terça-feira, janeiro 05, 2021

A esquerda é um fóssil

 

“Eu queria pintar o nada. Estava em busca de algo que fosse a essência do nada, e lá estava.”
Andy Warhol


...e o radicalismo político do século 21, inconsequente e pueril. 

A rebelião propagada ao longo da década que finda não tem finalidade que valha a pena e se veja para lá da ansiedade egocêntrica dos seus protagonistas. Mesmo o radicalismo ecológico parece ser demasiado vesgo e narcisista para ser levado a sério. Precisamos, pois, de uma nova metafísica capaz de superar o egoísmo humano e que de algum modo refaça a simbiose entre o humanismo exacerbado (que é uma óbvia falsa consciência das coisas) e o não humano de que somos uma das manifestações possíveis.

O populismo atual, à esquerda e à direita, é uma resposta objetiva à corrupção das democracias modernas e ao colapso da modernidade unilateralmente laica. Por outro lado, a chamada superioridade moral da esquerda, se bem observada, verifica-se não ser mais do que uma ideia-fóssil. Em primeiro lugar, porque o proletariado morreu, e em segundo, porque a pequena-burguesia intelectual urbana, portadora do chamado pensamento politicamente correto, está a ser dizimada pela mesma máquina capitalista que destruiu o pilar número um da revolução socialista, isto é, o trabalho humano — progressivamente substituído por máquinas, por robôs cada vez mais inteligentes, e pela cibernética.

“Proletários de todo o mundo, uni-vos!” 

resume a mensagem essencial do Manifesto do Partido Comunista numa era em que a revolução industrial dava origem à maior migração alguma vez ocorrida na história da humanidade. Esta migração teve lugar do campo para a cidade, em sucessivas grandes ondas, a primeira das quais na Europa ocidental a na América do Norte, ao longo da segunda metade do século 19 e o primeiro quartel do século 20, depois no resto do continente americano, sobretudo na primeira metade do século 20, e finalmente na Ásia ao longo da segunda metade do século 20 e primeiro quartel do século em que estamos. Duvido que a África venha a passar pelo mesmo processo, não só porque o modelo de crescimento dos últimos duzentos anos se esgota no esgotamento da exploração das energias fósseis, e no colapso ecológico em curso, mas também por razões de ordem cultural. Esta é, aliás, a origem da explosiva pressão migratória do novo gigante demográfico sobre a Europa, à qual os partidos políticos tradicionais e as ideologias universitárias de bolso não têm sabido dar resposta. Revelam, aliás, para além do maniqueísmo habitual, ou do pietismo inconsequente de António Guterres e do papa Francisco, uma total incapacidade de pensar neste imenso problema.

À medida que este movimento browniano de populações proliferou, depois da disseminação da máquina a vapor, cresceram as chamadas revoluções proletárias, quer na forma violenta e insurrecional, quer na forma de greves, negociações sindicais e legalização de partidos de esquerda (social-democratas, socialistas, comunistas). A extrema-esquerda que emerge na Europa a partir dos anos 60 do século 20, apesar de ideologicamente vinculada à literatura marxista, e das suas fortíssimas ligações universitárias aos movimentos anti-coloniais que se irão suceder à independência da Índia contemporânea (1947), já não faz propriamente parte dos movimentos proletários, configurando antes uma agenda tipicamente pequeno-burguesa associada ao desenvolvimento do capitalismo pós-industrial, basicamente assente na produção simbólica e intelectual, na economia de serviços e no consumo — nomeadamente no consumo conspícuo e desmiolado. Em suma, quando hoje olhamos para o Partido Comunista Português estamos, na realidade, a observar um fóssil. 

O proletariado, mesmo nos chamados países socialistas, onde esteve invariavelmente submetido a ditaduras centrípetas, herdeiras do despotismo asiático, e onde nunca houve direito à greve, nem muito menos luta de classes (1), foi dando lugar a máquinas cada vez mais inteligentes e 100% dóceis, preenchendo assim o novo vazio demográfico provocado pela rápida destruição da família tradicional e pelo envelhecimento humano. O exemplo mais flagrante desta metamorfose é a China comunista, onde o PCC, pelo uso esmagador do milenar despotismo asiático, associado à importação canina dos piores modelos de exploração e especulação capitalistas, acelerou, como em nenhum outro caso, ou seja, em apenas quarenta anos (1960-2001), a transição de uma sociedade miserável, maioritariamente campesina, para uma mole social pós-industrial. Pelo meio, existiu uma brevíssima e brutal fase industrial clássica, sem regras, predadora, mas também suicida, pois o pico petrolífero na China obrigaria o país a uma utilização super-intensiva do carvão enquanto principal energia do seu explosivo desenvolvimento económico. A expansão exponencial e exponencialmente rápida do consumo, sobretudo nas grandes metrópoles que entretanto nasceram como cogumelos numa manhã de outono, trouxe consequências letais não só para a China, mas também para o resto do mundo, como a presente pandemia atesta tragicamente.

