sexta-feira, outubro 15, 2021

A incerta Europa das nações

 

Guerra Civil de Espanha
Mapa da Guerra Civil de Espanha

Ao contrário da tese de Jean Delumeau —de que o mapa da Europa foi essencialmente definido entre 1320 e 1620 (La Civilization de la Renaissance, 1984)—, as duas últimas guerras mundiais, a guerra que se seguiu ao colapso da Jugoslávia protagonizada por Tito, o colapso da antiga URSS, os movimentos de autonomia e independência irlandês do norte, catalão, escocês, flamengo, italiano do norte e o Brexit provam que o mapa europeu continua instável. Observando esta cronologia de perto, vale a pena perguntar: podemos confiar em Madrid? Sabe-se hoje que Franco, vencedor da guerra civil espanhola de 1936-39, mandou elaborar um plano de invasão de Portugal que seria executado caso as potências do Eixo vencessem a guerra. Tentou mesmo obter (sem sucesso) a aprovação antecipada dos seus desígnios por parte de Mussolini e de Hitler.

Não é a nova rede de Alta Velocidade ferroviária espanhola uma teia ibérica de comunicações rápidas com centro em Madrid? Não estará aqui o ponto nodal da resistência portuguesa à possibilidade de o AVE chegar a Lisboa? Não é este também o principal motivo da manutenção da falida e mal gerida TAP a todo o custo? A ambição dos Reis Fernando II de Aragão e Isabel de Castela ainda não morreu.

Gostemos ou não dos ingleses, o Tratado de Windsor (1386), que se seguiu à vitória portuguesa de Aljubarrota (1385) e antecedeu o casamento de Philippa of Lancaster e João I (1387) continua a ser a nossa única bússola segura, à qual deveremos acrescentar a necessidade de reforçar a nossa posição atlântica e construir alianças estratégicas com os Estados Unidos, o Brasil e Angola. A extensão da plataforma continental portuguesa é, nesta projeção histórica, uma prioridade absoluta. Assim como manter todos as relações preferenciais possíveis com o Reino Unido. Acolher a Galiza na CPLP, sim, quando aceitarem a Língua Portuguesa. Ibéria, só se a capital for Lisboa!

Vale a pena ler o artigo de Maria José Oliveira que transcrevo na íntegra (sem autorização)... 


FRANCO MANDOU PLANEAR A INVASÃO DE PORTUGAL


“Decidi preparar a invasão de Portugal”

Por Maria José Oliveira  (in Público)

Em 1940, o Alto Estado-Maior espanhol elaborou, a pedido de Franco, um plano de ataque a Portugal, com a ocupação de Lisboa e a tomada de toda a costa nacional. O documento foi descoberto pelo historiador espanhol Manuel Ros Agudo, que estará em Lisboa, na terça-feira, para dar uma palestra sobre o tema.

O plano não permitia qualquer falha. Tudo começaria com um ultimato (impossível de cumprir) e um prazo limite de 24 horas ou 48 horas, findas as quais teria início a invasão de Portugal.

A operação incluía intervenções por terra, ar e mar e as primeiras incursões terrestres, realizadas por um contingente de 250 mil combatentes espanhóis, avançariam em direcção a Ciudad-Rodrigo, Guarda, Celorico da Beira, Coimbra, Lisboa, Elvas, Évora e Setúbal - a ocupação da capital e a divisão do país em três parcelas constituíam os passos fundamentais para a conquista de Portugal. Ao longo de quase 70 anos, o Plano de Campanha nº 1 (34), o grande projecto de Franco para invadir Portugal, delineado em plena II Guerra Mundial (1940), esteve “adormecido” nos arquivos da Fundação Francisco Franco. Os rumores da tentação franquista de conquistar Portugal há muito que circulam no meio historiográfico - até porque uma das grandes orientações da política externa de António de Oliveira Salazar, durante o conflito mundial, consistia na independência nacional face à ameaça da anexação espanhola. Mas só recentemente foi possível confirmar que os temores de Salazar tinham justificação.

Em 2005, o historiador espanhol Manuel Ros Agudo foi o primeiro investigador a aceder às cem páginas que compõem o plano de ataque contra Portugal, elaborado pela 1ª secção do Alto Estado-Maior (AEM) espanhol no segundo semestre de 1940. O ineditismo da descoberta levou o investigador, de 47 anos, a dedicar-lhe um capítulo na sua obra A Grande Tentação - Franco, o Império Colonial e o projecto de intervenção espanhola na Segunda Guerra Mundial, recém-editada em Portugal pela Casa das Letras. Na próxima terça-feira, Ros Agudo é um dos oradores da conferênciaA Península Ibérica na II Guerra Mundial - Os planos de invasão e defesa de Portugal, a realizar no Instituto de Defesa Nacional, a partir das 14h30, numa iniciativa conjunta com o Instituto de História Contemporânea.


Devastador e célere

O projecto de invadir Portugal não configurava uma “acção isolada”, como se pode ler numa das alíneas dos documentos analisados por Ros Agudo. Tratava-se de uma operação preventiva, no âmbito da ambição franquista de declarar guerra à Inglaterra. Numa altura em que França já caíra sob o domínio da Alemanha nazi, Espanha, então com o estatuto de país não-beligerante, acalentava o sonho de um império norte-africano. Nem Hitler nem Mussolini podiam, em 1940, garantir a Franco a concretização deste desejo. Mas isso não fez esmorecer as ideias expansionistas e bélicas do “Caudilho”.

A guerra contra a Inglaterra teria início com a tomada de Gibraltar. Porém, os estrategas do AEM prenunciavam que a primeira resposta britânica a este ataque fosse “um desembarque em Portugal com a ideia de montar uma cabeça-de-ponte para a invasão da península”. Por isso, no plano ofensivo, determinava-se o emprego dos “meios necessários para bater o Exército português e o seu Aliado; ocupação do país e defesa das suas costas”.

Tudo isto seria realizado sem o conhecimento prévio de Hitler e Mussolini. Porque Franco “queria manter o carácter secreto das operações, ter liberdade de manobra e também por questões de orgulho”, explicou Ros Agudo ao P2.

