxteis, calçado e máquinas/utensílios) já o fazemos apesar da valorização do euro face às demais moedas mundiais; 
  3. mas como precisaremos sempre de divisas fortes para comprar a energia que move a nossa economia e o país em geral (petróleo, gás e matérias primas, nomeadamente alimentares), a saída de Portugal do sistema monetário europeu acabaria por destruir o sector exportador, tornando impagável a nossa gigantesca dívida colectiva;
  4. estamos a perder população e a envelhecer..., o que somado a uma desvalorização de 50% ou mais da nossa economia, e a não conversão automática da nossa futura moeda fraca, mergulharia o país numa espiral inflacionista, emigração em massa e possível guerra civil.
Só temos, pois, um caminho: emagrecer o Estado > aumentar a transparência > atacar a endogamia do regime > e aumentar dramaticamente a racionalidade e o pragmatismo de todo o sistema político.

Como no início desta emergência escrevi, não passaremos sem uma taxa de IVA de 25%, pelo menos durante dois ou três anos. Só depois deste aperto inicial, será possível e desejável aliviar progressivamente a carga fiscal, beneficiando os criadores de riqueza e recuperando assim parte do produto indevidamente apropriado por capatazes especados diante de quem bule, burocratas que arrastam os pés por esse país fora entre as onze e as cinco e meia, e pela virtualmente inútil nomenclatura partidária.

Emagrecer o Estado implicará também uma separação de águas radical nos sistemas públicos de educação, saúde, justiça e administração do território. O Estado Social terá que tranformar-se nos próximos três a cinco anos num Estado Essencial — o que não for urgente e estratégico (em suma, essencial) não deve continuar nas mãos do Estado, e deve passar tão rapidamente quanto possível aos domínios da iniciativa privada e das comunidades auto-organizadas (associações, cooperativas e organizações de cidadania). O estado autárquico, por exemplo, depois de uma diminuição drástica do número de municípios (sobretudo nas grandes áreas metropolitanas de Lisboa e Porto) terá que encontrar inevitavelmente novas formas de financiamento para além das transferências do Estado central e da cobrança de taxas e impostos locais; e para conseguir atingir tal objectivo terá que ganhar constitucionalmente (já na próxima revisão) uma muito maior autonomia administrativa e capacidade de negociação, seja com as comunidades de onde emanam, seja com as irmandades que conseguirem estabelecer pelo país e por esse mundo fora.

Entretanto, persiste a possibilidade de o euro colapsar, seja pela via do regresso das moedas europeias nacionais (uma hipótese, apesar de tudo, inverosímil); seja pela via da emergência de duas bandas no euro: uma banda forte e uma banda fraca. Neste caso, a moeda manter-se-ia a mesma, mas as taxas de juros do BCE seriam diferenciadas consoante o pedinte...., sem que, ao mesmo tempo, os bancos nacionais e os governos pudessem depois repercutir directamente o preço caro do dinheiro em taxas de juro nacionais, regionais ou locais.

Ou seja: se é verdade que a sobrevivência do euro está em causa, esta dependerá menos da diminuição do espaço euro, do que do seu alargamento (nisto a Alemanha teve e continua a ter razão) e, sobretudo, da aceitação por todos os países que quiserem permanecer nesta zona monetária, de um verdadeiro governo económico europeu — o qual passará a vigiar directamente as contas públicas de todos os seus membros, nomeadamente através dum mecanismo de aprovação/rejeição europeia dos orçamentos de estado. Por menos do que isto não vamos a parte alguma.

É verdade que a especulação tonou conta do mundo. É verdade que o buraco negro dos chamados derivados financeiros equivale a mais de dez vezes o PIB mundial. Mas nada disto diminui o fundamental: os Estados Unidos e a Europa vivem acima das suas possibilidades há pelo menos trinta anos. Nós, portugueses, vivemos acima das nossas possibilidades, pelo menos desde que a última árvore das patacas inundou o país de riqueza que não criámos, que outros criaram por nós e que agora, legitimamente, querem ver retribuída.

O discurso anti-germânico, sobretudo vindo dum partido que acaba de realizar um congresso proto-fascista, é preocupante.

