domingo, outubro 19, 2014

Orçamento Cidadão

O principal aborto do populismo 'socialista' chama-se Dìvida Pública

2015 —se a Grécia não cair em novo resgate— será parecido com 2014, mas menos agressivo


O Governo publicou um pequeno manual destinado aos cidadãos cujo objetivo é ajudar-nos a perceber num ápice o que está em causa num Orçamento de Estado, nomeadamente no proposto para 2015. Chama-se Orçamento Cidadão e poupa-nos seguramente horas de ruído e tédio a ouvir as cagarras do parlamento e a turma de economistas que desfilam sem dizer nada de relevante nas passerelles televisivas. Os gráficos e quadros aqui publicados, e comentados in situ, resumem sem retórica a situação em que nos encontramos, e revelam claramente quem nos trouxe até à fossa da pré-bancarrota, da estagnação, do empobrecimento e do descaramento inimputável da partidocracia que deixámos proliferar como uma praga insaciável.

Os 'socialistas' não sabem sequer gastar, mas gastam (e alguns roubam) que se fartam!

Enquanto o investimento caía desde 2001, o consumo cresceu alegremente entre 2005 e 2010

A elasticidade fiscal morreu e a classe média está a ser sacrificada pela irresponsabilidade criminosa da partidocracia instalada

Não há nenhum motivo válido para adiantar a data das próximas eleições legislativas.

A corja rendeira e devorista que aruinou o país, representada pelos senhores Costa, Sócrates, Soares e Companhia, e pelos senhores Marcelo, Rio, Mendes e Companhia, quer desesperadamente regressar ao poder. E quer tal regresso por duas razões vitais: controlar os estragos e evitar a defenestração do seus principais protagonistas (Ricardo Salgado não os deixa dormir em paz) e, se possível, regressar à faina da delapidação fiscal do país e à engorda da nomenclatura incompetente e corrupta que continua protegida pelos indigentes da nossa imprensa e da nossa Justiça.

Esperemos, em nome do que resta da inteligência coletiva indígena, que os eleitores que ainda votam pensem um pouco melhor no amor súbito pela criatura que nada fez para evitar as cheias em Lisboa, que reitera que é mesmo assim e que os lisboetas devem tropeçar nos buracos e afogar-se nas avenidas votando alegremente no seu anunciado coveiro.

O caminho, com ou sem Costa, é outro, e esperemos que não seja liderado pela Brigada do Reumático arrogane e cega que nos insulta diariamente nas págnas dos pasquins impressos e audiovisuais.

O serviço da nossa dívida pública equivale já a um ministério da grandeza do da educação: 10%!

Não é preciso dizer mais nada para percebermos que continua a ser urgente e inevitável trilhar o caminho da extinção progressiva e consistente da nossa dívida. E porque o pagamento da mesma não é possível se não atacarmos as causas do excesso de despesa pública, aqui vão algumas ideias estratégicas para resolvermos os nossos gravíssimos problemas antes de 2020:
  1. racionalizar o Estado central e acabar com as burocracias inúteis;
  2. reduzir para metade o número de municípios, sem extinguir um só concelho que seja!
  3. diminuir o número de deputados da AR para o limite inferior previsto na lei, ou seja, dos atuais 230, para 180;
  4. impor a redução de mandatos (1, 2 ou 3) em todos os cargos eletivos de instituições e órgãos de administração que dependam do orçamento de estado;
  5. atrair investimentos e residentes estrangeiros;
  6. aumentar as exportações;
  7. avançar criteriosamente no investimento público estratégico: portos de águas profundas para transhipment (Sines e Trafaria), ferrovia de bitola europeia (eixos prioritários já definidos pela UE), plataforma continental e novas atividades industriais, científicas e tecnológicas associadas ao mar, aproveitamento inteligente da floresta nacional, desenvolvimento de um setor de agricultura biológica e dinâmica de ponta, expansão da produção autónoma de energia (off-grid), aposta no turismo associado à saúde, ao desporto e à cultura, aposta no enriquecimento científico e tecnológico das indústrias tradicionais: calçado e vestuário, máquinas, turismo, pesca e aquicultura, azeite, vinho, cortiça, frutas, etc.;
  8. privatizar o que não tem que ser público e, ao mesmo tempo, assegurar o completo controlo dos bens estratégicos do país —ar, espectro radiolétrico, água, mar, rios, florestas e vias de comunicação—, subordinando a sua exploração privada a critérios inalienáveis de defesa do interesse público, imediato e futuro.
  9. alargar a governança democrática do país à sociedade civil, através da criação e expansão de modelos inovadores de formação democrática das decisões, a nível local, regional e nacional.
  10. aumentar os níveis de transparência, liberdade e igualdade democráticas.

PS — Em vez de de nos perdermos na litania noticiosa sobre o OE2015 é preferível ler este curto mas esclarecedor texto sobre a miséria patente e crescente do Keynesianismo sem Keynes, sem energia barata, com excesso de ‘socialismo’ social-democrata ou neo-liberal e uma descarada e cada vez mais perigosa hipertrofia burocrática das sociedades capitalistas, com ou sem democracia. Aliás, liberdade e democracia são bens cada vez mais escassos. O clima de implosão autoritária e belicista do capitalismo está à vista de todos. Só quem for muito cego é que não vê.
The IMF and Austrian Theory
Friday, October 17th, 2014 by James E. Miller
Mises Canada

Half a century later, the IMF has overseen a tumultuous business cycle that came to a screeching halt in 2008. Big, overleveraged banks were on the verge of collapsing; millions of people lost their jobs and their homes; governments spent billions of dollars to maintain their welfare safety nets. The end result, which is still ongoing, is stagnant economic growth with dim prospects for recovery.

The IMF not only failed to stop the financial crisis from occurring, it encouraged the coordinated credit expansion that allowed housing bubbles in various industrialized countries. But now, the global financing giant appears to be having a “repent thy sinner” moment. In the Fund’s recent bi-annual report, the organization warns that the ultra-low interest policies of central banks is setting the stage for a new bust. According to the Guardian, the IMF says that “more than half a decade in which official borrowing costs have been close to zero had encouraged speculation rather than the hoped-for pick up in investment.”

2 comentários:

vazelios disse...

Não tem a ver com o tema do post mas este artigo é bastante interessante e completo, e sobre uma das áreas onde o António mais se debruça.

http://charlesbiderman.com/2014/10/15/daze-of-peak-oilor-at-least-peak-oil-production/

antonio cerveira pinto disse...

Obrigado Vazellos ;)

vou ler...