Contudo, após iniciados os ataques a Gibraltar e a Portugal, Espanha previa o apoio da aviação alemã, “nomeadamente com o reforço de bombardeiros e caças”. A participação da aviação espanhola estava também definida no plano de ataque (com as missões de “destruir a aviação inimiga e as suas bases” e de “atacar os núcleos de comunicação, especialmente nas direcções da invasão, e os transportes de tropas”). Mas Espanha receava que o vasto contingente de homens em terra se confrontasse com a superioridade luso-britânica no ar. Neste âmbito, o reforço alemão seria indispensável. Assim como se afigurava prioritário um ataque terrestre devastador e célere.

Para a Marinha, o AEM planeara um conjunto de acções de defesa (“exercer acções com os submarinos sobre as comunicações inimigas”, “proteger as comunicações com o Protectorado de Marrocos e Baleares”; “efectuar acções de minagem nos próprios portos”) que pressupunham uma reacção rápida da Marinha britânica.


E Salazar?

Em Dezembro de 1940, quando Franco escreveu, assessorado pelo AEM, que decidira atacar Portugal - “Decidi [...] preparar a invasão de Portugal, com o objectivo de ocupar Lisboa e o resto da costa portuguesa” -, o Tratado de Amizade e Não Agressão, firmado pelos dois países em Março de 1939, não passava de um documento sem importância para o “Caudilho”. Mas foi a partir desse acordo que os franquistas intensificaram as pressões diplomáticas para Portugal deixar de respeitar os compromissos da aliança luso-britânica: fizeram-no através de Nicolau Franco, irmão do ditador espanhol e embaixador em Lisboa; e também “aconselharam” o então embaixador português em Madrid, Pedro Teotónio Pereira.

Perante os planos de anexação, Espanha não desprezava apenas o pacto de não agressão, mas também a intervenção activa e material do Governo de Salazar no apoio aos franquistas durante a Guerra Civil de Espanha - três a cinco mil “viriatos” combateram nas fileiras das milícias da Falange, do Exército e da Legião espanhola, muitos deles recrutados através de anúncios nos jornais pagos pelo Estado; a rádio emitia propaganda franquista; e Salazar promoveu a mobilização anti-comunista (recolhendo benefícios para a sustentação do Estado Novo).

Atentando no rigor e na determinação plasmadas no Plano de Campanha nº 1 (34), urge questionar qual o destino que reservava Franco para o ditador português, na eventualidade de a ocupação ter avançado.

A documentação descoberta por Ros Agudo cinge-se aos aspectos puramente militares e não contempla a “sorte pessoal” do presidente do Conselho. Mas o historiador, professor de História Contemporânea na Universidade San Pablo, em Madrid, avançou ao P2 duas hipóteses: “O destino de Salazar e do seu Governo, no caso de Portugal não conseguir resistir à invasão, seria estabelecerem-se nas colónias (Angola ou Moçambique); ou podiam exilar o Governo em Londres, como aconteceu com alguns países europeus ocupados pelo Eixo”.


Palavras encomendadas

Quanto ao futuro de Portugal, não há qualquer referência nos documentos, ficando sem resposta a pergunta sobre se a ocupação seria ou não temporária. No entanto, Ros Agudo cita no seu livro as “inquietantes” palavras de Serrano Suñer, ministro dos Assuntos Exteriores espanhol, ao seu homólogo alemão, Joachim von Ribbentrop, datadas de Setembro de 1940: “(...) ninguém pode deixar de se dar conta, ao olhar para o mapa da Europa, que, geograficamente falando, Portugal na realidade não tinha o direito de existir. Tinha apenas uma justificação moral e política para a sua independência pelo facto dos seus quase 800 anos de existência”.

Ros Agudo acredita que estas palavras, proferidas em Berlim, foram “encomendadas” a Suñer por Franco, com a intenção de averiguar “a reacção de Hitler perante a ideia de um Portugal integrado num futuro grande Estado ibérico”. Mas  o Führer não quis fazer qualquer compromisso sobre este assunto”, nota o historiador.

Apesar das declarações de Serrano Suñer, Manuel Ros Agudo não crê que Franco pretendesse “uma integração pura e dura num Estado ibérico” Porque isso arrastaria “muitos problemas”. “É possível que, sob uma Nova Ordem europeia, na eventualidade da vitória fascista e da derrota da Grã-Bretanha, Franco tivesse permitido a existência de um Portugal marioneta, fascista e inofensivo”, diz. E, continuando num exercício de História virtual, acrescenta: “Se a Rússia tivesse sido eliminada por Hitler, o grande confronto, ou a Guerra Fria dos anos 50 e décadas posteriores, teria acontecido entre os EUA, por um lado, o grande bloco euro-africano fascista, pelo outro, assumindo este último um papel semelhante ao bloco soviético que conhecemos. Tanto Espanha como Portugal teria feito parte desse bloco constituído pelas potências do Eixo”.

Nos últimos meses de 1940, o Plano de Campanha nº 1 (34) esteve prestes a ser realizado. Franco ordenara a prontidão militar para o ataque. Mas o que lhe sobrava em meios operacionais faltava-lhe em condições políticas, nomeadamente a garantia dos apoios alemão e italiano e a concretização das ideias imperialistas. “Os requisitos políticos para dar esse passo - as garantias de obtenção de um império em África - acabaram por não ser dados”, explica Ros Agudo.

O plano foi então depositado em arquivo e tornado inacessível durante quase sete décadas.

domingo, outubro 10, 2021

Aukus, the new global tif-for-tat game in town

The units that could be involved in the upcoming Carrier Strike Group 2021 deployment. ukdj

In an Instagram post, the Dutch MoD said (translated):

“HNLMS Evertsen is in dry dock for maintenance before the ship departs with the # UKCarrierStrikeGroup21. With this international fleet association, the Evertsen will soon be heading towards Asia” — in ukdj.