Na China comunista, o proletariado revolucionário nunca existiu. 

Os operários industriais chineses do século 20 estiveram sobretudo ao serviço da agenda nacionalista do seu novo mandarim, Mao Tse Tung, sem nunca terem alguma vez beneficiado de quaisquer liberdades ou direitos por si mesmos conquistados. Por sua vez, a maioria dos operários chineses de hoje caminha rapidamente para uma transmutação, tal como no resto do mundo desenvolvido. Esta metamorfose robótica é, por sinal — e daí o nervosismo crescente de Xi Jinping)—, a maior fragilidade do regime chinês depois de Deng Xiaoping, habituado desde sempre a uma ou outra forma de escravatura e humilhação dos mais fracos. A China depende hoje criticamente de uma expansão imperial, porque precisa de trabalho escravo que escasseia no seu país, e porque precisa de energia e matérias primas abundantes que escasseiam no seu país. Acontece, porém, que o imperialismo benigno que a burocracia chinesa deseja, é altamente improvável no estado a que o mundo dos humanos chegou. Falta apenas saber se, para aceitar esta realidade, a China vai ou não forçar uma guerra mundial.

A esquerda ocidental está enredada nas aporias que criou e deixou crescer desde Auschwitz e Hiroshima.

Não percebeu, por isso, que o radicalismo francês, e mais tarde alemão, do pós-guerra, assentou numa base teórica e psicológica muito frágil. O seu anti-humanismo antropocêntrico e moderno não soube tirar as lições das sucessivas carnificinas da primeira metade do século 20. Em suma, a esquerda pseudo-marxista nascida do existencialismo sartriano refugiou-se no narcisismo ideológico e numa espécie de hipocrisia e obscenidade compulsivas, oportunistas e palavrosas.

Como escreve Graham Harman (2), “Radical politics as we know it is an outgrowth of modern philosophy with its modern idealism, and hence is unlikely to service much longer than modern philosophy itself.”


NOTAS

1. A explicação lógica é esta: no socialismo não há qualquer motivo para a luta de classes, menos ainda para greves!

2. Harman, Graham. Object-Oriented Ontology, A New Theory of Everything (2018)


sexta-feira, janeiro 01, 2021

Da utopia 2.0 à extinção

Clicar para ampliar

Neste blog o tema do colapso do homem moderno é, por assim dizer, recorrente e certamente influenciado por muitas leituras, desde The Limits to Growth (Meadows, Donella H et al., 1972) até à Teoria Ator-Rede de Bruno Latour, Michel Callon e John Law, passando pela desmontagem dos mitos em volta do homem moderno e das suas ciências e utopias políticas realizada por Jean-Francois Lyotard. Por um lado, a civilização industrial assente no uso de fontes abundantes de energia, altamente calóricas, facilmente transportáveis e baratas (carvão, petróleo, gás natural) ao longo de dois séculos de extraordinário crescimento e desenvolvimento tecnológico, encontra-se hoje confrontada com os limites ao crescimento impostos quer pelo fim do acesso fácil àquelas três energias fósseis, quer pelos efeitos da queima destes fósseis na composição da atmosfera. Por outro lado, a perceção de que a ação humana, sobretudo das sociedades mais ricas, mais produtivas, mais cultas e tecnologicamente mais avançadas, poderá estar na origem duma extinção em massa da vida existente no planeta, precedida por crises violentas e mesmo colapsos de cidades, países e regiões geográficas inteiras é, em si mesma, um desafio à qualidade e autoridade da racionalidade do homem moderno (1).

