segunda-feira, janeiro 30, 2017

A dúvida de Trump


Quem é o inimigo principal? A China, ou a Rússia?


Irá Donald Trump abandonar a teoria estratégica que dominou a diplomacia mundial desde 1904, ou, pelo contrário, o que está em causa, como sugere Immanuel Wallerstein, é saber se os Estados Unidos estarão finalmente preparados para ceder à China a missão estratégica de conter o expansionismo potencial da Rússia, esse famoso Coração da Terra descrito por Halford John Mackinder?

Most politicians, journalists, and academic analysts describe the relations of China and the United States as one of hostile competition, especially in East Asia. I disagree. I believe that the top of both countries' geopolitical agenda is reaching a long-term accord with the other. The major bone of contention is which of the two prospective partners will be the top dog.
—in “China and the United States: Partners?”
Immanuel Wallerstein. Commentary No. 441, Jan. 15, 2017

A verdade é que a Grande Rússia, czarista, soviética, ou putiniana é mesmo o coração da Eurásia, e é muito grande! Trata-se de um país continental com autonomia energética e alimentar, onde é possível ensaiar mísseis balísticos, bem como tentar aplicar a teoria do socialismo num só país. Ou seja, a sua inércia geopolítica é incomensurável, sendo que qualquer exercício de contenção sobre a elasticidade das suas fronteiras internas e próximas (Rimland) obriga a esforços económicos e humanos de incalculáveis custos, que sucessivas derrotas militares (Napoleão e Hitler, mas também Clinton, Bush e Obama) comprovaram tragicamente. A Alemanha tentou conquistar este Heartland e só não foi absorviva pela União Soviética porque os seus inimigos ocidentais da véspera lhe deitaram a mão imeditamente após a chegada das tropas russas a Berlim. O preço da ambição alemã foi, no entanto, a expansão da fronteira elástica da Mãe Rússia ao longo da chamada Cortina de Ferro e mesmo até ao interior da Alemanha, dividindo a sua capital em duas metades.

“From Stettin in the Baltic to Trieste in the Adriatic an iron curtain has descended across the Continent. Behind that line lie all the capitals of the ancient states of Central and Eastern Europe. Warsaw, Berlin, Prague, Vienna, Budapest, Belgrade, Bucharest and Sofia; all these famous cities and the populations around them lie in what I must call the Soviet sphere, and all are subject, in one form or another, not only to Soviet influence but to a very high and in some cases increasing measure of control from Moscow.”  
—Winston Churchill

A América e a Europa ocidental, apesar de serem as mais ricas regiões económicas do planeta não têm disponibilidades financeiras e anímicas suficientes para continuarem a suportar os custos de um cerco geopolítico cada vez mais caro e com perdas colaterais cada vez maiores, de que a crise migratória, a par da radicalização social e política de um e outro lado do Atlântico são as maiores ameaças recentes à sua estabilidade. Mas se assim é, porque pretende Donald Trump uma trégua com Moscovo, provocar a Alemanha, e atacar Pequim? Não seria mais lógico aproximar-se da China e encomendar-lhe parte dos custos de contenção da ameaça russa?

Segundo Immanuel Wallerstein, este é o caminho, mas tem um senão: implica que os Estados Unidos cedam o seu papel de potência dominante à China, como outrora os ingleses acabariam por fazer relativamente à sua antiga colónia. Uma tal cedência, porém, é o contrário do que diz a consigna Make America Great Again.

Nada disto faz sentido. Aparentemente. Salvo se estivermos em presença de uma manobra perversa por parte dos Estados Unidos, nomeadamente depois de constatarem que o seu declínio prossegue de forma imparável e a sua sociedade está cada vez mais dividida e violenta, ao contrário de uma União Europeia e de uma moeda, o euro, que parecem resistir a todas as tentativas (americana, inglesa e russa) de as destruirem. A manobra seria esta: criar atrito com a China, provocar a União Europeia, dar espaço de manobra à Rússia, e esperar que os temores da China comecem a aflorar nas conversas privadas entre Washngton e Pequim. É que a autonomia energética chinesa chegou virtualmente ao fim. Sem energia abundante e barata mais limpa que o carvão, até hoje usado, e sem o petróleo/ gás natural do Médio Oriente e da Ásia Central, o colapso ecológico, mas também económico de Pequim, poderá estar a menos de duas décadas de distância. O crescimento real do PIB chinês não ultrapassa hoje os 5%. Ou seja, mais do que a América, cuja suficiência energética e alimentar continua a ser evidente, é a China—a qual faz parte do famoso Rimland do Coração da Terra— que precisa de conter a Rússia! Chegados aqui, os americanos bem poderiam recolher a penates e lamber as feridas de um século de imperialismo violento.

