quarta-feira, novembro 07, 2012

Crescer, como?

William-Adolphe Bouguereau, Les Remords d’Oreste (1862)

Tirem-me estes partidos da frente!

António Seguro reafirmou a indisponibilidade do partido de cortar quatro mil milhões de euros na despesa do Estado. "O Governo pretende iludir os portugueses" e "criou problema ao País e aos portugueses", destaca Seguro. Este corte "não estava" na versão inicial do memorando de entendimento, assinalou, e vai resultar em "mais do mesmo da política de austeridade" — in Negócios online, 8 nov 2012, 21:18
O Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) tinha 50,7% dos seus activos aplicados em dívida do Estado português — in relatório do Tribunal de Contas sobre a Segurança Social em 2011/ Correio da Manhã, 6 nov 2012.

Mesmo sem juros, a dívida pública portuguesa é um fardo insustentável

Este António José Seguro quer que o país cresça. Mas como, se não cresceu desde 2005, e o PS levou desde então o país à ruína, aumentando uma dívida que nem em vinte anos conseguiremos diminuir até aos famosos 60% do PIB?

A dívida portuguesa, que a "política de crescimento" do PS alegremente semeou —pelo estado hipertrofiado e ineficiente, pela interminável burocracia partidária, pelas empresas e pelas pessoas incautas— deu nisto: 715,229 mil milhões de euros de endividamento (1), ou seja, 418,4% do PIB.

Só a dívida consolidada do setor público somava, em dezembro de 2011, 235,964 mil milhões de euros (138,0 por cento do PIB).

Para amortizar esta dívida a metade, ou seja para 118 MM€ (69% do PIB), em dez anos, mesmo sem juros, precisaríamos de retirar anualmente das receitas do estado 11.800 milhões de euros.

O PS, o PCP e o Bloco querem menos juros. E querem mesmo não pagar! (2)

No entanto, mesmo não pagando juros, e adiando o prazo de ajustamento do endividamento público para 2022, ainda assim teríamos que desencantar 11,8 mil milhões de euros anualmente, durante toda uma década. Crescer? Como, se ainda por cima veremos os fundos de pensões evaporarem-se ao longo desta mesma década?

Se os partidos da esquerda, keynesiana, leninista e trotskysta, berram porque não podemos pagar sete mil milhões de euros anuais por conta dos juros, quando pensam que poderemos pagar a dívida?

É bem possível que uma solução mais radical tenha que ser encontrada, sobretudo a partir do momento em que a Espanha, a Itália e a França entrarem nesta dança macabra do endividamento exponencial. Mas não tenhamos ilusões: a Alemanha do pós-guerra era uma potência industrial de primeiro plano, numa era que iria sair da inflação, das recessões e das depressões que antecederam a guerra, através de um explosivo crescimento demográfico mundial, pelo uso de uma nova energia em fase de expansão (o petróleo), pelo desenvolvimento das agro-indústria químicas de larga escala, e pela manutenção de uma divisão internacional do trabalho feroz e muito favorável ainda à Europa e aos Estados Unidos.

Hoje, nada disto existe, nem existirá nas décadas mais próximas. O que temos, pelo contrário, é uma crise alimentar, energética, demográfica e de endividamento à escala global, que o crescimento acelerado dos chamados países emergentes não fará mais do que apressar e agravar.

O que nos espera são décadas (duas, três, não sabemos) de uma contração sem precedentes da riqueza mundial, reforçada ainda nos EUA e na Europa pela transferência inevitável de riqueza (sob a forma de pagamentos de dívidas acumuladas) aos países credores da Ásia, América do Sul e África. O empobrecimento de segmentos inteiros da classe média profissional e empresarial está em marcha. O alargamento do fosso entre os muito ricos e os 99% que engrossam diariamente as fileiras do novo precariado é visível, e apesar de escandaloso, nem Obama, nem Hollande, quanto mais o nosso Tó Zé, parecem capazes de levantar um dedo contra!

Quanto mais depressa ajustarmos a despesa pública portuguesa ao que somos capazes de produzir e de pedir emprestado aos mercados (que será cada vez menos...), maior probabilidade teremos de evitar que a crise sistémica para que fomos atraídos, mais depressa do que outros países, se transforme numa tragédia. O que puder ser cortado, distribuindo efetivamente os sacrifícios, entre aumento de impostos e diminuição da despesa pública, devemos fazê-lo tão rapidamente quanto possível.

