terça-feira, fevereiro 07, 2017

Depois do crescimento

demografia mundial
Em todas as áreas azuis a população deixou de crescer e envelhece.


Estagnação demográfica, envelhecimento e o fim da energia barata.


Olhando para o gráfico da demografia mundial entre 1961 e 2015, verificamos que a taxa de crescimento começou a cair em 1969 (2,1%), estando em 2015 nos 1,18%. No entanto, a população continua a crescer, sobretudo no continente africano.

As regiões com maior rendimento per capita do planeta—Estados Unidos, Canadá, Europa ocidental, Austrália, Japão—estão em processo de envelhecimento acelerado e estagnação demográfica. Mas não só: China, Brasil e Rússia, por exemplo, encontram-se em situação semelhante. O crescimento demográfico em países como o México, ou na América do Sul à exceção do Chile e Brasil, em França, na Arábia Saudita e Turquia, no Casaquistão e na Mongólia, Índia, Paquistão, Malásia, Indonésia e Nova Zelândia, situa-se entre os 2 e os 3 filhos por mulher, havendo assim nalguns destes países renovação geracional efetiva. Só em África se verifica ainda aquilo a que poderíamos chamar uma explosão demográfica, sobretudo nas regiões subsarianas e no centro do continente.

África já é o segundo continente mais populoso do planeta, depois da Ásia central e do sul. Até 2030 terá mais 493 milhões de pessoas (passando dos atuais 1.186 milhões para 1.679 milhões), e em 2050 haverá mais 1.292 milhões do que hoje, ou seja, o continente africano terá então uns 2.478 milhões de almas. Se pensarmos apenas nos grandes países de língua portuguesa, em 2030 Brasil terá +20 milhões de pessoas (207.848 > 228.663), Angola, +14 milhões (25.022 > 39.351), e Moçambique, +13 milhões (27.978 > 41.437).

Olhando para o mapa acima percebe-se até que ponto os países que deixaram de crescer demograficamente (a Península Ibérica, se nada fizer, perderá 700 mil pessoas até 2030), ou acolhem população jovem de outros continentes, ou morrem de velhos, provavelmente no meio de grandes convulsões sociais. Falta, porém, saber como programar o inadiável rejuvenescimento destas sociedades demograficamente estagnadas, sem causar dramas como os que hoje afligem a Europa, lançando os países numa corrida populista em direção ao abismo. Precisamos de discutir sem complexos estes temas.

Uma das origens da estagnação demográfica e económica é o fim da energia barata, bem como de outras matérias primas que, tal como o petróleo e o gás natural, só são baratas se forem abundantes e de fácil acesso. Durante algumas décadas o endividamento público e privado escondeu a realidade dos preços, ou seja, que os recursos necessários à economia e à vida das pessoas se tornaram demasiado caros quando comparados com os rendimentos declinantes do trabalho. Hoje, com as bolhas financeiras a rebentarem por toda a parte, o crescimento real praticamente estagnado, desemprego e falta de novos empregos, percebe-se que a queda da procura agregada mundial veio para ficar (ainda que possa aumentar até 2030-40, moderadamente, pelo efeito induzido pelo crescimento da população mundial) e vai impor alterações radicais nas sociedades. Poderá mesmo interromper a globalização competitiva baseada no desenvolvimento assimétrico, provocando o regresso das soberanias nacionais. Também neste ponto há necessidade de abordar os temas com imaginação, nomeadamente no que toca à sempre possível fragmentação da União Europeia e do euro. A este propósito, o Brexit, por um lado, e a experiência alemã, por outro, serão provavelmente os melhores observatórios para acompanhar este problema e esta discussão. 

Algumas ilusões tecnológicas devem, entretanto, ser afastadas da nossa imaginação e sobretudo da nossa agenda política. Uma destas ilusões é a das energias renováveis. A outra é a de que o nosso maior problema são as alterações climáticas, as quais, por sua vez, legitimam a corrida ruinosa pelas energias eólica e fotovoltaica, ou a criação de novas bolhas especulativas, como o chamado mercado das emissões de carbono. Finalmente, a ideia de substituir tabalho humano por máquinas inteligentes não é nova e acelera há alguns anos na vertente informática, da inteligência computacional e da robótica. Esta aceleração poderá resolver alguns problemas associados ao envelhecimento e à estagnação demográfica, mas padece do mesmo mal que as indústrias tradicionais: precisa de muita energia, e se esta for cara, os produtos finais, sejam estes de natueza material ou imaterial, serão igualmente caros, mantendo-se assim a tendência já instalada e de longo prazo (60 a 100 anos) para a quebra acentuada da procura agregada mundial. No entanto, a combinação entre conhecimento e crise poderá ser a mistura necessária para uma transição pacífica das sociedades perdulárias, agonísticas e desiguais contemporâneas em direção a uma ordem social mais equilibrada. Veremos...