Conclusão: os Estados Unidos desejam secretamente ceder a supremacia à China, mas sem perder a face.



REFERÊNCIAS À TEORIA GEOESTRATÉGICA DE MACKINDER

A modernidade pós-medieval começa em 1415 (tomada de Ceuta pelos portugueses), ou em 1453 (queda de Constantinopla), ou em 1492 e 1500 (descoberta do continente americano), ou em 1522 (conclusão da primeira viagem de circum-navegação), e termina, segundo H. J. Mackinder, pouco depois de 1900. Este foi o tempo que levou a conhecer e desenhar o mapa da Terra até às suas mais ínfimas paragens. Depois desta aventura, o mundo tornou-se uma realidade geopolítica fechada, não havendo mais nenhuma 'última fronteira' a descobrir ou conquistar, mas tão só territórios delimitados por nações e estados, compondo placas tectónicas e geopolíticas cujos movimentos e atritos marcam o pulsar, por vezes violento, entre as comunidades humanas que nelas habitam.

Como escreveu Harold John Mackinder na sua famosa conferência de 1904 (traduzo livremente),
Quando os historiadores num remoto futuro olharem para o grupo de séculos por que estamos a passar, com uma perspetiva comprimida como aquela que nos dá a ver as dinastias do Egito, poderá muito bem acontecer que descrevam os últimos 400 anos como a época colombiana, e digam que a mesma acabou pouco depois de 1900. 

CITAÇÕES

##
“Who rules East Europe commands the Heartland; Who rules the Heartland commands the World Island; Who rules the World Island commands the World.”(Mackinder, Democratic Ideals and Reality, p. 150) 
Competition for gaining control over natural resources between Russia and the United States together with geopolitical and strategic factors characterized the geopolitics of Central Asia. Control over natural resources as well as market access is indeed the main motto of the foreign policy direction of both states. In fact, it may be said that outlined in 1904 through his speech, the “Heartland theory” was a founding moment for geopolitics. His argument regarding the control of the Eurasian landmass (Europe, Asia, and the Middle East), is still considered as the major geopolitical prize.  
—in “Heartland Theory” of Mackinder & its Relevancy in Central Asia Geopolitics
By Suban Kumar Chowdhury and Abdullah Hel Kafi
IndraStra. Saturday, June 25, 2016

##
In Europe, North America, South America, Africa, and Australasia there is scarcely a region left for the pegging out of a claim of ownership, unless as the result of a war between civilized or half-civilized powers. Even in Asia, we are probably witnessing the last moves of the game first played by the horsemen of Yermak the Cossack and the shipment of Vasco da Gama. Broadly speaking, we may contrast the Columbian epoch with the age which preceded it, describing its essential characteristic as the expansion of Europe against almost negligible resistances, whereas medieval Christendom was bent into a narrow region and threatened by external barbarism. From the present time forth, in the pos-Columbian age, we shall again have to deal with a closed political system, and none the less that it will be one of worldwide scope. [...] 
European civilization is, in a very real sense, the outcome of the secular struggle against Asiatic invasion. [...] 
...the settled peoples of Europe lay gripped between two pressures—that of the Asiatic nomads from the east, and on the other three sides that of the pirates from the sea. From its very nature, neither pressure was overwhelming, and both, therefore, were stimulative. [...] 
It is probably one of the most striking coincidences of history that the seaward and the landward expansion of Europe should, in a sense, continue the ancient opposition between Roman and Greek. Few great failures have had more far-reaching consequences tan the failure of Rome to Latinize the Greek. The Teuton was civilized and Christianized by the Roman, the Slav in the main by the Greek. It is the Romano-Teuton who in later times embarked upon the ocean; it was the Graeco-Slav who rode over the steppes, conquering the Turanian. Thus the modern land-power differs from the sea-power no less in the source of its ideals than in the material conditions of its mobility. [...] 
For a thousand years a series of horse-riding peoples emerged from Asia through the broad interval between the Ural mountains and the Caspian sea, [...] 
The all-important result of the discovery of the Cape road to the Indies was to connect the western and the eastern coastal navigations of Euro-Asia, even though by a circuitous route, and thus in some measure to neutralize the strategical advantage of the central position of the steppe nomads by pressing upon them in the rear. 
—in The Geographical Pivot of History
H. J. Mackinder
The Geographical Journal
Vol. 23, No. 4 (Apr. 1904), pp. 421-437

