quarta-feira, outubro 08, 2014

O porto estratégico de Sines

Sines: todo o mundo percebe este mapa, menos...
Clique para ampliar

Com o Médio Oriente a explodir, só um tolo não vê a importância de Portugal


A recente pugna pelo ES Saúde (1), que continua a envolver sobretudo a China e os Estados Unidos da América, assim como a aposta clara e prometida do governo chinês nesta porta de entrada na Europa e em África, deveria fazer-nos a pensar. Porque será? Olhando para o mapa que compusemos para este post ficamos a saber o seguinte:
  • A China aposta no corredor Nacala-Lobito para chegar mais depressa à costa atlântica de África, e como alternativa a possíveis problemas no Médio Oriente e no Mediterrâneo.
  • A China aposta (2) no Canal do Panamá, para chegar ao Brasil-Venezuela-Argentina, mas também à Europa, e ainda na futura ligação ferroviária colombiana entre Buenaventura e Cartagena, para o transporte anual de 40 milhões de toneladas de matérias primas da Colômbia e da Venezuela para a China, e de carga contentorizada da Ásia para a Europa.
  • A China aposta em Sines e na prevista mas criminosamente atrasada ligação ferroviária dos principais portos e cidades portuguesas a Espanha e centro-norte da Europa (por Irún).
  • A China aposta no porto de Sines como um hub para super porta contentores da classe post-Panamax e no transhipment de cargas entre a China e a África, sobretudo ao longo da rica e relativamente pacífica costa ocidental deste enorme continente.
  • A Alemanha, o Brasil e os Estados Unidos (ou melhor dito, os grandes operadores do transporte marítimo: Maersk, MSC, Evergreen, COSCO, Hapag-Lloyd, Hanjin, etc.) não deixarão de aproveitar a oportunidade aberta pelos grandes investimentos entretanto realizados em Sines.
  • Creio que a China estaria interessada em financiar as ligações UIC Lisboa-Pinhal Novo-Poceirão-Setúbal-Sines-Caia, Porto-Vigo e Porto-Aveiro-Vilar Formoso. É só colocar estas ideias no mercado. Como se está a ver com a ES Saúde, até teríamos americanos, brasileiros e alemães a disputar este precioso naco de mobilidade. Havendo, ainda por cima, fundos comunitários disponíveis, o financiamento da nossa nova rede ferroviária de bitola europeia, prevista por Bruxelas (TEN-T) poderia custar zero cêntimos aos bolsos dos portugueses. 
Para apanharmos este comboio de oportunidades basta colocar gente competente e honesta nos sítios certos e acabar de vez com a contra-informação que os irremediavelmente falidos rendeiros do regime têm impingido aos sucessivos governos e distraídos ministros.


NOTAS
  1. A Caixa Geral de Depósitos e o implodido BES vão perdendo os ativos que valem alguma coisa para quem tem dinheiro para comprar. Desta vez não se trata de empresas da República Popular da China, como foram os casos da EDP (Three Gorges) e da REN (State Grid), mas sim de um multimilionário chinês, que nasceu pobre, se formou em filosofia, e aprendeu a papar os velhos ricos do Ocidente que já não sabem viver se não de privilégios rentistas facultados por governos corruptos de estados desmiolados, como o português.

    Entretanto, Ooops!

    A UnitedHealth Group Inc., 14ª da Fortune 500 e provavelmente o maior grupo privado de saúde do mundo, apareceu à última da hora com uma proposta de compra mais aliciante do que a da Fidelidade, quer dizer, do senhor Guo: 5 euros por ação, contra os 4,82 oferecidos pelo Fosun (Público).

    Americanos e chineses apostam, como se vê, em Portugal, a praia da Europa, essencial para as ligações entre a África e a Europa, entre as Américas e a Europa, e entre o Oriente e o Ocidente, nomeadamente através da futura via férrea contínua entre Nacala e Lobito, quando a explosão em curso no Médio Oriente voltar a fehcar o Canal do Suez, o Golfo Pérsico e a Rota da Seda. Há muito que desenhámos este mapa de probabilidades nas páginas do nosso blogue.
  2. Shuo Ma, Vice-Reitor da Universidade Marítima Internacional: Porto de Sines pode servir de “hub” para a África Ocidental

    Sines tem vocação ideal para transhipment
    Relativamente à posição geoestratégica de Portugal nas rotas mundiais, Shuo Ma afirma que esta é «excelente» sobretudo para os navios oriundos do Extremo Oriente, uma vez que o nosso País é o primeiro a surgir na Europa, estando numa localização ideal para estabelecer a ponte com a Europa e África. O entrevistado acredita que o futuro de Sines passa mesmo pelo “transhipment”, uma vez que o mercado português é limitado. Se o “hinterland” fora alargado a Espanha ou mesmo ao sul de França com a ligação ferroviária à fronteira, a situação poderá alterar-se, mas relembrou que os «portos espanhóis são muito agressivos comercialmente».