REFERÊNCIAS




Policy Makers, like Generals, Are Busy Fighting The Last War
Econimica, Saturday, January 21, 2017

1. The Global Population of Young (Future Consumer Base) Ceased Growing...30 Years Ago.

2. The Worlds Population is Still Growing Due to a Surge in the Elderly Living Longer and High African Birthrates Offsetting Global Depopulation of Young.


The “Wind and Solar Will Save Us” Delusion

The “Wind and Solar Will Save Us” story is based on a long list of misunderstandings and apples to oranges comparisons. Somehow, people seem to believe that our economy of 7.5 billion people can get along with a very short list of energy supplies. This short list will not include fossil fuels. Some would exclude nuclear, as well. Without these energy types, we find ourselves with a short list of types of energy — what BP calls Hydroelectric, Geobiomass (geothermal, wood, wood waste, and other miscellaneous types; also liquid fuels from plants), Wind, and Solar.

Unfortunately, a transition to such a short list of fuels can’t really work. These are a few of the problems we encounter:

[1] Wind and solar are making extremely slow progress in helping the world move away from fossil fuel dependence.

[2] Grid electricity is probably the least sustainable form of energy we have.

[3] Our big need for energy is in the winter, when the sun doesn’t shine as much, and we can’t count on the wind blowing.

[4] If a family burns coal or natural gas directly for winter heat, but then switches to electric heat that is produced using the same fuel, the cost is likely to be higher. If there is a second change to a higher-cost type of electricity, the cost of heat will be even greater. 

[5] Low energy prices for the consumer are very important. Unfortunately, many analyses of the benefit of wind or of solar give a misleading impression of their true cost, when added to the electric grid. 

[6] If we want heat in the winter, and we are trying to use solar and wind, we need to somehow figure out a way to store electricity from summer to winter. Otherwise, we need to operate a double system at high cost.

[7] There are a few countries that use an unusually large share of electricity in their energy mixes today. These countries seem to be special cases that would be hard for other countries to emulate.

[8] Hydroelectric power is great for balancing wind and solar, but it is available in limited quantities. It too has intermittency problems, limiting how much it can be counted on. 

[9] If we need to get along without fossil fuels for electricity generation, we would have to depend greatly on hydroelectric power. Hydro tends to have considerable variability from year to year, making it hard to depend on.

[10] There has been a misunderstanding regarding the nature of our energy problem. Many people believe that we will “run out” of fossil fuels, or that the price of oil and other fuels will rise very high. In fact, our problem seems to be one of affordability: energy prices don’t rise high enough to cover the rising cost of producing electricity and other energy products. Adding wind and solar tends to make the problem of low commodity prices worse.   

[...]

If we want to operate a double system, using wind and solar when it is available, and using fossil fuels at other times, the cost will be very high. The problem arises because the fossil fuel system has many fixed costs. For example, coal mines and natural gas companies need to continue to pay interest on their loans, or they will default. Pipelines need to operate 365 days per year, regardless of whether they are actually full. The question is how to get enough funding for this double system.

[...]

A different pricing system that works much better in our current situation is the utility pricing system, or “cost plus” pricing. In this system, prices are determined by regulators, based on a review of all necessary costs, including appropriate profit margins for producers. In the case of a double system, it allows prices to be high enough to cover all the needed costs, including the extra long distance transmission lines, plus all of the high fixed costs of fossil fuel and nuclear power plants, operating for fewer hours per year.

Of course, these much higher electricity rates eventually will become unaffordable for the consumer, leading to a cutback in purchases. If enough of these cutbacks in purchases occur, the result will be recession. But at least the electricity system doesn’t fail at an early date because of inadequate profits for its producers.

Conclusion

The possibility of making a transition to an all-renewables system seems virtually impossible, for the reasons I have outlined above.


Exposed: How world leaders were duped into investing billions over manipulated global warming data 

PUBLISHED: 22:57 GMT, 4 February 2017 | UPDATED: 15:12 GMT, 5 February 2017

The Mail on Sunday today reveals astonishing evidence that the organisation that is the world’s leading source of climate data rushed to publish a landmark paper that exaggerated global warming and was timed to influence the historic Paris Agreement on climate change.
A high-level whistleblower has told this newspaper that America’s National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) breached its own rules on scientific integrity when it published the sensational but flawed report, aimed at making the maximum possible impact on world leaders including Barack Obama and David Cameron at the UN climate conference in Paris in 2015.

[...]

In an exclusive interview, Dr Bates accused the lead author of the paper, Thomas Karl, who was until last year director of the NOAA section that produces climate data – the National Centers for Environmental Information (NCEI) – of ‘insisting on decisions and scientific choices that maximised warming and minimised documentation… in an effort to discredit the notion of a global warming pause, rushed so that he could time publication to influence national and international deliberations on climate policy’.

[...]

Dr. Bates revealed that the failure to archive and make available fully documented data not only violated NOAA rules, but also those set down by Science. Before he retired last year, he continued to raise the issue internally. Then came the final bombshell. Dr Bates said: ‘I learned that the computer used to process the software had suffered a complete failure.’
The reason for the failure is unknown, but it means the Pausebuster paper can never be replicated or verified by other scientists.