O Brexit, em minha modesta opinião, foi uma decisão estratégica. Os objetivos do Reino Unido parecem-me hoje claros:

1) manter completo controlo sobre o seu sistema financeiro; 

2) restabelecer/fortalecer a aliança com os Estados Unidos; 

3) intensificar as relações de vantagem mútua com alguns dos antigos grandes territórios coloniais britânicos (sobretudo a Austrália, Nova Zelândia, Canadá, Índia e a África anglófila: Nigéria, Etiópia, África do Sul, Tanzânia, Kénia e Uganda, que hoje já representam mais de 500 milhões de pessoas, mas que mais do que duplicarão a população chinesa em 2050, tendo a África anglófila em meados deste século cerca de doi mil e oitocentos milhões de almas;

4) travar o expansionismo económico, e agora também político e militar, da China, estabelecendo as necessárias alianças para alcançar este objetivo;

5) preparar-se para uma eventual guerra contra a China.

Sobre a poeira que é lançada diariamente contra o Reino Unido a propósito do Brexit, uma breve desmontagem de argumentos:

—paraísos fiscais temos todos, a Suíça, o Luxemburgo, Malta, Andorra, Portugal e a Espanha, os Estados Unidos, a França, a própria Alemanha (neste caso, chama-se BCE); o problema está em distinguir quem usa o seu sistema financeiro para enriquecer o país, de quem o usa apenas para esmifrar o povo que governa, ou sonha com impérios medievais... A Alemanha, ao que parece, não desiste de regressar ao Sacro Império. Quer dominar:

1) a banca—através da livre circulação de capitais intra-comunitária sob o comando do Bundesbank, de que o BCE é uma espécie de Cavalo de Tróia, 

2) o comércio—através da livre circulação de bens, boa parte dos quais com grande incorporação de importações extra-comunitárias, nomeadamente da Ásia e da China em particular, 

3) a burocracia—através de Bruxelas,

4) a produção industrial e pós-industrial—criando regras em Bruxelas que não cumpre mas obriga os outros a cumprir (exemplo: a simbiose energética, industrial e comercial com a Rússia, China, Irão e Brasil, enquanto força, ou corrompe outros a cairem na armadilha das energias renováveis sem verdadeiros backups—necessariamente dependentes de energias fósseis) e, finalmente, 

5) os fluxos migratórios na Europa—nomeadamente como forma de rebentar com os preços do trabalho europeu (demasiado altos) e obter novas fontes de alimentação do seu sistema social. 

Em suma, os alemães, sobretudo os alemães, esticaram a corda. Os ingleses encaixaram (enquanto viram vantagem no negócio) o tremendo impacto negativo deste processo de "integração", sobretudo na indústria e nas populações trabalhadoras menos qualificadas. Porém, perante a iminência de a Alemanha engolir a City Londrina e controlar os paraísos fiscais de Sua Majestade, alguém acabaria por mexer os cordelinhos para roer a corda da nova Pax Europeia, parindo o Brexit. Apesar do ruído, nada garante que a Inglaterra seja um novo Titanic. Por outro lado, se o balanço se revelar claramente positivo para os britânicos, outros países poderão seguir-lhe as pisadas. Desde logo, a Holanda, com a agitação que uma tal decisão induziria entre os flamengos.

Como se sabe, os holandeses, sem pedir licença à Alemanha, e muito menos a Bruxelas, juntaram-se à nova frente aliada anti-China: o Aukus. Querem mais sinais de crise na União Europeia? Já agora, se houver uma guerra entre as principais potências atlânticas e a China, de que lado se colocará o país da quinas? 

É provável que a guerra acabe por não acontecer, e a China ao perceber o que lhe poderá acontecer, resolva proteger o país com mais trinta novas muralhas, como sempre fez no passado. Importa, todavia, preparar o nosso país face a uma tal eventualidade, para o que creio haver duas prioridades claras: 

1) Atlantismo reforçado: afirmar a perante o mundo uma aliança de séculos com o Reino Unido, sublinhar ter sido (et pour cause) Portugal um dos países signatários da Aliança Atlântica, apesar de viver então sob uma ditadura, e intensificar estratégias e projetos de cooperação com os países da lusofonia, sobretudo com o Brasil , Angola, Cabo Verde, São Tomé Príncipe e Guiné-Bissau. Em Moçambique, Portugal deverá concertar com este país e com a África do Sul uma cooperação reforçada na economia, na educação e na defesa.

2) Manter uma posição de neutralidade e diplomacia ativa (honest broker) na presente crise entre a potência hegemónica e seus aliados, e as pretensões precipitadas da China. Para tal, Portugal deve exigir à China (sim, exigir, diplomaticamente, à China) o respeito pelos acordos relativos ao estatuto de Macau. E mais, deve convencer o Senhor Xi de que o fortalecimento da posição portuguesa em Macau é do interesse de ambos os países, mas sobretudo de grande interesse para a paz mundial, entornado que foi o caldo em Hong Kong.

sábado, outubro 02, 2021

Woke

 

Manifestação em Austin, Texas. Foto publicada na revista Elle
© DPA/ABACA

“Life” in this “society” being, at best, an utter bore and no aspect of “society” being at all relevant to women, there remains to civic-minded, responsible, thrill-seeking females only to overthrow the government, eliminate the money system, institute complete automation and eliminate the male sex. 

—Valerie Solanas, SCUM Manifesto (1965-67)

Zombies e Acordados

A discussão sobre o racismo contemporâneo é uma trapalhada. Há racismo, há presunções neo-coloniais, mas há também um novo racismo, de sinal contrário, anti-branco, desprezível. A moda politicamente correta, importada dos estudos culturais ensinados nas universidades americanas, fundida com fenómenos de feminismo radical (Valerie Solanas) e teorias culturais racistas de sinal contrário (Fanon) deu origem a um cocktail explosivo, com múltiplas espoletas, difíceis de desarmar com duas linhas de texto...

Por exemplo, na revista Sábado desta semana, numa entrevista realizada por Vanda Marques à escritora, advogada e atriz Rachel Khan, esta afirma que lhe deu vontade de rir quando Meghan Markle afirmou ser vítima de racismo. Porquê, pergunta a jornalista? Responde Rachel Khan: 

“Sim, claro. É que o racismo é uma arma. Qualquer um, apesar da sua condição social, se apresenta como vítima. Acho indecente o que ela fez. Ela é uma das maiores fortunas mundiais e diz-se vítima? As verdadeiras vítimas estão em silêncio.”

