terça-feira, abril 28, 2015

A TAP depois TAP (verão alucinante)

Michael O. Leary com uma hospedeira da Ryanair ao colo

“Hoje, nós é que estamos ameaçando as low-cost” (Fernando Pinto)


DINHEIRO – As chamadas companhias low-cost estão prosperando. Elas são uma ameaça às grandes?

FERNANDO PINTO – Não tanto. Eu diria que elas ajudaram as empresas tradicionais a serem mais competitivas. As empresas tradicionais já começam a absorver grande parte do contingente de passageiros das empresas menores. Estamos sabendo usar melhor a nossa rede de agências, que é maior e passa a ser mais interessante para o passageiro. Se ele, além de ter um serviço de bordo, ainda conta com tarifas competitivas, então não tem discussão: opta por nós. Eu diria mais. Hoje, nós é que estamos ameaçando as low-cost.

in ISTO É DINHEIRO, 16-02-2005

Numa resposta irónica, dada dez anos depois, Michael O. Leary fez passar um anúncio da Ryanair no intervalo do Prós e Contras (RTP 1) dedicado ao fim da TAP. Depois da greve dos pilotos que irá decorrer entre 1 e 10 de maio haverá uma nova companhia, ou um grande buraco negro.

Eis como imagino os próximos dias e semanas:
  1. A greve irá ter lugar, com 10% dos voos garantidos sob a designação de serviços mínimos.
  2. O governo anuncia que, face à situação da TAP, agravada pela greve dos pilotos, o processo de privatização é interrompido até que regressem condições favoráveis à reabertura do processo.
  3. A administração da TAP demite-se em bloco.
  4. O governo aceita a demissão e anuncia o início imediato e urgente de um processo de aumento de capital e reestruturação da TAP, da qual fará parte a manutenção do hub de longo e muito longo curso e ainda a criação de uma empresa Low Cost no seio do grupo TAP, para os voos de médio curso (sobretudo Europa e norte de África).
  5. O governo abre uma investigação oficial ao colapso da empresa.
  6. A PGR anuncia que está em curso uma investigação sobre eventuais ilícitos criminais praticados ao longo da gestão levada a cabo pela administração cessante.
  7. Entretanto, diligências intensas prosseguem nos Estados Unidos, Canadá, Médio Oriente e Oriente para encontrar um parceiro estratégico para a TAP. Não me importaria de ver a China Eastern Airlines como futuro parceiro estratégico da TAP.
  8. A reprivatização assegura maioria do capital em mãos nacionais: Estado, CGD, Novo Banco, Millennium BCP, BPI (no essencial, as dívidas da TAP são convertidas em capital acionista), Caetano Aeronautics, Grupo Fosun, etc.
  9. Todas estas decisões serão tomadas até ao fim do mês de maio.
  10. O essencial da reestruturação estará concluída até ao fim deste verão.
Se esta previsão se verificar, a coligação no governo renova a maioria absoluta.

Claro que tudo isto poderá dar para o torto, e aí adeus nova maioria.

Recomendação: afastem o Sérgio das PPP de tudo isto, quanto antes!

Atualização: 28-4-2015 13:47 WET


Se gostou do que leu apoie a continuidade deste blogue com uma pequena doação

2 comentários:

antonio cerveira pinto disse...

E-mail recebido:

Ontem o programa Prós e Contras foi sobre a TAP

A mensagem que passou foi esta: a TAP está completamente falida.

Depois dos empréstimos do BES (que colapsou) e mais recentemente da CGD, já não há mais dinheiro para alimentar o buraco sem fundo da TAP.

Isto não era nenhuma novidade para os mais atentos.

Foi no entanto surpreendente constatar no programa televisivo que há ainda quem insista na ideia de construir um Novo Aeroporto de Lisboa (NAL) em Canha (perto de Alcochete) com esta TAP falida. Nem dá para acreditar mas, na verdade, foi o que ouvimos.

Afinal "não eram bocas" da Blogosfera, mas sim a realidade dos factos.

Esta política obsessiva sobre o NAL, que fez depender a nova rede ferroviária de bitola europeia dum hipotético novo aeroporto em Canha, levou à seguinte tragédia:

Nem se construiu a linha de bitola europeia Poceirão-Caia;

Nem se construiu (ainda bem!) o NAL;

Nem se reestruturou a TAP, quando ainda se podia...

Como dizia o já falecido Gen. Abecassis "a garotada a brincar aos aeroportos".

Entretanto, uma tragédia para milhares de pessoas e famílias anuncia-se no horizonte, graças à aposta ruinosa de quem quis trocar a Portela pela Ota, ou por Canha-Alcochete.

RR

vazelios disse...

Com o devido respeito, o António mostra conhecimento em muitos dossiers, inclusivé TAP e Grécia, mas aposta no cavalo errado e falha nas previsões.

Em relação à Grécia já nem o chateio mais...

Em relação à TAP, ainda estou a reler todos os posts, mas vê-se bem neste post que falhou todas as suas previsões e até agora nenhuma catástrofe se seguiu, bem pelo contrário, estão 3 pretendentes à porta.

Concordo que o pior ainda pode acontecer, mas umas luzes também se acenderam. Penso que ninguém pode adivinhar o que vai acontecer. Só podemos ter uma certeza. Ou se privatiza ou se restrutura, mas a TAP vale mais do que pensa e penso que depois de tanta tinta a correr de forma ridicula a privatização ainda pode ser feita. O governo consegue assim ganhar mais um ponto, depois de por toda a população contra os pilotos, que conseguiram uma adesão média à greve com uns ridiculos 30%, se tanto.

Alguma cautela na abordagem dos temas, diria eu..