Perante este desafio sem precedentes, dada a sua escala planetária e a destruição dos equilíbrios naturais causados pelo homem moderno naquela fina película de vida que recobre o planeta (a que Latour chama zona crítica), parece haver dois tipos de resposta dominante: a de curto e médio prazo, que passa pela chamada agenda ecológica, cujos pontos críticos são a decisão de abandonar as energias fósseis e o controlo e limitação dos acessos aos recursos naturais disponíveis (pela via da monitorização e de leis de restrição às capturas e extrações); a de médio e longo prazo, que passa pela descoberta de novos continentes de energia e matérias primas, a que Rory Rowan chama futurismo colonial.

Embora a espuma dos dias nos entretenha com futebol e coscuvilhice politiqueira, a verdade é que o nosso país tem vindo a apostar nas duas vias de mitigação potencial de uma crise que se aproxima com a força dum maremoto, seja pela aposta nas energias eólica e voltaica, nos metais raros (lítio, por exemplo) e no hidrogénio, seja, mais silenciosamente, pela preparação de uma nova aventura colonial precedida dum período de descobertas e exploração. Estas duas novas epopeias em surdina são, por um lado, a conquista do espaço, desde logo pela necessidade urgente de o libertar de uma crescente poluição aeroespacial, e a conquista da profundidade oceânica, onde se espera encontrar um novo e imenso manancial de espécies vivas, de minerais e de novas matérias primas (2). Interessa notar, desde já, que o arquipélago dos Açores, a par da extensão previsível da Platafoma Continental portuguesa, são o novo mare nostrum e a nova terra incognita que poderão oferecer ao nosso país uma segunda grande oportunidade de vencer a sua atual pequenez e pobreza relativas.

A grande dúvida reside, porém, na qualidade destas estratégias de mitigação. Haverá alguma consistência nos seus pressupostos, ou não passarão duma fuga em frente onde se misturam business as usual, especulação e wishful thinking?

NOTAS

1. 2020: The Year Things Started Going Badly Wrong

Posted on December 23, 2020 by Gail Tverberg

The economy is like a down escalator that citizens of the world are trying to walk upward on. At first the downward motion of the escalator is almost imperceptible, but gradually it gets to be greater and greater. Eventually the downward motion becomes almost unbearable. Many citizens long to sit down and take a rest.

In fact, a break, like the pandemic, almost comes as a relief. There is suddenly a chance to take it easy; not drive to work; not visit relatives; not keep up appearances before friends. Government officials may not be unhappy either. There may have been demonstrations by groups asking for higher wages. Telling people to stay at home provides a convenient way to end these demonstrations and restore order.

But then, restarting doesn’t work. There are too many broken pieces of the economy. Too many bankrupt companies; too many unemployed people; too much debt that cannot be repaid. And, a virus that really doesn’t quite go away, leaving people worried and unwilling to attempt to resume normal activities.

Some might describe the energy story as a “diminishing returns” story, but it’s really broader than this. It’s a story of services that we expect to continue, but which cannot continue without much more energy investment. It is also a story of the loss of “economies of scale” that at one time helped propel the economy forward.

(...)

With diminishing returns everywhere and inadequate sources of very inexpensive energy to keep the system going, major parts of the world economic system appear headed for collapse. There doesn’t seem to be any way to keep the world economy growing rapidly enough to offset the down escalator effect.

Citizens have not been aware of how “close to the edge” we have been. Low energy prices have been deceptive, but this is what we should expect with collapse. (See, for example, Revelation 18: 11-13, telling about the lack of demand for goods of all kinds when ancient Babylon collapsed.) Low prices tend to keep fossil fuels in the ground. They also tend to discourage high-priced alternatives. Unfortunately, all the wishful thinking of the World Economic Forum and others advocating a Green New Deal does not change the reality of the situation.

https://ourfiniteworld.com/2020/12/23/2020-the-year-things-started-going-badly-wrong/

2. “Beyond Colonial Futurism: Portugal’s Atlantic Spaceport and the Neoliberalization of Outer Space”

In November 2016 Portugal’s Ministry of Science, Technology, and Higher Education announced plans to open the Atlantic Spaceport, a logistics site for commercial space launches. Located in the Azores, a mid-Atlantic archipelago and autonomous region of Portugal, the Atlantic Spaceport is the lynchpin of national and European attempts to make the country an “innovation hub” for the fast-growing commercial space sector. With these plans, the Portuguese state, and its backers at the European Space Agency, are seeking to position the country as a player in the neo-liberalization of outer space, whereby the governance of space is restructured around the growth of private industry and a gradual shift from space exploration to space exploitation.

