domingo, abril 24, 2011

Portugal a descoberto

Ganhar com a falência de um país adormecido
A especulação é uma droga. Quem conhece os seus efeitos, não lhe resiste!

Um dos maiores vigaristas da nossa praça financeira é amigo íntimo (mesmo íntimo) de um dos maiores vigaristas que a política portuguesa alguma vez conheceu. Ambos apostam em lucrar como nunca com a falência de Portugal. Não os engavetem a tempo, e depois queixem-se!

Até Mário Soares se apercebeu do verdadeiro perigo que a democracia portuguesa corre se continuar entregue por mais alguns meses à turma de piratas que nos conduziu à beira do precipício.

Uma atitude firme do governador do Banco de Portugal, suspendendo por seis meses, ou ilegalizando mesmo, as operações a descoberto (short selling) com as obrigações e os títulos da dívida soberana —uma das clássicas e mais perigosas formas de especulação financeira (1) de que há memória— poderá, porém, fazer toda a diferença. Se Carlos Costa tiver coragem para avançar, e Pedro Passos Coelho antecipar o seu apoio a esta defesa in extremis do país, contra a grande pilhagem especulativa em preparação, ainda poderemos evitar que Portugal se transforme, como diz K. neste seu pertinente alerta, numa "colónia de escravos".

Começou o ataque a Portugal e à Grécia

POR FAVOR LEIAM ATÉ AO FIM:

As seguintes operações estão em andamento na Grécia, Portugal (e possivelmente em Espanha e Itália), com o objectivo de ganhar todo o dinheiro possível utilizando as dividas dos periféricos Europeus e os 400 mil do fundo de estabilização, instrumentalizando os stress tests dos bancos:

O objectivo é tirar partido da ineficiência criada pelo BCE, que emprestou dinheiro a juros reduzidos aos bancos portugueses para comprarem dívida pública portuguesa, o que duplicou o problema original.

A posterior subida dos juros no mercado secundário fez cair o valor das obrigações compradas pelos bancos portugueses. Esta queda do valor das obrigações fez cair os ratios de capital dos bancos. Quando os Stresstestes começaram, os bancos portugueses aperceberam-se da situação e levaram o Governo a um pedido de ajuda de cerca de 100 mil milhões.

Os 100 mil milhões destinavam-se inicialmente a comprar dívida pública portuguesa.

Assim, existem 100 mil milhões de Euros que poderão ser retirados do País com a seguinte

TÉCNICA:

A ideia é, vendendo obrigações a descoberto (short selling) criar a ilusão da existência de dois buracos que não existem, um na dívida e outro nos activos dos bancos, forçando o dinheiro da ajuda a tapar o buraco que seria criado nos bancos por uma reestruturação. Isto permite ganhos adicionais com short selling nos bancos.

Os juros são pressionados em alta no mercado secundário de obrigações portuguesas (fácil, pois é pouco líquido) no periodo em que é feito o stress test aos bancos.

Os ratios dos bancos descem fortemente obrigando o dinheiro da ajuda a ser usado para recapitalização dos bancos, de acordo com as exigências dos stress tests.

A dívida em si acaba por ser restruturada por pressões de agentes financeiros e meios de comunicação sobre o poder políticas e FMI (já o estão a fazer na Grécia). Ao não pagar o valor total da obrigação, estas vão proporcionar um ganho na maturidade às posições short, criando assim um buraco REAL nos activos dos bancos que assim substitui o anterior (que era VIRTUAL). Todo este dinheiro é discretamente ganho em posições curtas de Obrigações e de Bancos, sendo coberto pelo dinheiro do fundo de estabilização e FMI, deixando Portugal com uma dívida gigantesca. 
A única maneira de evitar este roubo é denunciar a situação e impedir a todo o custo a reestruturação da dívida publica. Receio que nem toda a gente esteja a ter a percepção disto. Quando comecei a ouvir as notícias sobre a reestruturação na Grécia, não vi ninguém a alertar para esta situação, por isso decidi partilha-la com o maior numero de pessoas antes que seja demasiado tarde, pois pode acontecer a situação de Portugal roubar-se a si prioprio sem se aperceber, dar o lucro a estrangeiros, criando assim um gigantesco buraco nas contas publicas, o que iria levar à crise que se tentou evitar e transformar o país numa colónia de escravos (tal como a Grécia).

Divulguem e comentem o mais possível. Manobras deste tipo já foram feitas com sucesso.