##
Mackinder’s article argued that the coming of steam power, electricity, and the railways were, at last, permitting continental nations to overcome the physical obstacles that had hampered their development in the past. 
In particular, the railway was enabling tsarist Russia to exploit its vast internal resources and to make strategic inroads in the far east and towards India that its imperial rival Great Britain could not counter. Land power was thus eroding the geopolitical advantages that had been enjoyed by the western sea powers. 
The rest of the 20th century bore witness to Mackinder’s thesis. The two world wars were struggles for control of what the author called the “rimlands”, that swathe of territories running from eastern Europe to the Himalayas and beyond, just outside the Asian “heartland” itself. Soviet domination of that region during the cold war caused many a US geopolitician (Nicholas Spykman, for example) to recall Mackinder’s theories. And the recent projection of US military power into Afghanistan and various central Asian republics has rekindled interest in the hypothesis. 
—in The pivot of history
Paul Kennedy
The Guardian, Saturday 19 June 2004 12.02 BST

2 comentários:

antonio cerveira pinto disse...

Um amigo enviou-me este comentário produtivo ;) Obrigado

Meu caro,

A questão que levanta é estimulante para um exercício de geoestratégia. Poderá assentar sobre dois cenários de base:

1º Qual dos dois, China ou Rússia, estará mais forte no futuro? O potencial maior está nitidamente do lado da Rússia, sem falar do possível degelo do Ártico.

2º Se os EUA derem um sinal de preferirem a China, toda a Ásia será perdida em termos de influência dos EUA. Uma vez dado esse passo, adeus Ásia! E a Ásia não é apenas China, é também Índia, Japão, e Austrália. Os EUA não poderão, a meu ver, dar esse passo, que seria fatídico. Antes preferirão que a China se entenda e seja contida pelos seus problemas internos (como aconteceu com a antiga URSS) e pelas relações conflituosas com potências nucleares na sua zona: India, Paquistão, Coreia e Japão.

Portanto, a questão talvez não esteja na perceção de quem será mais forte no futuro previsível, mas de como se devem reconstruir os novos equilíbrios. E aqui reaparece a Europa.

Em termos de futuro e de população, a Ásia é a potência maior, depois, a Europa e a Rússia, as Américas, e por fim, a África.

Este deve ser o pano de fundo útil para o conjunto das nações, e não apenas as armas nucleares ou os recursos materiais.

Uma nova ONU deverá ser construída. Trump parece querer colocar a questão da ONU em cima da mesa, no primeiro, ou no segundo mandato.

Neste sentido, uma aproximação dos EUA à Rússia permitirá sair do clima da guerra fria e começar a construir as bases desses novos equilíbrios. Não sei se Trump pensa nestes termos! Mas se está nesta linha, estou com ele!

Mas para o conseguir, Trump tem que ser fraturante nos próximos tempos e abalar os equilíbrios construídos nas últimas décadas, porque são um travão e tendem a preferir a guerra como solução!

Abraço
V.L.

antonio cerveira pinto disse...

A sua tese, contrapondo o multilateralismo sob a forma de um mundo de placas geopolíticas equipotentes à teoria de Mackinder, que Kissinger, Wallerstein, ou Brzezinski seguem, que vê o mundo como uma unidade subordinada a uma única super-potência, é a mais pacífica e desejavel, seguramente.

Atenção, entretanto, à demografia africana!