sábado, agosto 14, 2010

EDP e Iberdrola assassinas

Museu do Côa. Foto: Camilo Rebelo & Tiago Pimentel

EDP, Jun 2010
Total do passivo = 29.883 milhões de euros
Dívida Líquida = 16.108 milhões de euros


Em breve a EDP e a Iberdrola estarão no papo de empresas maiores.
Entretanto, os investimentos especulativos em barragens assassinas (Sabor, Tua, Fridão, etc.) e redes eólicas subsidiadas sem viabilidade comercial são meras fugas em frente da EDP e da espanhola Iberdrola para aumentarem artificial e ilusoriamente riquezas próprias meramente contabilísticas.

As albufeiras das barragens não criam trabalho, não trazem turismo, interrompem os ciclos vitais de alimentação e retro-alimentação dos sistemas ecológicos (ar, terra, rio e mar) e por absoluta e inevitável negligência da EDP, Iberdrolas e quejandos, a que se somam os produtos químicos azotados (usados nomeadamente na vinha e nos pomares) que escorrem das margem alcantiladas para os rios, estão a promover a estagnação (eutrofização) das águas das albufeiras, ou seja, a sua morte e a morte do que nessas albufeiras ainda sobrevive.

O programa de barragens actualmente em curso é pois um embuste ainda maior e mais criminoso do que o do felizmente derrotado Novo Aeroporto de Lisboa na Ota (do lunático Cravinho.) Maior até do que aquele que os socialistas e as boas consciências urbanas à época do ministro Manuel Maria Carrilho (hoje alto representante português na UNESCO — a entidade que precisamente vigia os patrimónios sensíveis e qualificados da humanidade) derrotou e bem a barragem do Côa. Aguardamos ansiosamente o veredicto da UNESCO e da ministra da cultura (que recentemente inaugurou o nado-morto Museu do Côa) sobre a conspiração da EDP e da Iberdrola.

A energia prometida pelo pirata Sócrates, pelo cabotino Mexia e pelo vendido Pina Moura é negligenciável no cômputo energético nacional (+3% da energia eléctrica produzida)

A energia eléctrica representa uma percentagem diminuta na nossa gravíssima dependência energética totalmente assente no consumo de combustíveis líquidos importados (petróleo e gás natural) e que em breve deixaremos de poder suportar, por absoluta falta de capacidade de endividamento.

A intensidade energética da economia portuguesa é —escandalosamente— a mais elevada da UE27, e deve-se no essencial à aposta do Bloco Central do Betão na impermeabilização do país: obras públicas, sobretudo autoestradas e especulação imobiliária. Cavaco e Alegre são pois parte do desastre e não alternativas confiáveis!

O modelo especulativo da economia portuguesa, que foi também responsável pela pandemia de corrupção que tolhe o país, está esgotado e só não mergulhou ainda Portugal numa guerra civil porque estamos a ser mantidos na Unidade de Cuidados Intensivos do BCE (até quando, alguém adivinha?)

Só há uma solução capaz de mitigar os gravíssimos problemas da nossa economia: eficiência energética, eficiência económica, eficiência financeira, eficiência administrativa, eficiência politica e, acima de tudo, transparência democrática

A clandestina corrida à água actualmente em curso sob o disfarce de putativas necessidades energéticas é uma conspiração potencialmente explosiva. Tem que ser abortada imediatamente!

Se alguém pensa que vai aprisionar as águas do Norte do país, para privatizá-las a favor da EDP e depois vendê-la a preço de ouro a Lisboa e ao Alqueva desiluda-se. Antes mesmo de uma tal conspiração ser descoberta e desmontada haverá quem no Norte de Portugal impeça tamanho crime!


ANEXOS
  1. EDP - resultados 
  2. Barragem do Tua: "Verdes" acusam EDP de não cumprir todas as imposições ambientais 12-08-2010 Bragança, 12 agosto (Lusa)

    O Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) acusou hoje a EDP de não ter cumprido todas as imposições relativas à barragem de Foz Tua, o que pode pôr em causa a classificação do Douro Vinhateiro como Património da Humanidade

    De acordo com a dirigente Manuela Cunha, o projeto vai "ter impactos na paisagem classificada" pelo que carece do parecer da UNESCO e da aprovação do IGESPAR, Instituto de Gestão do Património Arqueológico e Arquitectónico. Nem um nem outro constam, segundo disse, dos planos e estudos que a EDP teve de adicionar ao projeto para a conformidade com as imposições da Declaração de Impacto Ambiental (DIA), o chamado RECAPE - Relatório de Conformidade Ambiental.

    A DIA, emitida em maio de 2009, foi favorável à construção da barragem na foz do rio Tua com o Douro, em Trás-os-Montes, mas com a imposição de 12 condicionantes e 50 estudos e medidas.

    Depois de a EDP ter entregado à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) toda a documentação exigida foi elaborado o RECAPE que esteve em discussão pública até 06 de agosto.

    O PEV fez chegar à APA a sua posição e alega ter detetado na consulta pública que "o Plano de Recuperação Ambiental e Integração Paisagística da zona afetada pela barragem não foi aprovado pelo IGESPAR e pela Direcção Regional de Cultura do Norte, tal como a DIA obrigava".