Se as obrigações maturarem (i.e. se a dívida não for reestruturada), os ratios dos bancos ficam normais e as posições short dos especuladores vão ter um prejuízo elevado, obrigando-os à compra de obrigações no mercado secundário, levando os juros a níveis normais, retirando-lhes os lucros e forçando os capitais a regressar ao país pela compra de acções dos bancos para short covering.

Os stress-tests serão assim instrumentalizados pelos especuladores. É esse o seu fim.

Vamos tentar evitar que isto de facto aconteça, informando o poder político e a opinião pública da situação.

K.
in Jornal de Negócios/Caldeirão de Bolsa

NOTAS
  1. Short selling (especular a descoberto) — Esta forma de especulação tem conduzido à ruína bancos e países ao longo da já longa história do Capitalismo. Basicamente, trata-se de ganhar, e de ganhar muito, com as dificuldades alheias. O especulador a descoberto snifa as presas feridas, por exemplo, como é o nosso caso, de sobre-endividamento, e aposta na sua desgraça. Como? Sempre da mesma maneira: compra e promete pagar mais tarde um dado lote de obrigações, moedas, terrenos, casas, obras de arte, flores, o que seja, desde que manifeste um claro potencial de especulação (no valor, por exemplo, de 1000 euros). Na data prevista o especulador terá que honrar o contrato de compra e venda, e pagar os 1000 euros, ou devolver as obrigações (em ambos os casos pagando uma comissão). Entretanto, o que se passou? É simples: o especulador vendeu no mesmo dia e pelo mesmo preço as obrigações —que ainda não pagou— a um comprador que naturalmente ignora os meandros da operação. Entretanto, o valor destas cai, em linha com a aposta do especulador. Quando tal ocorre, este volta a comprar um lote de obrigações, desta vez por menos dinheiro (por exemplo, por 800 euros) e devolve-as a quem lhas vendeu por mil.  Ganhou, portanto 200 euros (menos a comissão paga aos intermediários), sem produzir um único cêntimo de riqueza. Mas a riqueza terá que vir de algum lado! De onde? Invariavelmente, de quem produz, de quem poupa e de quem paga impostos. É por isso que estes processos de pilhagem legalizada acabam não raras vezes por conduzir a revoluções e guerras civis.

4 comentários:

الرجل ذبح بعضهم البعض ولكن الخيول باهظة الثمن disse...

A especulação é apenas parte do problema, assi como os derivados financeiros e a lenta desvalorização dos activos imobiliários detidos pelos bancos

Quem detiver obrigações do tesouro a digamos 10 anos e se quiser livrar delas não encontra comprador
a não ser com perdas significativas do valor investido

Dar confiança é mais importante que balançar o barco

Durante 20 e tal anos os portugueses aos milhões fizeram o mesmo com acções nacionais e internacionais e com opções em futuros diversificados

e nesse tempo poucos faziam
algo contra isso

A legislação que protege não os direitos dos cidadãos mas os das empresas nacionais e internacionais que cimentaram o país

Quanto a revoluções num país de moscas velhas e outros 3 milhões de meia-idade

são improváveis
com 35% da população com 35 ou menos anos
e sendo esta a que mais tem emigrado nos últimos anos

não há revoluções assi
é mais um baixar de luzes

skeptikos disse...

PPC disse: "Temos de nos saber ouvir, temos de confrontar as nossas ideias e, depois, quando o povo decide quem é que governa, esse quem governa tem de ser responsabilizado. Essa é a regra que vamos ter de seguir daqui para a frente novamente"

Ora, será alguma vez possível conseguirmos fazer-nos ouvir num país em que um partido faz esta tremenda batota?
- «o PS arranjou um pedestal composto por duas faixas de eleitorado, os CSI e os RSI. Verifique, caro leitor:(...)»
http://cidadelusa.blogspot.com/2011/04/o-voto-nulo-contra-o-ps.html

O ANTONIO MARIA disse...

Este estado populista tem um calcanhar de Aquiles: está falido!

skeptikos disse...

Pois está, mas a malta quer mesmo é o Pingo Doce: "zero de preocupações, zero de consciência, zero de ideias"!! Até ver...

No entretanto, seguir-se-à Espanha. Eis os primeiros sinais: http://www.cotizalia.com/noticias/2011/bonos-comunidades-autonomas-mismo-nivel-portugueses-20110426-67831.html

E aqui, até há quem já antecipe a VENDER EU: http://www.zerohedge.com/article/so-much-austerity-greece-misses-deficit-projections-spain-debtgdp-surges

Mais aqui - Guest Post: Anatomy Of A Crisis: 2011
http://www.zerohedge.com/article/guest-post-anatomy-crisis-2011