7 comentários:

skeptikos disse...

Informação essencial acerca das Fundações que alegadamente existem neste pobre país:

«As fundações nacionais e o jornalismo caseiro»
http://portadaloja.blogspot.com/

Karocha disse...

http://infamias-karocha.blogspot.com/

skeptikos disse...

Eheheheh... «Somos uma república de bonzos.»
(...)
«Adelino Maltez - Nós estamos em crise porque o euro está em confronto com uma coligação negativa dos chineses e do dólar. Há placas onde isto toca, e nós fomos mais uma vez a vacina. Como foi no tempo em que o comunismo estava a brincar com os Estados Unidos para "papar" Angola e Moçambique. E os grandes deste mundo ocidental disseram: "Deixa estar que os rapazes são insignificantes, se fosse a Espanha era grande demais, vamos espetar a vacina no dorso deles".

O Diabo - Quem são esses "grandes"? Os mercados?
Adelino Maltez - Também. Por exemplo, todas as agências de rating e todo este sistema puniram-no mais do que aquilo que merecíamos, porque sabem perfeitamente que o sistema partidário português não tem agilidade. E que o Presidente é o Senhor Professor Aníbal Cavaco Silva, que é um homem muito previsível, depois dá sempre tanto a prever que nunca actua. Porquê? Porque não é capaz de dizer a verdade, porque Cavaco Silva, quando foi Primeiro Ministro de Portugal, quis ser bom aluno daquele desenvolvimentismo europeu. Desmantelou a agricultura, desmantelou as pescas, e disse que o nosso futuro agora era uma autoestrada de betão a caminho dos subsídios comunitários. Entrou na monocultura. Naquela altura ele tinha que fazer aquilo, não estou a criticá-lo. Mas nunca num regime de monocultura. Deveria ter manha suficiente para fingir a eles que fazia, mas manter uma reserva estratégica.»

http://tempoquepassa.blogspot.com/

O ANTONIO MARIA disse...

Este sociólogo de tribo, espécie de feiticeiro da retórica, umas vezes acerta, outras cai nos mais pueris disparates. A China coligada com o dólar para atacar a Europa?! Porque será que não lê OAM antes de alardear tamanhas enormidades?! E sobre a célebre vacina do Kissinger tb continua a tresler a história do 25A.

observador disse...

Caro antonio maria
A vacina de Kissinger foi mesmo enunciada junto de elites portuguesas:deixar cair Portugal no comunismo como montra ds horrores para que a Italia não fosse contagiada ( o PCI nessa altura andava pelos 22%). Depois ,a partir dos Açores, logo se veria,em tempo marcado pelo status quo da guerra fria. Recrde também os 2 numeros seguidos da "Times"(ou da Newsweek?) em Agosto 75, com capas "Portugal- the new Cuba" e "The Portuguese Troyca"; as linhas e entrelinhas são muito claras.

skeptikos disse...

«Daí que, como bem escreve Rall, o que nos espera é mesmo um dominó de destruição de valor real, em nome de promessas impossíveis de cumprir. Esta destruição prosseguirá até que os espectros das guerras civis, das revoluções e mesmo de uma terceira guerra mundial surjam fatalmente no horizonte. -- OAM

No século passado dizia-se que o mundo estava dividido ao meio, pois «meio mundo andava a enganar o outro meio». No início da segunda década do século XXI, podemos a afirmar que efectivamente o mundo continua dividido em duas partes: só que de um lado está a plutonomia (1% da população) e do outro... o resto do mundo. Os mega-ricos e os mega-pobres. Uns terão tudo enquanto os outros nada terão.

É evidente que mais tarde ou mais cedo os conflitos surgirão e a história repetir-se-à uma vez mais e a humanidade (com ou sem humanidades) voltará a errar, porque teima em não aprender com os erros do passado.

skeptikos disse...

Parece que a plutonomia anglo-saxónica até já tem um possível candidato para a presidência da UE: http://www.creamyhair.com/world/arnold-schwarzenegger-wants-to-candidate-for-the-presidency-of-the-european-union_02019

The Terminator is back to unite the U.S.E.U.! Hilarious... :D