    Manuela Cunha refere ainda que "não existe, nem no estudo, nem no relatório técnico, nenhum documento que traduza um aparecer favorável da UNESCO, organismo ao qual o PEV já apresentou uma queixa sobre o que se está a passar no Tua. A dirigente reiterou que o Douro Vinhateiro pode ser desclassificado pela UNESCO "por a barragem influir com a zona de proteção à área classificada, na qual se aplicam a mesmas regras".

    "Os impactos paisagísticos são brutais. É o próprio estudo que reconhece", disse, apontando a central de produção de energia que abrangem três edifícios, um deles com 25 metros de altura, o equivalente a um prédio de sete andares, e 75 metros de comprimento. A dirigente do PEV alertou ainda para a ausência de um plano sobre as linhas de transporte de energia e os seus impactos no Douro Vinhateiro. O partido critica também as alternativas aos 16 quilómetros da Linha do Tua que vão ficar submersos propostas pela EDP num plano de mobilidade que classificou "uma obra de surrealismo completa".

    "Propostas que vão desde funiculares a elevadores agarrados à barragem (...) há dinheiro para tudo, menos para um canal alternativo ferroviário", observou. Contactada pela Lusa, a EDP respondeu por escrito apenas que "considera ter entregado os documentos pedidos na DIA". Antes do final de agosto não deverá haver uma decisão final sobre o RECAPE da barragem de Foz Tua, segundo disse à Lusa fonte da APA, que está agora a analisar as participações apresentadas durante o período de discussão pública para tomar uma decisão final. Se o RECAPE for aprovado, em outubro deverá ser celebrado o contrato de concessão definitiva entre o Governo e a EDP, que já abriu concurso público para a construção e espera começar as obras antes do final do ano. HFI

    *** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico*** Lusa/fim

5 comentários:

João Soares disse...

Fazes bem em denunciar esta lógica produtivista-monetarista
aplicada à Natureza e ecossistemas.
Abraço

Jose Silva disse...

É possível armazenar energia das eólicas sem recorrer à construção de barragens:

http://www.greenchipstocks.com/articles/utility-scale-power-storage-innovations/804

abraços

Moderador disse...

É necessário denunciar mas também é necessário agir para tirar os interesses instalados do poder, de modo pacifico.
Dou-lhe conhecimento deste projecto e gostava da sua opinião.
www.vamostentarmudar.org
Abraço
Vitor

Antonio Cerveira Pinto disse...

Sobre a iniciativa de democracia directa, a minha opinião: precisamos certamente de novos movimentos políticos. Mas sem voluntarismos improdutivos, nem ingenuidades que apenas geram desilusões. Um movimento de opinião deve crescer em volta de uma causa, ou conjunto de causas bem definido. E precisa, no início, dum núcleo fundador capaz de aguenta uma prolongada prova de esforço e acerto estratégico e táctico. A democracia directa por si só não é capaz de gerar nada de novo :-(

mario carvalho disse...

A água é que eles querem .. roubam os terrenos , destroem linhas de caminho de ferro centenárias e consideradas mundialmente como obras primas da engenharia e da beleza, destroem vales únicos, vinhas de região classificada do douro, oliveiras que produzem o melhor azeite do mundo a troco de quê? Energia que já exportamos a preço 0 ?.. Não eles querem a água porque se não pudermos desligamos a luz mas sem água não vivemos e vão-nos obrigar a tudo fazer ..para sobreviver..CRIMINOSOS

OU MENTES DOENTIAS???

Cumprimentos e obrigado a todos os que têm a coragem de denunciar e de se revoltar

mario carvalho


Até quando aguentará a paciencia dos brandos costumes?


http://www.linhadotua.net/3w/index.php?option=com_frontpage&Itemid=1


Vigília a favor da ferrovia transmontana no início da Semana da Mobilidade
http://tsf.sapo.pt/PaginaInicial/Portugal/Interior.aspx?content_id=1644062&tag=Linha%20do%20Tua




Várias organizações de defesa da Linha do Tua decidiram, esta quarta-feira, abrir a Semana da Mobilidade, que se assinala a nível nacional em Setembro, com uma vigília em Lisboa pela ferrovia transmontana.
Os promotores do protesto pretendem mobilizar as populações do vale do Tua para esta vigília, marcada para 18 de Setembro, faltando ainda escolher um local que «seja simbólico«.

A informação foi avançada à Lusa por Manuela Cunha, activista da Linha do Tua e dirigente do Partido Ecologista Os Verdes (PEV), que organiza o protesto, juntamente com a Associação dos Amigos do Vale do Tua, o Movimento Cívico pela Linha do Tua e o recém-criado Movimento de Cidadãos em Defesa da Linha do Tua.

Este último movimento nasceu na aldeia de Codeçais, no concelho de Carrazeda de Ansiães, local da reunião desta quarta-feira à noite, em que as quatro organizações decidiram avançar com a manifestação "para fazer ouvir a voz dos defensores da Linha do Tua".