quinta-feira, abril 07, 2011

Xeque-mate

José Sócrates, o homem “lixo”



A hipótese foi colocada e nunca saberemos a resposta: teria ou não sido preferível abrir oficialmente falência e reestruturar a nossa dívida —negociando com os credores um perdão parcial da mesma—, em vez de precipitarmos o país num abismo de austeridade durante os próximos dez, vinte ou mais anos? Poderia José Sócrates ter mantido este braço-de-ferro com o BCE por muito mais tempo?

Portugal, uma vez na Eurolândia, e ao contrário da Islândia, que não faz parte da zona euro, deixou muito provavelmente de poder declarar a bancarrota e de negociar a reestruturação das suas dívidas com os seus principais credores (Espanha, França, Alemanha e Reino Unido). Dito doutro modo, a Alemanha e a França não estão dispostas a perdoar dívidas a nenhum estado-membro da União.

O mitómano que deixámos à solta esticou a corda, mas o BCE acabou por instruir o Banco de Portugal e a banca privada para desencadearem a operação xeque-mate contra José Sócrates. Dois dias depois de este ter jurado, como um condenado inocente, que jamais entregaria Portugal ao FMI, ei-lo cabisbaixo confessando que, afinal, sempre teria que pedir socorro às instâncias comunitárias e ao FMI.

As empresas públicas, os bancos, as principais cidades e este governo têm, a partir de hoje, uma mesma notação financeira nos mercados internacionais: lixo! A partir de ontem, para todos os efeitos, Portugal tornou-se no terceiro estado pária da União Europeia. Seguir-se-à a Espanha? E depois quem? A França? E o euro —se formos por aqui, aguentar-se-à? Duvido.

7 comentários:

skeptikos disse...

Tudo isto foi e é uma enorme farsa, para português ver... e claro, pagar!

Na minha modesta opinião, Sócrates já estava condenado na UE «(...) depois do anúncio da não recandidatura de Zapatero, do abandono da presidência do FDP por parte do ministro alemão dos estrangeiros, todo o equilibrismo da "Interessenpolitik" em que assentou o negócio do PEC em Berlim tornou-se um vazio.(...)» In DN

Outros "interesses" (e conluios) se levantaram, daí não ter havido "conveniência" em acabar com Sócrates de uma vez por todas, para tal bastaria que o PSD exigisse alto e bom som uma auditoria ás contas do estado, antes das eleições. Mas, nada!

Enfim, as bolhas especulativas acertaram em cheio (através dos políticos vendidos), atingiram os verdadeiros objectivos - «who controls debt, controls everything»!
Adeus anéis, dedos e, claro soberania!

«Banks 1, Portugal 0
(...)
The caretaker government has neither the moral nor the political authority to determine Portugal’s future in this way. It should not precipitately abandon the markets. That may mean paying high yields on debt issues in coming months – higher than they might have been had the government not folded its hand too soon. A few expensive debt auctions will not cripple Portugal, although the extra interest cost will sharpen the pain of any final austerity. Tapping the social security fund is an alternative – if an unpalatable one.
(...)
The right time to opt for an external rescue would have been at the end of a national debate. The election campaign offered Portuguese politicians a chance to explain to the public what needs to be done and to seek such a mandate. They should seek to salvage what they can of this opportunity.»

E mais: aposto em como Sócrates caminha a passos largos para uma confortável vitória nas próximas eleições, porque:
i) os apparatchiks irão todos votar;

ii) mas, a abstenção (país envelhecido, pouco instruído e totalmente desiludido) continuará a ser enorme;

iii) os mortos continuarão a exercer o seu dever (afinal de contas o tal Jorge Miguéis que se demitira após a barraca das eleições de Janeiro passado foi agora promovido a Director-Geral da Administração Interna para as eleições legislativas do próximo dia 5 de Junho);

iv) mais a campanha que já se insinua pelos votos em branco.

Enfim, espero sinceramente, estar completamente enganado.

skeptikos disse...

Esqueci o link do FT:
http://www.ft.com/cms/s/0/a52a5c16-6085-11e0-9fcb-00144feab49a.html#axzz1Inkbwezi

O ANTONIO MARIA disse...

O LINK que faltava no comentário anteriro.

Karocha disse...

António Maria

Ainda bem que vem ai o F.M.I.
Só espero que venha a TÉTÉ!!!

skeptikos disse...

Ora, aí está a notícia do Sol confirma a mistificação da demissão do Governo socialista e da recusa do pedido de ajuda pelo PM demissionário (?). Tal como eu suspeitava, tudo não passa de uma enorme farsa!
http://sol.sapo.pt/inicio/Sociedade/Interior.aspx?content_id=16212

Aí vêm uns milhões para nas eleições e banca se gastarem e que os tugas vão pagar a peso de ouro!
Maravilhosa "democracia" esta...

Nuno disse...

Agora que vamos ser geridos por um administrador de insolvência, que sirva de lição ao povo Português para ter cautela na próxima vez que for votar.

Esta gente tem de explicar muito bem como é que um endividamento na casa dos 60% em 2008 passa para 90% em 2011 !

Esta gente tem de explicar muito bem como é possível essa escalada apesar de terem aprovado TRÊS PEC !


Deplorável...

Karocha disse...

http://economia.publico.pt/noticia/ministros-das-financas-da-ue-nao-garantem-ajuda-de-80-mil-milhoes-a-portugal_1489065

Vão auditar tudo à lupa! :-)