quinta-feira, novembro 14, 2013

Comprem arte!


 

O acidente de automóvel substitui as batalhas medievais como tema artístico de eleição

Em 1933, o presidente Roosevelt, numa América em profunda depressão, decretou o confisco do ouro na posse dos cidadãos, pagando-lhes uma miséria pelas onças e jóias confiscadas. Realizado o assalto, o ouro subiu em flecha, por decreto! O governo de Washington pagou 20 dólares por cada onça de ouro expropriada, e depois subiu a cotação da mesma para $35, ou seja, o governo americano levou a cabo um roubo equivalente a 75% da riqueza em ouro acumuladas pelos cidadãos ameficanos.

Talvez a memória deste rapto leve os ricos americanos, mas não só, a pensar duas vezes antes de voltarem a meter os dólares todos em ouro. Não será melhor diversificar o risco de confisco público, apostando noutros valores, como por exemplo as obras de arte e a propriedade rural fértil e com água? Os governos têm sempre maneira de roubar o que não lhes pertence, quando as suas cabeças estão a prémio, em nome, claro, dos povos que diariamente também roubam. O fascismo fiscal, como temos vindo a sentir no nosso país, é uma delas.

A procura desesperada de valor prossegue numa América onde o dólar se transformou num vulgar e barato papel higiénico. Ouro, terra que dê pão e água, e arte, são sempre oportunas alternativas ao papel-dinheiro, às obrigações dos governos, dos bancos e das EDPs deste mundo. A nova bolha bolsista de Wall Street, que se financia na diarreia monetária a que a FED chama Quantitative Easing, tem vindo a gerar ativos financeiros astronómicos, ao mesmo tempo que os sem abrigo e sem comida da América ultrapassam já 15% da população. É, pois, lógico que os especuladores e os muito ricos encaminhem parte das suas montanhas de dólares virtuais para algo bem real, como seja uma pintura de Francis Bacon, ou um desastre de Andy Warhol.

As duas leiloeiras fizeram vendas agregadas astronómicas. É de prever que algum reflexo desta exuberância acabe por chegar à Europa e a... Portugal.


Francis Bacon, “Three Studies of Lucian Freud” (1969)

Ver notícia do leilão da Sotheby's no sítio do Financial Times.
Ver notícia do leilão no sítio da leiloeira Sotheby's
Ver notícia sobre a venda de “Three Studies of Lucian Freud”, de Francis Bacon, na leiloeira Christie's, Nova Iorque, no sítio do The New York Times.

2 comentários:

Anónimo disse...

Porquê chamar fascismo fiscal se é uma prática socialista habiutal?

antonio cerveira pinto disse...

O problema do que chamo 'fascismo fiscal' é infelizmente transversal aos governos 'socialistas' e de 'liberais'. Na realidade, o liberalismo morreu há muito. O que existe é uma partilha de poder e de saque entre o que poderíamos chamar 'capitalismo corporativo' (ou das grandes corporações financeiras e industriais) e o 'capitalismo de estado' (resultado da expansão keynesiana do chamado 'estado social'). São estes os dois únicos poderes em confronto nesta crise. A população indignada não passa de um cordeiro que amos os poderes estão dispostos a sacrificar, ainda que usando retóricas distintas.