Paginas do Blogue

quinta-feira, agosto 24, 2017

Impresa até quando?

Francisco Pinto Balsemão
Foto: ?



A marca Impresa (Expresso, SIC, Visão, ...) está para a comunicação social como o BES estava para a banca.


Impresa pondera fechar Visão e outras revistas 
O grupo Impresa, detentor da SIC e de títulos como o semanário Expresso ou a revista Visão, pondera encerrar diversas publicações, se não conseguir vendê-las até ao final do ano, sendo certo que o Expresso se manterá no grupo. A solução foi comunicada pela administração esta quarta-feira de manhã aos directores de algumas das revistas em causa. Além da Visão (que inclui a Visão Junior e a Visão História), a Impresa detém a Caras, Activa, Exame, Exame Informática, Telenovelas e TV Mais, para lá do Courier Internacional, do Blitz e do Jornal de Letras. 
Público. LILIANA VALENTE e LUÍS VILLALOBOS 23 de agosto de 2017, 16:36 actualizada às 20:12Se não é ainda um fim anunciado, por perto andará.

Há muito que se conhecem as difculdades da Impresa (1) e o nível insustentácel da sua dívida. O lençol orçamental tecido pela Geringonça foi repuxado para o outro lado, o lado das bases sociais e burocráticas de apoio ao PS, Bloco e PCP. Para além das famosas cativações radicais, que ameaçam as infraestruras e a segurança do país, como vimos neste assassino verão de fogos florestais, teremos também dificuldades crescentes nalgumas empresas habituadas a um certo paroquialismo protegido pelos bancos e elites indígenas. Tudo somado, continuamos a ver crescer o desemprego estrutural, a destruição de capital fixo e humano, a implosão das classes médias, o aumento das desigualdades e da pobreza, a evaporação da poupança, a colonização financeira acelerada do país, a gentrificação das cidades, e um enorme sarilho no regime a menos de uma legislatura de vista. Marcelo Rebelo de Sousa terá que dar o seu melhor. Mas não sei se será suficiente.

A economia virtual, a tal que foi gerada pelas bolhas especulativas, mas a que os bancos centrais, BOJ, BoE, Fed e BCE acrescentaram mais fantasias monetárias, tornou-se uma realidade estratosférica. Basta pensar, como sintoma desta incomensurabilidade, no passe pago pelo Qatar/Paris Saint-Germain ao Barça para contratar o jogador de futebol Neymar: 222 milhões de dólares. Ou ainda na capitalização de uma empresa tecnológica como a Apple: 752 mil milhões de dólares, mais do triplo do PIB português (204 mil milhões de dólares em 2016). Ou, para dar ainda um último exemplo sugestivo, a Uber, cujo valor supera a capitalização de toda a bolsa portuguesa. Nesta realidade que incha para lá de toda a nossa imaginação, empresas como a Impresa (que terminou a sua viagem pelo PSI20 com uma capitalização bolsista de 255 milhões de euros) e hoje deve mais de 160 milhões de euros à banca (80 milhões ao BPI) não passa de uma frágil casca de noz num mar de tempestade rodeado de tubarões e a ameaça crescente de um naufrágio.

A fragilidade de um país como Portugal é cada vez mais evidente, assim como a sua prática incapacidade de mudar a direção dos ventos que sopram. Se ainda nos uníssemos, em vez de alimentarmos a fogueira ideológica que António Costa acendeu e a Geringonça ateou...

NOTAS

  1. Em meados de 1995 tentei explicar a Francisco Pinto Balsemão que o futuro da imprensa estava numa coisa chamada Internet. Mostrei-lhe então o que era a Internet num monitor manhoso ligado a um PC. O navedador de então chamava-se Mosaic. Creio que levou demasiado tempo a assimilar a informação que então lhe dei. A avalanche que se seguiria é hoje conhecida de todos. Mas o que ainda falta à burguesia portuguesa entender é que o Capitalismo mudou.
ATUALIZAÇÃO

Biografia de Francisco Pinto Balsemão, escrita por Joaquim Vieira, abre polémica sobre as operações do grupo familiar mais poderoso da comunicação socia portuguesa. Ler aqui, aquiaqui, e aqui.


Atualizado em 31/8/2017 11:32

1 comentário:

  1. A VISÃO sempre teve cunho esquerdista...e mentiroso...não faz falta...
    jornal de letras, idem...courier intl..idem
    caras enfim aquelas peixeiradas inventadas....tb pode fechar..

    correção: o Qatar pagou 222 milhões de EUROS pelo neymar...um pouco mais caro.

    tudo isto faz parte da estratégia isLãmica de conquistar a europa pelo €€€€, medo, e.....natalidade..já o HOUARI BOUMEDIENNE, ditado da argélia que acolheu os traidores MALEGRE e amigos, nos anos 60, garantia

    VAMOS CONQUISTAR A EUROPA COM A BARRIGA DAS NOSSAS MULHERES

    os grupos feministas não reclamaram nem uma vírgula
    e com a ajuda dos "refugiados"..é o k tá a acontecer
    veremos como esta cambada ""progressista" se dá com a SHARIA...tanto adoram o islamismo

    ResponderEliminar

Os seus comentários serão lidos previamente antes de se tornarem públicos. Sempre que o comentário for privado, ou se contiver linguagem imprópria, não será publicado. OAM