sábado, julho 28, 2012

Pavilhão Atlântico vendido a preço de saldo

Pavilhão Atlântico, Lisboa
Foto in Wikipedia

Pavilhão Atlântico, venda ou saque de património público? Perda potencial para os contribuintes entre os 40 e 87 milhões de euros!

Consórcio de Luís Montez compra Pavilhão Atlântico por 21,2 milhões de euros

O consórcio Arena Atlântico, constituído por Luís Montez, dono da Música no Coração, Álvaro Ramos, da Ritmos&Blues, e a actual equipa de gestão do Pavilhão Atlântico ganhou o concurso de compra daquele pavilhão, por 21,2 milhões de euros — in Público.

A notícia da venda do Pavilhão Atlântico, tal como o anúncio das vendas dos terrenos da ANA e do CCB, surgiram em vésperas da época balnear, com os deputados a devolverem as mensagens eletrónicas que chegam ao parlamento, pois já estão no Havai, na Patagónia ou numa praia tailandesa. É estranho, não é, que operações desta relevância tenham escorregado para a silly season?

A notícia vem, aliás, muito bem embrulhada numa explicação pouco clara e numa manobra de diversão, ao mesmo tempo que esconde o essencial e disfarça o intrigante.

Comecemos pelo fim: o disfarce intrigante.

Percebe-se, pela notícia do Público, que sem o apoio do fundo de capital de risco do BES, o consórcio Arena Atlântico teria provavelmente perdido o pavilhão. A omnipresença do grupo BES em tudo o que são negócios do PS, do PSD e do CDS-PP (até a empresa onde Passos Coelho trabalhou até ganhar a liderança do PSD, a Fomentinvest, é detida em 15,4% pelo BES) prova à evidência que o grupo da família Salgado é hoje um verdadeiro Estado dentro do Estado. Historicamente, estas situações indesejáveis acabaram sempre por prejudicar as famílias com ambições sem limites. Não há praticamente em Portugal nenhum negócio acima dos dez milhões de euros onde não esteja um Salgado, ou um Mello. Esperemos que a crise do euro venha a travar no futuro este tipo de oligopólios patriárquicos, cuja eficiência económica e financeira é mais do que duvidosa, mas cujas perversões decorrentes de tamanha promiscuidade entre Estado, partidos políticos e banqueiros, são comprovadamente prejudiciais à emancipação cultural dos povos. Leia-se a este propósito o que escrevem Daron Acemoglu e James A. Robinson em Why Nations Fail.

A manobra de diversão

A relação familiar de Luís Montez com Aníbal Cavaco Silva —é seu genro— enche boa parte da matéria noticiosa sobre a venda do Pavilhão Atlântico, sugerindo implicitamente que poderia ter havido benefício por causa desta ligação. É verdade que os negócios do empresário Luís Montez cresceram muito depressa depois de casar com a filha do atual presidente da república. Mas também é verdade, do que sei, que Montez, antigo sócio de uma empresa que dependia cada vez mais dos seus dotes poliglotas e de relações públicas, era já um empresário de sucesso antes de dar o nó na simpática igreja de Carcavelos. Música no Coração é uma empresa de espectáculos profissional e respeitada. Ou seja, não creio que por esta via haja algo susceptível de merecer reparo, dúvidas ou intriga. Se houve desconto sem explicação (e houve!) a história escandalosa do ocorrido deve ser procurada noutro lugar...

A explicação pouco clara

"O vencedor foi escolhido essencialmente pela questão do preço", diz Assunção Cristas. Foi? Já agora quem avaliou o pavilhão? Diga-nos lá, senhora ministra!

Quando ouvi pela primeira vez o preço vencedor fiquei intrigado. E a razão é simples: achei-o demasiado barato! Mas seria a minha intuição acertada? Resolvi, para tirar dúvidas, espreitar os preços de andares à venda no Parque das Nações, consultando várias empresas, e concentrando as atenções em andares usados.

Os valores por metro quadrado encontrados em quatorze consultas foram estes (€/m2):
  • 2720 — 4484 — 6095 — 2321 — 2220 — 2735 — 2925 — 3655 — 3061 — 2843 — 2155 — 2204 — 2644 — 2103. 
A média destes valores é de 3011 €/m2. Atendendo a que o Pavilhão do Atlântico tem 36 mil metros quadrados, o valor estimável do mesmo deveria andar pelos 36.000 x 3011 = 108.424.285€.

Mas admitindo que o Estado português está tão aflito que teve que fazer um enorme desconto, usando para tal o valor médio por metro quadrado dos apartamentos à venda em toda a cidade de Lisboa, estimado em 1700€/m2 (1), ainda assim o imóvel vendido por Assunção Cristas, com a bênção de todo o Conselho de Ministros (pormenor interessante...) deveria ter rendido, no mínimo, 61.200.000€.

Recorde-se que a oferta vencedora foi de 21,2 milhões de euros. Ou seja, o Estado, isto é, os contribuintes perderam, ou estão em vias de perder, se forem todos para a praia, em vez de reclamar sobre este escandaloso saldo, entre 40 e 87 milhões de euros pela venda de um edifício que na origem custou mais de 50 milhões de euros!

Percebe-se, assim, o interesse do grupo BES em financiar tal operação!


POST SCRIPTUM
Governo espanhol aprova penas de prisão para gestores públicos
O conselho de ministros espanhol aprovou hoje o projeto de lei da Transparência, Acesso à Informação Pública e Bom Governo que prevê a alteração do Código Penal, de modo a castigar com penas de prisão gestores públicos que prevariquem — in Expresso.
Oxalá a transparência também chegue um dia ao meu aprisionado e espoliado país!


NOTAS
  1. Até considerando os últimos valores médios de avaliação bancária para a região da Grande Lisboa (não confundir com o Parque das Nações!) o valor do dito pavilhão nunca poderia ser inferior a 44.640.000€, ou seja, o dobro do preço que a senhora Cristas considerou ser o melhor preço para dar o Pavilhão Atlântico ao senhor Montez e ao fundo de capital de risco do senhor Salgado.
    Na Área Metropolitana de Lisboa, a avaliação bancária manteve o valor médio observado em maio de 1.240 euros/metro quadrado — in Agência Financeira, 27 julho 2012.

4 comentários:

Francisco disse...

A verdade é que se não há propostas de valores superiores e é preciso realmente vender, essa era a melhor proposta - trata-se da lei da oferta e da procura e sobre isso não podemos fazer nada.

O ANTONIO MARIA disse...

Não estou nada seguro da sua opinião. E a razão é simples: não houve transparência no processo! Ao menos façam como a Grécia: coloquem o património à venda num sítio web, tudo bem explicado, e depois sim, que ganhe a melhor proposta!

Anónimo disse...

o Imóvel foi vendido a 589,00€ / m2...compro os imóveis todos dos Ministros por este preço m2. Só neste país, ainda falam de Angola, isto é o paraíso da corrupção...

Anónimo disse...

Caro Francisco,
O problema de fundo é que, se calhar, não é preciso realmente vender.
O Pavilhão Atlântico a funcionar normalmente é um equipamento altamente rentável.
A sua venda só acontece por uma convicção política neo-liberal que entende que o Estado deve de estar ausente e que tudo deverá caber aos privados!
Cumprimentos