Understood within the context of Portugal’s post-financial crisis economic policy, the Atlantic Spaceport takes its place amongst other attempts to stimulate growth by drawing on the country’s colonial territories and relationships with former colonies—from “golden visa” programs offering residency to wealthy Brazilians investing in Portuguese real estate and courting investment from oil-rich Angolans, to the hotly contested plans to offer deep-sea mining concessions of the Azores’ coast. However, in official discourses Portugal’s venture into the commercial space sector is framed in terms of international cooperation, scientific collaboration, and economic development with the Atlantic Spaceport, positioning the country as a geopolitical pivot between Global North and Global South, with its colonial history figured as the launchpad for techno-futurist imaginaries of human life in space.

This lecture seeks to use the Atlantic Spaceport as a lens through which to explore the deep entanglement of colonial imaginaries and neoliberal governance in the context of European space exploration, rather than in the more familiar setting of American final-frontierism. It argues that only by understanding the ways in which contemporary visions of off-Earth futures are constitutively bound up with patterns of colonial thinking, capitalist accumulation, and neoliberal governance is it possible to imagine these futures otherwise and to develop modes of thought and practice whereby the promise of space exploration as a vector of freedom and justice – both on and off-Earth – might be realized.

—in e-flux lectures: Rory Rowan, “Beyond Colonial Futurism: Portugal’s Atlantic Spaceport and the Neoliberalization of Outer Space”

Published on April 18, 2018


Beyond Colonial Futurism
https://www.e-flux.com/video/198108/e-flux-lectures-rory-rowan-beyond-colonial-futurism-portugal-s-atlantic-spaceport-and-the-neoliberalization-of-outer-space/

Portugal Space
https://ptspace.pt/pt/home/

AIR CENTRE
https://www.aircentre.org/events/

Space Resources
https://space-agency.public.lu/en/space-resources.html

Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (EMEPC)
https://www.emepc.pt/

sábado, dezembro 19, 2020

Um parlamento para gaivotas

 

Ana Marques Maia/ Público
video still (pormenor)

 

Projecto de Resolução n.º 807/XIV/2ª

Recomenda ao Governo a criação de um Grupo de Trabalho para dar resposta ao crescente conflito entre gaivotas e humanos

A crescente ocupação humana dos espaços naturais tem vindo a criar algumas situações de conflito entre os humanos e os animais, usualmente com perdas para estes últimos. São inúmeras as espécies que têm sofrido decréscimos populacionais devido a interacções negativas, por perda de espaço para nidificarem, se alimentarem e descansarem. No entanto, algumas espécies têm conseguido adaptar-se aos espaços urbanos, podendo, contudo, esta adaptação resultar em situações de conflito.


A proposta legislativa da deputada não inscrita Cristina Rodrigues é um passo em frente no que poderia ser uma alteração histórica da Assembleia da República: um parlamento dos seres animados e inanimados que tornam a vida humana possível, e habitam na chamada zona crítica do planeta. 

Há demasiados deputados no nosso parlamento: 230. 170 seriam suficientes. Podemos até afirmar que para defender os interesses particulares dos portugueses, 100 pessoas eleitas seriam mais do que suficientes. Os outros 70 representantes seriam deputados e deputadas de outras formas de vida: corais, minhocas, lémures, sapos, polvos, gaivotas, abelhas, ursos, cavalos, salmões, lobos, cães, linces, gatos, canários, pombos-correio, papagaios...; mas também araucárias, pinheiros mansos e bravos, oliveiras, sobreiros, azinheiras, magnólias, roseiras, hibiscos, ervilhas de cheiro; mas também a água doce, o mar salgado, os rios, o fogo, as praias, vales, montanhas, desertos e noites. Estas individualidades, quase sempre entes coletivos e simbióticos, estariam pois representadas no órgão legislativo máximo do país por direito próprio. Como? Por exemplo, através de gémeos idênticos (identical twins). Estes representantes estariam de algum modo ligados a atores e jogadores inteligentes, ciber-humanos, dotados de ultra-sensibilidade e enorme espírito de responsabilidade e colaboração. Neste parlamento das coisas (causas) os trabalhadores assalariados defenderiam as suas causas (as suas coisas), tal como o fariam os empresários, os muito pobres e os muito ricos, as rolas migrantes, as gaivotas e os cagarros de São Jorge, os linces da Serra da Malcata, as lagartixas, as lagoas saudáveis e as lagoas em processo de eutrofização avançada, as nuvens e o mar.  