O argumento, apesar de atraente, falha o alvo. De facto, a mulher que casou com o Príncipe Harry foi vítima de comportamentos racistas em diversos momentos da sua vida, nomeadamente em Los Angeles, quando queria singrar como atriz, e sobretudo depois de casar com o príncipe inglês (ler a este propósito o artigo publicado na Time).

No caso português, as provocações urbanas de extrema esquerda (ou dum cretino que se diz socialista) contra o racismo e contra o colonialismo corre não só o risco de estimular estes sentimentos atávicos, como deita ao lixo a oportunidade para uma revisão serena da relação dos portugueses com outros povos, nomeadamente a partir da conquista de Ceuta (1415), e do início da aventura dos Descobrimentos. Existe uma comunidade linguística portuguesa, na Europa, em África, na América, na Ásia e na Oceania. Outrora esta comunidade foi também um território soberano, que se foi fragmentando. Hoje resta a língua e a memória recente, traumática ainda para muitos que sofreram de forma especialmente dramática a descolonização abrupta provocada pelo colapso da ditadura. Mas há também uma memória mais antiga, que é preciso estudar e divulgar, em vez de reprimir e desfigurar com discursos atávicos de sinal contrário.

A verborreia pós-colonial, anti-racista e neo-neo-neo feminista tem origem em problemas que subsistem. Porém, a maneira correta de os enfrentar, que passa pela desmontagem da ignorância arrogante e sectária do chamado movimento Woke, e pela crítica sistemática aos pioneiros desta revolta das palavras, deve igualmente atender aos motivos e razões das novas queixas, corrigindo as desigualdades flagrantes, as violências e as iniquidades que persistem e pesam sobre as vidas de milhares de seres humanos. Há, pois, problemas de fundo que se arrastam e devem ser resolvidos (nos conceitos, na linguagem e nas leis), e há o folclore desta discussão extremada, uma espécie de exorcisma ou psicodrama de Moreno, ao qual não devemos dar demasiada importância, aceitando-o e até participando nesta sua componente teatral e de dramatização. Só assim ajudaremos a resolver, pelo menos parcialmente, o eterno problema da igualdade de oportunidades e de tratamento dos seres humanos em sociedade. Este é um problema, no limite, insolúvel, mas podemos e devemos melhorar a qualidade da nossa civilização e as suas probabilidades de sobrevivência. A grande questão da diversidade humana existe desde que os portugueses entraram em contato com o Manicongo, o Gama chegou à Índia e a frota de Magalhães deu a volta ao mundo. Este mundo redondo tem sido palco de lutas territoriais sem fim desde então, de que as discussões e confrontações ideológicas (religiosas, etc.) são sempre a aparência enganadora das coisas.

terça-feira, setembro 28, 2021

Do pico das fósseis ao regresso do nuclear


“...planning the use of intermittent electricity from wind or solar should not assume that reasonably priced natural gas will always be available for balancing. One likely area for shortfall will be winter, as well as storing up reserves for winter (the problem affecting Europe now), since winter is when heating needs are the highest and solar resources are the lowest.” 
“Could we be hitting natural gas limits already?”, posted on September 25, 2021, by Gail Tverberg 

A energia elétrica produzida pelos geradores eólicos e pelos painéis fotovoltaicos é mais cara (muito mais cara) do que a energia produzida a partir do carvão, petróleo e gás natural. Está por demonstrar que seja mais sustentável. Por fim, a sua inevitável intermitência só pode ser atalhada através do recurso às energias fósseis e, em grau praticamente desprezível, aos acumuladores. Ou seja, o pico das energias fósseis resolverá naturalmente as preocupações ambientais de António Guterres e da menina Thunberg, mas não resolverá os problemas da humanidade. Esta terá, em breve, que se preparar para uma muito provável e abrupta redução da espécie. Não por poluir muito, mas por falta de energia barata! 


O regresso do nuclear

É possível que os alemães que pensam e decidem... já estejam a trabalhar (há alguns anos) em centrais nucleares mais seguras, robustas e com produção de energia mais barata. A subida dos feijões verdes à área do poder servirá, como no caso do Bloco de Esquerda em Portugal, para queimar ilusões e propaganda desconexa. Quando a fome apertar, o rebanho berrará em uníssono por soluções, em vez de propaganda, orações, hipocrisia e corrupção desenfreada. O Bill Gates já veio anunciar que o regresso ao nuclear é inevitável... Eu também acho... Veremos quem aparece com o coelho tirado da cartola.


segunda-feira, setembro 27, 2021

"A democracia não tem dono"


Carlos Moedas vence Autárquicas em Lisboa
Foto: ?

Moedas: “Contra tudo e contra todos”

A bipolarização criada pelo perdedor António Costa (atrelando o PS à Geringonça—uma espécie de Frente Popular pós-moderna) começou a virar, como previ a tempo, em direção à maioria sociológica do país, reafirmando, felizmente, o poder das forças empresariais, profissionais e intelectuais que nos deram a independência e a conservaram ao longo dos séculos. É tempo de manter rédea curta nas burocracias palacianas e dos novos velhos do Restelo (representados pela gerontocracia do PCP e do PS). 

Não deixa de ser uma ironia constatar como o filho dum comunista, balbuciando ainda a retórica da Política, devolve a capital do país ao espírito liberal que fez de Portugal o primeiro país burguês da história da humanidade.

Quer na liberal Porto, quer em Lisboa, onde em 1383 se fez uma revolução decisiva, vêm aí “novos tempos” (Carlos Moedas). Oxalá!

PS: o rapazola dos Porsches ficou com menos um adversário na sua corrida para colocar a nova geração ‘socialista’ aos comandos do PS.

Morte da Geringonça e sucessão de Costa

António Costa esperava francamente mais de André Ventura. Esperava, sem nunca o dizer (claro!) que o Chega socavasse ainda mais a base eleitoral d PCP, mas sobretudo a do PSD. O seu sinistro desígnio falhou. No entanto, o Chega continuará a subir nas intenções de voto, pois os estragos sociais e económicos causados ao país por décadas de corrupção, burocracia e paternalismo partidário (com responsabilidades repartidas pelo chamado arco da governação, o qual abrangeu também ao PCP) são de tal monta que o horizonte de dor social não desaparecerá tão cedo. Piorará, certamente, se a vitória de Moedas em Lisboa, a par da conquista/manutenção das principais cidades do país (Lisboa, Porto, Cascais, Oeiras, Maia Funchal, Ponta Delgada, etc.) pelas forças liberais, não se traduzir no início de uma verdadeira dinâmica revolucionária pela liberdade económica, pela racionalidade política, pela transparência dos processos e por uma real igualdade de oportunidades e justiça social.

