sábado, julho 26, 2014

Nós podemos

Mendo Castro Henriques, um dos fundadores do Nós, cidadãos

“Nós, cidadãos” - novo partido político chega em setembro, mas precisa da sua assinatura :)


Parecem coisa pouca estas novas ou renovadas formações partidárias —Nós, Livre, MPT, etc.—, mas se o regime continuar a tombar em dominó como tem vindo a acontecer, se a prisão de Ricardo Espírito Santo e o colapso do BES expuserem como têm a obrigação de expor o vale de corrupção que engoliu o país, se o PS se partir ao meio por causa disto e das tropelias desesperadas das tropas socratinas que entopem a mérdia indigente que temos, por causa dos empedernidos soaristas e por causa dos aventais velhos, se o Bloco desaparecer de vez, e o partido de Paulo Portas for na enxurrada do BES, então estes iniciáticos projetos partidários poderão crescer num ápice. Até às próximas eleições legislativas!

Basta pensar nos casos grego, italiano e espanhol...

E nós, que há muito defendemos uma refundação do regime, dizemos que o momento da metamorfose chegou. Dizemos que é preciso atingir tão rapidamente quanto possível cinco inadiáveis objetivos:
  1. um sistema partidário renovado e o fim da partidocracia,
  2. uma profunda revisão constitucional,
  3. um estado eficiente mas reduzido às suas funções essenciais, deixando de canibalizar, pela via burocrática, fiscal e partidária, as empresas e os cidadãos,
  4. o fim da burguesia rendeira e dos monopólios e cartéis, e  ainda
  5. a renovação dos nossos votos pela democracia e pela liberdade individual e coletiva.

Público, 24/7/2014:

“Nós, cidadãos”, a plataforma política que em 15 de Setembro próximo entrega no Tribunal Constitucional (TC) a documentação necessária para se transformar em partido, tem previsto realizar o seu congresso constitutivo em Dezembro.

Mendo Castro Henriques, coordenador nacional daquela formação, adiantou ao PÚBLICO que, até ao momento, em 80 cidades e localidades, já foram recolhidas cerca de quatro mil assinaturas.

“Dar a voz à cidadania é o nosso lema e este é o momento da cidadania chegar à área política”, indicou Castro Henriques, um dos promotores da homenagem a Ramalho Eanes em 25 de Novembro do ano passado. “O general Eanes é, para nós, uma referência moral”, precisou, afirmando que o antigo Presidente da República não está envolvido na plataforma.

 “A cultura política dos portugueses é a social-democracia, mas estamos no século XXI e tem de ser actualizada pela cidadania”, continuou. “Era uma cultura política em que o Estado se encarregava, a partir de agora deve ser uma social-democracia que tem de ser tomada em mãos pela cidadania”, destacou.

[...]

Desde que, há seis meses, deram a conhecer a intenção de avançar para um novo partido, os seus promotores garantem “ter feito um conjunto de estudos que fazem a diferença”. Será, afirma Mendo Castro Henriques, “um conjunto de programas, medidas e ideias.” Entre as quais destaca a criminalização da gestão danosa dos titulares de cargos públicos por considerarem que a actual legislação é insuficiente.

Do mesmo modo, pretendem uma política de resgate da dívida das famílias e das empresas pela introdução da banca social. Quanto ao financiamento da segurança social, querem seguir o exemplo brasileiro. “Substituir progressivamente as contribuições sobre o trabalho pela taxação sobre a facturação das empresas”, explicou o actual coordenador nacional.

“Queremos combater o abate do interior do país que está em curso pelo actual Governo, com uma concentração de escala dos municípios, através de um duplo movimento de mais descentralização de competências e mais concentração de meios”, anunciou. No pacote que preparam para o sector da Justiça, a medida que reputam como mais inovadora passa pela obrigatoriedade de, anualmente, o poder judicial prestar contas à Assembleia da República.

No âmbito da reforma do sistema político, “Nós, cidadãos” propõe a diminuição de deputados para 180, círculos uninominais e um regime de incompatibilidades “que separe a actividade política do mundo dos negócios.”

A estrutura da nova formação promete ser original. Haverá um directório com um número ímpar de membros, com rotatividade, semestral ou anual, na presidência.

Nós, cidadãos - no Facebook

1 comentário:

Jorge Lopes disse...

Ramalho Eanes como referência é uma boa ideia.
Já o prefacio da biografia de Jardim Gonçalves pode ter sido bem aproveitado por muita gente "boa". Até porque somos todos boa gente.