    O especialista em gestão portuária acredita mais na capacidade de atracção de grandes navios porta-contentores para fazer transhipment para os mercados da Costa Ocidental de África, incluindo mesmo a África do Sul. «Num futuro relativamente próximo será difícil a um grande navio porta-contentores ir directamente para África porque o mercado local não tem dimensão suficiente. A solução passa pela utilização de um porto de transhipment no sul da Europa ou no norte de África, sendo os países africanos servidos por navios “feeder”», explica. «A questão que se coloca é a localização desse porto de “transhipment”», adianta, lembrando que os portos marroquinos também são muito «agressivos comercialmente e beneficiam igualmente de uma localização privilegiada na confluência entre o Mar Mediterrâneo e o Oceano Atlântico».


    Rota do Oriente não passa pelo Canal do Panamá
    A possibilidade do porto de Sines poder servir de transhipment para os portos do Norte da Europa, beneficiando do desvio de rotas oriundas do Extremo Oriente pelo alargado Canal do Panamá parece ser pouco viável pelo entrevistado. «As obras de alargamento custaram cerca de seis mil milhões de dólares. Se o objectivo for recuperar o valor desse investimento através das portagens, então estas terão valores muito elevados que tornam esta opção pouco interessante para este tráfego. Além disso, um dos maiores problemas do Canal do Panamá consiste na falta de água fresca na parte superior, o que implica um custo adicional para a bombear». Shuo Ma considera ser mais viável o projecto da Colômbia em parceiro com a China que passa por uma ligação ferroviária entre os portos do Pacífico e do Atlântico. «O objectivo seria que os navios vindos da Ásia descarregassem os contentores no porto do lado do Pacífico que depois seriam transportados por comboio para o porto do lado da Atlântico, voltando a ser carregados para o navio, seguindo depois para a Europa. Claro que esta opção implica mais um custo de movimentação da carga. Este projecto está neste momento parado devido à crise financeira internacional», adianta.

    Carga&Transportes, 12-11-2010

4 comentários:

Anónimo disse...

Em primeiro lugar, o canal do Suez nunca irá fechar, porque interessa a todos os lados.
Em segundo lugar, mesmo que isso acontecesse, não há qq razão para que os navios passassem a acostar num porto periférico português em vez dos portos centrais da Holanda e da Alemanha, a Norte, ou da Italia e da França, a Sul. Isso significaria muito mais custos de transporte.
A ideia de que o Porto de Sines pode servir de “hub” para a África Ocidental é uma tolice. Os navios podem descarregar directamente nesse continente e depois prosseguirem para a Europa com o resto da carga.

antonio cerveira pinto disse...

Caro Anónimo,

1) Quem falou em fechar o Canal do Panamá? O que se sabe é que este não será tão competitivo como se esperava, e a China procura canais complementares entre o Pacífico e o Atlântico, estando a financiar uma solução ferroviária-portuária em colaboração com o governo colombiano.

2) Os portos do norte da Europa estão saturados e ficam longe de África

3) Os destinos africanos não têm dimensão económica para receber navios com 18 mil contentores, nem portos preparados para tal, salvo Marrocos, que poderá adiantar-se a Portugal se este nada fizer.

4) Os investimentos de Singapura e da China em Sines são uma demonstração de que sabem o que querem e do que precisam...

Anónimo disse...

1 - Não sei quem falou em fechar o Canal do Panamá. Diga-me.
2 - Os portos do Norte da Europa têm muito tráfego mas estão a ser substituídos por portos no Mediterrâneo.
3 - Ninguém vai descarregar 18 mil contentores num porto africano. Descarrega apenas os que são para lá ficar e segue para a Europa com os restantes. Para além da África do Sul, há portos capazes no Egipto (com terminal de contentores gigantesco e subexplorado), no Kenia, na Tanzania, no Djibouti, em Moçambique, na Nigeria e na Namibia. Marrocos não tem nada de melhor do que têm os seus vizinhos do Magreb e está a milhas do Egipto.
4 - O investimento oriental nos portos portugueses resulta da postura subserviente e corrupta dos nossos governantes, que lhes irão entregar aquelas infra-estruturas para que eles as transformem em Colónias dos seus países, controlando-os absolutamente e dali tirando proveitos de que mais nenhum país desenvolvido abdicaria.

antonio cerveira pinto disse...

Senhor Anónimo,

V. escreveu "Ninguém vai descarregar 18 mil contentores num porto africano. Descarrega apenas os que são para lá ficar e segue para a Europa com os restantes." Ou seja, os super post-Panamx em versão cabotagem. Sabe do que está a falar? Creio que não.