Jerónimo!

Jerónimo de Sousa é uma espécie de Salazar comunista. Também este caiu da cadeira, metaforicamente, claro. Resta saber se na queda arrastará o PCP para o Nada! Jerónimo acredita piamente que depois dele virá o dilúvio. Compete agora aos jovens comunistas fazerem a sua prova de vida. Depois de perderem Beja, Almada, Loures e Santarém, e praticamente todo o resto do Alentejo para o PS, PSD e Chega (Évora cairá nas próximas eleições...), a vida dos comunistas não será fácil de hoje em diante. Já não existem nas ilhas. Não existem nas principais áreas urbanas do país. Em breve perderão também os seus sindicatos. É tempo de lhes retirar o excesso de microfones e holofotes da falida comunicação social que temos.

Bloco à deriva

O Bloco comprovou nestas eleições o falhanço redondo da estratégia trotskista tardia do senhor Louçã. A ideia dele (desde 1973) era convencer o PS a ser finalmente um partido socialista decente. Não deixa de ser extraordinário constatar como esta criatura conseguiu gastar toda uma vida para conseguir parir apenas o Pedro Nuno Santos e uma frente popular pós-moderna desmiolada, arrogante e sem futuro. Tempo de retirar os tachos e os postos de propaganda mediática privilegiados que foram oferecidos a esta força partidária a caminho da sua eterna condição de seita intelectual oportunista.

PS, um partido provinciano com um distribuidor de esmolas em Lisboa

O Partido Socialista tem vindo a ser expulso das principais cidades do país: Lisboa, Porto, Coimbra, Cascais, Oeiras, Braga, Viseu, Santarém, Portalegre, Faro... 

Costa diz que o PS continua a ser o maior partido autárquico. Pode dizer o que quiser. Presunção e água benta, cada um toma a que quer, costumava dizer o meu avô, anticlerical, anti-salazarista, republicano e nos poucos anos que viveu em democracia, PPD, claro.

Chega?

A proximidade ao Vox de Espanha não ajuda nada André Ventura... No eleitorado urbano das cidades grandes, médias (por exemplo, Braga) e mesmo pequenas (por exemplo, Viana) o discurso extremista não pega, como não pegou o da extrema-esquerda, a qual, apesar do re-branding (querem um país 'decente', dizem), está em declínio inexorável. Até porque o futuro PS, de Pedro Nuno Santos, agregará boa parte dos temas da agenda do Bloco e ambientalistas. A subida dos extremos será sempre sinal de que algo não vai bem no nosso país... Curiosamente, o PCP, alimentado pela sua nova Juventude Comunista, essencialmente urbana e até cosmopolita, poderá renascer das cinzas—depois da saída do Jerónimo de Sousa.


Atualização: 28/9/2021 11:33 (UTC+2)

quarta-feira, agosto 25, 2021

O fim da TAP está próximo


O presidente da companhia aérea Ryanair acusou esta terça-feira a TAP de bloquear slots no aeroporto de Lisboa, impedindo o crescimento de outras companhias aéreas, e anunciou o lançamento de 26 novas rotas desde Portugal para o inverno.


A propósito da moribunda TAP, uma afirmação lúcida do Cmdt. Pereira Coutinho:

“Não há empresas estratégicas em Portugal, há sectores estratégicos, como é o caso do sector aéreo, que deve assegurar a acessibilidade aérea competitiva a Portugal, tanto no transporte de passageiros, como na carga aérea.”

Ou seja, não importa quem transporta pessoas e cargas, mas sim que o país seja uma boa plataforma de transporte. Sendo a aviação um dos setores industriais e comerciais mais competitivos e com maior intensidade de capital intensivo do planeta, atravessando há mais de vinte anos, por um lado, um processo de concentração em grandes grupos (Lufthansa Group, Ryanair, IAG, Air France – KLM Group, easyJet, Turkish Airlines Group, Aeroflot Group; onde fica a TAP neste processo?), e por outro, claras mudanças de paradigma (Low Cost), extraordinário seria que a TAP pudesse escapar ao novo condicionalismo. Deveria ter agido a tempo, quer na manutenção das suas ligações estratégicas às Américas e a África, quer na criação de uma TAP Europa, com ligações ponto-a-ponto e lógicas de produtividade em linha com as companhias Low Cost.

Os piratas da tríade de Macau, e a turma de piratas do BES, deram cabo da TAP. António Costa lança, entretanto, a despesa do assalto e da ideologia, no orçamento da dívida portuguesa.

O buraco negro da TAP é superior a QUATRO MIL MILHÕES DE EUROS (4 Pontes Vasco da Gama!). A tesouraria deverá estar a zeros depois dos pagamentos deste verão ao pessoal. Haverá, depois deste crime partidário, quem queira herdar a TAP? O gajo da Ryanair diz que nem dada! Uma empresa que dá prejuízo há 28 anos consecutivos, e na qual os contribuintes metem dinheiro de cinco em cinco anos, não é uma empresa, é um centro de custos que beneficia muitos poucos e que a inculta e distraída manada paga e não bufa.

PS: o falido Expresso, que certamente não recebe publicidade da Ryanair, mas sim da TAP, lá teve que voltar a insinuar que a Ryanair recebe apoios do Estado português. Uma fake news mais do que esclarecida.

sábado, abril 17, 2021

Democracy vs. Technology


To discuss post-democracy or a 2.0 democracy, we will first have to realize the degree of technological sophistication of today's societies. We cannot compete with AI algorithms, data-mining networks, or DarkNet, using old-fashioned ideological and political tools: manifestos and political parties, parliaments, governments and presidents.

The following shows how deep states connect to dark technology.