Harnessing automation for a future that works
By James Manyika, Michael Chui, Mehdi Miremadi, Jacques Bughin, Katy George, Paul Willmott, and Martin Dewhurst
McKinsey report

The automation of activities can enable businesses to improve performance by reducing errors and improving quality and speed, and in some cases achieving outcomes that go beyond human capabilities. Automation also contributes to productivity, as it has done historically. At a time of lackluster productivity growth, this would give a needed boost to economic growth and prosperity. It would also help offset the impact of a declining share of the working-age population in many countries. Based on our scenario modeling, we estimate automation could raise productivity growth globally by 0.8 to 1.4 percent annually.


Atualização: 24 fevereiro 2017, 12:02 wet

2 comentários:

simon disse...

Tudo muito bem, o O António Maria é aquela classe, mas estará ainda um pouco como a Theresa May, se não viu o fuilme: Lá se fazem, cá se pagam, diria o Churchil
A Grã-Bretanha será um estado islâmico dentro de poucos anos, de mulheres de véu e burka, a cinco e seis por cada homem, meninas ainda, estigma da incisão genital, pregões do minarete a convidar às mesquitas, perseguição dos infiéis, morte aos que resistam a converter-se ao Islão e em casa porrada nelas, cabras, desprotegidas da ânglia lawou outra caseira.
Eu temo que a Teresa Maio não enxerga o que aí vem e não viu o filme a tempo. As taxas de natalidade britânicas caíram e as taxas de nascimento de imigrantes / muçulmanos são muito altas. Dentro de poucos anos, o povo britânico será uma minoria em seu próprio país. Estamos indo para a guerra civil e derramamento de sangue, não se imaginando guerra mais cruenta que a que está a chegar, pelas mãos de uns bilderbergs ingénuos, estultos.
E todo o ocidente já começa a arder, da França e Bélgica à Alemanha, Itália, Espanha, países nórdicos, igual que o Canadá, Estados Unidos, a Ucrânia, Rússia, países bálticos, dentro de uns 20, 30 e 35 anos, ao passo que escurece a pele, assim a sharia fanática, cruel, impiedosa, cobrirá as mulheres, convertidas à força, com sujeição das mesmas tradições e costumes, leis, cultura e mais a religião, passadas a zero à lei da moirama, dentro de uns trinta anos. Que mudará num pronto tudo, em parto difícil, virulento, de carnificina atroz, imparável, que o mundo não viu nunca, às forças de intransigente fanatismo. Quem disse o islamismo de paz?, o Islão não suporta divisão, não tolera o outro em maioria e ou afinas, te convertes ou vais de roda aos anjinhos. As catedrais devassadas, igrejas tornadas pasto do fogo, cruzes, cemitérios e mais sinais da cristandade desfeitos, esmagados, com Lurdes e o Vaticano, mais Fátima e outras romarias passadas a caterpiller, igual que cristãos na Síria e no Egipto, que as estátuas do Buda e Palmyra.
Razão tinha Obama em fazer a cena dele, em libertar sangrento ódio dos irmãos islâmicos, de há muito humilhados, ostracizados ao capricho, abuso do colonizador cruzado. Como a tem ora o Trump, parcial nas escolhas, atrasado de mais para o rio a crescer, que ninguém já domina.
Não falta aí gente incauta, moldada, insciente do que ainda a espera e só abrirá os olhos tarde, quando sem remédio. Mas pior é as vossas crianças que não esperastes criar para o inferno. Ou pensai só um pouco, dentro desses anos, 25, 30 anos, a Europa é uma mesquita enorme, à voz do imã fumegante e irmãos desavindos em sectarismo duro, ao passo que o mundo é um bazar tribal imenso de fanáticos sauditas à guerra entre eles e com os infiéis que passam à espada.
E então deixem de dizer mal do clima que aquece, arrefece, da política à esquerda e direita, como da justiça e mais luxos em breve à cinza do tempo, sem historiador que lhe sobreviva, impossível. A minha amiga a formar-se em Direito verá o tempo a andar para trás, não tarda, com um canudo inútil, e eu temo o pior para além do curso, enquanto apelo ao bom que ainda é viver por este tempo, do melhor que já houve, eu acho, vislumbrando o futuro às portas, sangrento, cruel, impiedoso. E foi um bom tempo, esse que passámos juntos em sossego, muitos anos, meus amigos . http://videos.britainfirst.org/britain-will-be-a-muslim-state-within-a-few-short-years/

antonio cerveira pinto disse...

A população muçulmana residente no Reino Unido representa atualmente 5,4% do total de residentes naquele país. Antes de acompanhar a propaganda xenófoba convem reparar nas estatísticas...

http://www.dailymail.co.uk/news/article-3424584/Muslims-UK-3-million-time-50-born-outside-Britain-Number-country-doubles-decade-immigration-birth-rates-soar.html