Mas para que este dramático esforço ocorra será preciso que, em primeiro lugar, o PS assuma as suas responsabilidades e tome a iniciativa de criticar José Sócrates e a corja de piratas que este liderou, pedindo desculpa aos portugueses — em vez de andar a jogar ao gato e ao rato com o primeiro ministro de plástico que em má hora foi escolhido para tomar o leme de uma barcaça em sérios riscos de naufrágio.

Mais terrorismo fiscal é impossível. Resta reduzir de forma ordenada a dimensão obscena do estado insolvente que deixámos inchar e corromper.

Se a corja partidária continuar alegremente na algazarra a que temos assistido, ou corremos com ela, exigindo um novo regime, uma nova constituição, e uma democracia participativa, sem partidos, e apoiada nas freguesias e em novos reagrupamentos democráticos de governança, ou espera-nos um implosão catastrófica do atual estado de coisas.

Os que esperam a desgraça do resto da Europa, como uma espécie de oportunidade para continuar o bacanal da dívida, são os verdadeiros criminosos que ameaçam o futuro de Portugal e dos portugueses.

Pagar ou morrer!


NOTAS
  1. Valor do PIB considerado (2011): 170,968 mil milhões de euros. Para estes e outros números, algo diferentes daqueles que o OE2013 publica, consultar estes dois documentos:
    NIE End 20-02-2012_PT.pdf
    NIE AP 23-04-12_PT.pdf
  2.  
  3. Segurança Social perde 1,5 mil milhões na Bolsa
    O FEFSS reduziu em mais de 20% a sua exposição à dívida pública portuguesa: no final de 2011, o investimento ascendia a 3,7 mil milhões de euros, contra quase 4,7 mil milhões em 2010.

    Num ano, a fuga da dívida pública portuguesa atingiu 955,5 milhões de euros, a maior diminuição registada no conjunto da carteira do FEFSS. Mesmo assim, o investimento em dívida pública nacional representava 42% do total. Incluindo as aplicações em CEDIC e Bilhetes do Tesouro, o FEFSS tinha 50,7% dos seus activos aplicados em dívida do Estado português.  Correio da Manhã (6 de novembro 2012)
    Este é um dos resultados óbvios do não pagar, ou do pagar menos juros! Só estender as maturidades é vantajoso para quem comprou dívida soberana. No entanto, como se sabe agora de fonte segura, andamos a comprar a dívida pública portuguesa, que já ninguém quer, com os fundos da Segurança Social! Ora isto é uma burla!!!
Última atualização: 7 nov 2012, 14:56

1 comentário:

antonio cerveira pinto disse...

De um amigo que prefere o anonimato:

Um bom trabalho este seu na linha daquilo a que nos vai habituando.

Gostaria de acrescentar porém uma ideia para complementar o conteúdo deste seu texto.

Ontem a Clara de Sousa (ou alguém acima) decidiu disponibilizar tempo de antena para propaganda do Inseguro.

Mexeu comigo ela não colocar a pergunta que se impunha ao discurso do VIGARISTA e que era evidente e natural :

" Se o senhor afirma que o que é importante para o País , e constantemente vem insistindo em tal ideia, não é a austeridade mas sim o DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA, explique-me o seguinte:

- Para haver desenvolvimento da economia são necessários capitais. Capitais públicos para investir não existem, já que o Estado não tem qualquer crédito (vivemos de esmolas da Troika para se não declarar a BANCARROTA IMEDIATA do País). Esta falta total de crédito é agravada por uma dívida monstruosa. Ficaria então apenas a possibilidade de tentar atrair capitais de investimento estrangeiro. Mas este, olhando para o País o que vê ?

Vê que o Sr. não admite que se toque no Estado Social (descontos para a Segurança Social, garantias no trabalho, etc.), assim com NÃO SE PRONUNCIA sobre a burocracia governamental e autárquica, a Justiça e a ineficácia dos tribunais que temos.

Como é que prevê então CONCRETIZAR UMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA?

Ou anda a enganar também o povo português como fez o seu antecessor Sócrates ?

Não deixaria pois de ser interessante que num seu próximo Post, aborde e DESMISTIFIQUE esta propaganda para imbecis que o PS vem defendendo, quando insistentemente fala "no desenvolvimento da economia contra o sadismo deste governo que tem prazer em castigar o povo impondo-lhe apenas, e só, AUSTERIDADE".