The Military Origins of Facebook

By Whitney Webb
Unlimited Hangout
Facebook’s growing role in the ever-expanding surveillance and “pre-crime” apparatus of the national security state demands new scrutiny of the company’s origins and its products as they relate to a former, controversial DARPA-run surveillance program that was essentially analogous to what is currently the world’s largest social network.
(...)

Facebook, a Front

Because of the coincidence that Facebook launched the same day that LifeLog was shut down, there has been recent speculation that Zuckerberg began and launched the project with Moskovitz, Saverin, and others through some sort of behind-the-scenes coordination with DARPA or another organ of the national-security state. While there is no direct evidence for this precise claim, the early involvement of Parker and Thiel in the project, particularly given the timing of Thiel’s other activities, reveals that the national-security state was involved in Facebook’s rise. It is debatable whether Facebook was intended from its inception to be a LifeLog analogue or if it happened to be the social media project that fit the bill after its launch. The latter seems more likely, especially considering that Thiel also invested in another early social media platform, Friendster. 

An important point linking Facebook and LifeLog is the subsequent identification of Facebook with LifeLog by the latter’s DARPA architect himself. In 2015, Gage told VICE that “Facebook is the real face of pseudo-LifeLog at this point.” He tellingly added, “We have ended up providing the same kind of detailed personal information to advertisers and data brokers and without arousing the kind of opposition that LifeLog provoked.” 

Users of Facebook and other large social media platforms have so far been content to allow these platforms to sell their private data so long as they publicly operate as private enterprises. The backlash only really emerged when such activities were publicly tied to the US government, and especially the US military, even though Facebook and other tech giants routinely share their users’ data with the national-security state. In practice, there is little difference between the public and private entities.

Edward Snowden, the NSA whistleblower, notably warned in 2019 that Facebook is just as untrustworthy as US intelligence, stating that “Facebook’s internal purpose, whether they state it publicly or not, is to compile perfect records of private lives to the maximum extent of their capability and then exploit that for their own corporate enrichment. And damn the consequences.”

Snowden also stated in the same interview that “the more Google knows about you, the more Facebook knows about you, the more they are able . . . to create permanent records of private lives, the more influence and power they have over us.” This underscores how both Facebook and intelligence-linked Google have accomplished much of what LifeLog had aimed to do, but on a much larger scale than what DARPA had originally envisioned.

The reality is that most of the large Silicon Valley companies of today have been closely linked to the US national-security state establishment since their inception. Notable examples aside from Facebook and Palantir include Google and Oracle. Today these companies are more openly collaborating with the military-intelligence agencies that guided their development and/or provided early funding, as they are used to provide the data needed to fuel the newly announced war on domestic terror and its accompanying algorithms. 

It is hardly a coincidence that someone like Peter Thiel, who built Palantir with the CIA and helped ensure Facebook’s rise, is also heavily involved in Big Data AI-driven “predictive policing” approaches to surveillance and law enforcement, both through Palantir and through his other investments. TIA, LifeLog, and related government and private programs and institutions launched after 9/11, were always intended to be used against the American public in a war against dissent. This was noted by their critics in 2003-4 and by those who have examined the origins of the “homeland security” pivot in the US and its connection to past CIA “counterterror” programs in Vietnam and Latin America. 

Ultimately, the illusion of Facebook and related companies as being independent of the US national-security state has prevented recognition of the reality of social media platforms and their long-intended, yet covert uses, which we are beginning to see move into the open following the events of January 6. Now, with billions of people conditioned to use Facebook and social media as part of their daily lives, the question becomes: If that illusion were to be irrevocably shattered today, would it make a difference to Facebook’s users? Or has the populace become so conditioned to surrendering their private data in exchange for dopamine-fueled social-validation loops that it no longer matters who ends up holding that data?

Read more

terça-feira, janeiro 05, 2021

A esquerda é um fóssil

 

“Eu queria pintar o nada. Estava em busca de algo que fosse a essência do nada, e lá estava.”
Andy Warhol


...e o radicalismo político do século 21, inconsequente e pueril. 

A rebelião propagada ao longo da década que finda não tem finalidade que valha a pena e se veja para lá da ansiedade egocêntrica dos seus protagonistas. Mesmo o radicalismo ecológico parece ser demasiado vesgo e narcisista para ser levado a sério. Precisamos, pois, de uma nova metafísica capaz de superar o egoísmo humano e que de algum modo refaça a simbiose entre o humanismo exacerbado (que é uma óbvia falsa consciência das coisas) e o não humano de que somos uma das manifestações possíveis.

O populismo atual, à esquerda e à direita, é uma resposta objetiva à corrupção das democracias modernas e ao colapso da modernidade unilateralmente laica. Por outro lado, a chamada superioridade moral da esquerda, se bem observada, verifica-se não ser mais do que uma ideia-fóssil. Em primeiro lugar, porque o proletariado morreu, e em segundo, porque a pequena-burguesia intelectual urbana, portadora do chamado pensamento politicamente correto, está a ser dizimada pela mesma máquina capitalista que destruiu o pilar número um da revolução socialista, isto é, o trabalho humano — progressivamente substituído por máquinas, por robôs cada vez mais inteligentes, e pela cibernética.

“Proletários de todo o mundo, uni-vos!” 

resume a mensagem essencial do Manifesto do Partido Comunista numa era em que a revolução industrial dava origem à maior migração alguma vez ocorrida na história da humanidade. Esta migração teve lugar do campo para a cidade, em sucessivas grandes ondas, a primeira das quais na Europa ocidental a na América do Norte, ao longo da segunda metade do século 19 e o primeiro quartel do século 20, depois no resto do continente americano, sobretudo na primeira metade do século 20, e finalmente na Ásia ao longo da segunda metade do século 20 e primeiro quartel do século em que estamos. Duvido que a África venha a passar pelo mesmo processo, não só porque o modelo de crescimento dos últimos duzentos anos se esgota no esgotamento da exploração das energias fósseis, e no colapso ecológico em curso, mas também por razões de ordem cultural. Esta é, aliás, a origem da explosiva pressão migratória do novo gigante demográfico sobre a Europa, à qual os partidos políticos tradicionais e as ideologias universitárias de bolso não têm sabido dar resposta. Revelam, aliás, para além do maniqueísmo habitual, ou do pietismo inconsequente de António Guterres e do papa Francisco, uma total incapacidade de pensar neste imenso problema.

À medida que este movimento browniano de populações proliferou, depois da disseminação da máquina a vapor, cresceram as chamadas revoluções proletárias, quer na forma violenta e insurrecional, quer na forma de greves, negociações sindicais e legalização de partidos de esquerda (social-democratas, socialistas, comunistas). A extrema-esquerda que emerge na Europa a partir dos anos 60 do século 20, apesar de ideologicamente vinculada à literatura marxista, e das suas fortíssimas ligações universitárias aos movimentos anti-coloniais que se irão suceder à independência da Índia contemporânea (1947), já não faz propriamente parte dos movimentos proletários, configurando antes uma agenda tipicamente pequeno-burguesa associada ao desenvolvimento do capitalismo pós-industrial, basicamente assente na produção simbólica e intelectual, na economia de serviços e no consumo — nomeadamente no consumo conspícuo e desmiolado. Em suma, quando hoje olhamos para o Partido Comunista Português estamos, na realidade, a observar um fóssil. 

O proletariado, mesmo nos chamados países socialistas, onde esteve invariavelmente submetido a ditaduras centrípetas, herdeiras do despotismo asiático, e onde nunca houve direito à greve, nem muito menos luta de classes (1), foi dando lugar a máquinas cada vez mais inteligentes e 100% dóceis, preenchendo assim o novo vazio demográfico provocado pela rápida destruição da família tradicional e pelo envelhecimento humano. O exemplo mais flagrante desta metamorfose é a China comunista, onde o PCC, pelo uso esmagador do milenar despotismo asiático, associado à importação canina dos piores modelos de exploração e especulação capitalistas, acelerou, como em nenhum outro caso, ou seja, em apenas quarenta anos (1960-2001), a transição de uma sociedade miserável, maioritariamente campesina, para uma mole social pós-industrial. Pelo meio, existiu uma brevíssima e brutal fase industrial clássica, sem regras, predadora, mas também suicida, pois o pico petrolífero na China obrigaria o país a uma utilização super-intensiva do carvão enquanto principal energia do seu explosivo desenvolvimento económico. A expansão exponencial e exponencialmente rápida do consumo, sobretudo nas grandes metrópoles que entretanto nasceram como cogumelos numa manhã de outono, trouxe consequências letais não só para a China, mas também para o resto do mundo, como a presente pandemia atesta tragicamente.

Na China comunista, o proletariado revolucionário nunca existiu. 

Os operários industriais chineses do século 20 estiveram sobretudo ao serviço da agenda nacionalista do seu novo mandarim, Mao Tse Tung, sem nunca terem alguma vez beneficiado de quaisquer liberdades ou direitos por si mesmos conquistados. Por sua vez, a maioria dos operários chineses de hoje caminha rapidamente para uma transmutação, tal como no resto do mundo desenvolvido. Esta metamorfose robótica é, por sinal — e daí o nervosismo crescente de Xi Jinping)—, a maior fragilidade do regime chinês depois de Deng Xiaoping, habituado desde sempre a uma ou outra forma de escravatura e humilhação dos mais fracos. A China depende hoje criticamente de uma expansão imperial, porque precisa de trabalho escravo que escasseia no seu país, e porque precisa de energia e matérias primas abundantes que escasseiam no seu país. Acontece, porém, que o imperialismo benigno que a burocracia chinesa deseja, é altamente improvável no estado a que o mundo dos humanos chegou. Falta apenas saber se, para aceitar esta realidade, a China vai ou não forçar uma guerra mundial.

A esquerda ocidental está enredada nas aporias que criou e deixou crescer desde Auschwitz e Hiroshima.

Não percebeu, por isso, que o radicalismo francês, e mais tarde alemão, do pós-guerra, assentou numa base teórica e psicológica muito frágil. O seu anti-humanismo antropocêntrico e moderno não soube tirar as lições das sucessivas carnificinas da primeira metade do século 20. Em suma, a esquerda pseudo-marxista nascida do existencialismo sartriano refugiou-se no narcisismo ideológico e numa espécie de hipocrisia e obscenidade compulsivas, oportunistas e palavrosas.

Como escreve Graham Harman (2), “Radical politics as we know it is an outgrowth of modern philosophy with its modern idealism, and hence is unlikely to service much longer than modern philosophy itself.”


NOTAS

1. A explicação lógica é esta: no socialismo não há qualquer motivo para a luta de classes, menos ainda para greves!

2. Harman, Graham. Object-Oriented Ontology, A New Theory of Everything (2018)


sexta-feira, janeiro 01, 2021

Da utopia 2.0 à extinção

Clicar para ampliar

Neste blog o tema do colapso do homem moderno é, por assim dizer, recorrente e certamente influenciado por muitas leituras, desde The Limits to Growth (Meadows, Donella H et al., 1972) até à Teoria Ator-Rede de Bruno Latour, Michel Callon e John Law, passando pela desmontagem dos mitos em volta do homem moderno e das suas ciências e utopias políticas realizada por Jean-Francois Lyotard. Por um lado, a civilização industrial assente no uso de fontes abundantes de energia, altamente calóricas, facilmente transportáveis e baratas (carvão, petróleo, gás natural) ao longo de dois séculos de extraordinário crescimento e desenvolvimento tecnológico, encontra-se hoje confrontada com os limites ao crescimento impostos quer pelo fim do acesso fácil àquelas três energias fósseis, quer pelos efeitos da queima destes fósseis na composição da atmosfera. Por outro lado, a perceção de que a ação humana, sobretudo das sociedades mais ricas, mais produtivas, mais cultas e tecnologicamente mais avançadas, poderá estar na origem duma extinção em massa da vida existente no planeta, precedida por crises violentas e mesmo colapsos de cidades, países e regiões geográficas inteiras é, em si mesma, um desafio à qualidade e autoridade da racionalidade do homem moderno (1).

Perante este desafio sem precedentes, dada a sua escala planetária e a destruição dos equilíbrios naturais causados pelo homem moderno naquela fina película de vida que recobre o planeta (a que Latour chama zona crítica), parece haver dois tipos de resposta dominante: a de curto e médio prazo, que passa pela chamada agenda ecológica, cujos pontos críticos são a decisão de abandonar as energias fósseis e o controlo e limitação dos acessos aos recursos naturais disponíveis (pela via da monitorização e de leis de restrição às capturas e extrações); e a de médio e longo prazo, que passa pela descoberta de novos continentes de energia e matérias primas, a que Rory Rowan chama futurismo colonial.

Embora a espuma dos dias nos entretenha com futebol e coscuvilhice politiqueira, a verdade é que o nosso país tem vindo a apostar nas duas vias de mitigação potencial de uma crise que se aproxima com a força dum maremoto, seja pela aposta nas energias eólica e voltaica, nos metais raros (lítio, por exemplo) e no hidrogénio, seja, mais silenciosamente, pela preparação de uma nova aventura colonial precedida dum período de descobertas e exploração. Estas duas novas epopeias em surdina são, por um lado, a conquista do espaço, desde logo pela necessidade urgente de o libertar de uma crescente poluição aeroespacial, e a conquista da profundidade oceânica, onde se espera encontrar um novo e imenso manancial de espécies vivas, de minerais e de novas matérias primas (2). Interessa notar, desde já, que o arquipélago dos Açores, a par da extensão previsível da Platafoma Continental portuguesa, são o novo mare nostrum e a nova terra incognita que poderão oferecer ao nosso país uma segunda grande oportunidade de vencer a sua atual pequenez e pobreza relativas.

A grande dúvida reside, porém, na qualidade destas estratégias de mitigação. Haverá alguma consistência nos seus pressupostos, ou não passarão duma fuga em frente onde se misturam business as usual, especulação e wishful thinking?

NOTAS

1. 2020: The Year Things Started Going Badly Wrong

Posted on December 23, 2020 by Gail Tverberg

The economy is like a down escalator that citizens of the world are trying to walk upward on. At first the downward motion of the escalator is almost imperceptible, but gradually it gets to be greater and greater. Eventually the downward motion becomes almost unbearable. Many citizens long to sit down and take a rest.

In fact, a break, like the pandemic, almost comes as a relief. There is suddenly a chance to take it easy; not drive to work; not visit relatives; not keep up appearances before friends. Government officials may not be unhappy either. There may have been demonstrations by groups asking for higher wages. Telling people to stay at home provides a convenient way to end these demonstrations and restore order.

But then, restarting doesn’t work. There are too many broken pieces of the economy. Too many bankrupt companies; too many unemployed people; too much debt that cannot be repaid. And, a virus that really doesn’t quite go away, leaving people worried and unwilling to attempt to resume normal activities.

Some might describe the energy story as a “diminishing returns” story, but it’s really broader than this. It’s a story of services that we expect to continue, but which cannot continue without much more energy investment. It is also a story of the loss of “economies of scale” that at one time helped propel the economy forward.

(...)

With diminishing returns everywhere and inadequate sources of very inexpensive energy to keep the system going, major parts of the world economic system appear headed for collapse. There doesn’t seem to be any way to keep the world economy growing rapidly enough to offset the down escalator effect.

Citizens have not been aware of how “close to the edge” we have been. Low energy prices have been deceptive, but this is what we should expect with collapse. (See, for example, Revelation 18: 11-13, telling about the lack of demand for goods of all kinds when ancient Babylon collapsed.) Low prices tend to keep fossil fuels in the ground. They also tend to discourage high-priced alternatives. Unfortunately, all the wishful thinking of the World Economic Forum and others advocating a Green New Deal does not change the reality of the situation.

https://ourfiniteworld.com/2020/12/23/2020-the-year-things-started-going-badly-wrong/

2. “Beyond Colonial Futurism: Portugal’s Atlantic Spaceport and the Neoliberalization of Outer Space”

In November 2016 Portugal’s Ministry of Science, Technology, and Higher Education announced plans to open the Atlantic Spaceport, a logistics site for commercial space launches. Located in the Azores, a mid-Atlantic archipelago and autonomous region of Portugal, the Atlantic Spaceport is the lynchpin of national and European attempts to make the country an “innovation hub” for the fast-growing commercial space sector. With these plans, the Portuguese state, and its backers at the European Space Agency, are seeking to position the country as a player in the neo-liberalization of outer space, whereby the governance of space is restructured around the growth of private industry and a gradual shift from space exploration to space exploitation.

Understood within the context of Portugal’s post-financial crisis economic policy, the Atlantic Spaceport takes its place amongst other attempts to stimulate growth by drawing on the country’s colonial territories and relationships with former colonies—from “golden visa” programs offering residency to wealthy Brazilians investing in Portuguese real estate and courting investment from oil-rich Angolans, to the hotly contested plans to offer deep-sea mining concessions of the Azores’ coast. However, in official discourses Portugal’s venture into the commercial space sector is framed in terms of international cooperation, scientific collaboration, and economic development with the Atlantic Spaceport, positioning the country as a geopolitical pivot between Global North and Global South, with its colonial history figured as the launchpad for techno-futurist imaginaries of human life in space.

This lecture seeks to use the Atlantic Spaceport as a lens through which to explore the deep entanglement of colonial imaginaries and neoliberal governance in the context of European space exploration, rather than in the more familiar setting of American final-frontierism. It argues that only by understanding the ways in which contemporary visions of off-Earth futures are constitutively bound up with patterns of colonial thinking, capitalist accumulation, and neoliberal governance is it possible to imagine these futures otherwise and to develop modes of thought and practice whereby the promise of space exploration as a vector of freedom and justice – both on and off-Earth – might be realized.

—in e-flux lectures: Rory Rowan, “Beyond Colonial Futurism: Portugal’s Atlantic Spaceport and the Neoliberalization of Outer Space”

Published on April 18, 2018


Beyond Colonial Futurism
https://www.e-flux.com/video/198108/e-flux-lectures-rory-rowan-beyond-colonial-futurism-portugal-s-atlantic-spaceport-and-the-neoliberalization-of-outer-space/

Portugal Space
https://ptspace.pt/pt/home/

AIR CENTRE
https://www.aircentre.org/events/

Space Resources
https://space-agency.public.lu/en/space-resources.html

Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (EMEPC)
https://www.emepc.pt/