A ideia de um parlamento das coisas (things, cousas, do latim causă, causa) foi proposta por um filósofo francês chamado Bruno Latour. Sempre me fascinou a sua ANT (Actor Network Theory). Devo, porém, confessar que não aprofundei a ideia lendo ou escutando este autor de modo sistemático, seja por recear alguma deceção, seja por preferir divagar livremente sobre aquela repentina iluminação. A influência universitária deste pensador híbrido é hoje muito significativa, nomeadamente na proposta de novos paradigmas para a ação cognitiva e política, por exemplo, através do que designa “thought exhibitions”, as quais certamente ajudam a compor a didascália da sua filosofia, mas pouco acrescentam, em minha opinião, aos problemas teóricos e práticos da arte contemporânea e pós-contemporânea. Leibniz (1714), Gabriel Tarde (1893), James Lovelock (1965-72), Lynn Margulis (1971), Donna Haraway (1984), e obviamente Jean-François Lyotard (1979), herdeiro do pós-humanismo revolucionário e marxista (L’Inhumain, 1988), são referências importantes no pensamento de Latour (1987).

A questão identitária que re-emergiu tão fortemente no início deste século, sobretudo como causa e consequência do 11 de Setembro, é uma representação da impossibilidade material e humana de uma modernidade global, de uma efetiva democracia global, de uma verdadeira liberdade internacionalista dos povos, em suma, é uma imagem da crise que nasce da grande religião laica falhada, o marxismo. Esta pretensa ciência anunciou o enterro das velhas religiões e a libertação dos povos de todo o mundo. O destino e o caminho somariam uma nova totalidade construtivista. Mas como os sonhos da razão nas gravuras de Francisco de Goya, os muitos herdeiros de Hegel fartaram-se de gerar monstros. 

Estamos há já algum tempo a entrar numa outra fase da luta de classes, no sentido matemático e lógico da expressão. No horizonte, pressentimos um conflito de interesses subjetivos e objetivos de enormes dimensões. Desta vez, porém, os humanos não são os únicos atores da guerra de classes, nem sequer os principais protagonistas desta agonística territorial e identitária. Agora é a vez da revolução alastrar às ‘coisas’ em geral, às causas em geral. Haverá, porventura, uma convulsão animista de proporções bíblicas. Os demónios e os anjos enterrados regressarão com toda a sua força, penetrando-nos, pobres arrogantes, até ao mais ínfimo das nossas células e membranas.

Gaia, ao contrário do green business as usual, não é o ‘planeta azul’, não é um ‘organismo’, mas antes uma propriedade emergente da interação entre organismos, como Lynn Margullis bem argumentou. Na feliz formulação de uma estudante sua, “Gaia is just symbiosis as seen from space”. 

Latour e outros chamam a esta propriedade emergente, a esta simbiose, ‘zona crítica’, uma espécie de pele do planeta, ou ‘verniz’ (outra expressão de Latour) a que também se chama vida, mas de que fazem parte vida e não-vida, semi-vida e sobre-vida. 

Nesta membrana planetária única, animais modernos, animais antigos (arqueia) e proto-animais interagem com plantas, fungos, bactérias e vírus, com o oxigénio que as algas e as florestas produzem, com a água salgada, o sal e outros minerais, com a água doce dos rios, lagos e aquíferos, e por aí adiante. 

O Sol e a Lua, a força gravitacional e a rotação da Terra, ou ainda a atividade nas regiões profundas do planeta, que por exemplo se manifesta na atividade vulcânica e tectónica, e traz ouro e petróleo à superfície, está de algum modo fora do microscópio de Bruno Latour, talvez por serem coisas sobre as quais os humanos são totalmente incapazes de interferir Creio, aliás, que será esta impossibilidade de impor constrangimentos ao Sol (não há vacina possível contra as explosões do grande astro que nos aquece e é certamente o nosso único Deus) a razão pela qual Bruno Latour restringe o seu mundo de possibilidades, ficando de algum modo prisioneiro da tradição filosófica francesa do pós-guerra no seu irreprimível desejo de descoberta de um novo Leviatã, desta vez ecológico e reticular. Latour evita os telescópios, preferindo as lunetas e os microscópios. 

A metáfora do ‘parlamento das coisas’ é uma experiência mental cuja principal utilidade é demonstrar a insuficiência e até a insignificância dos parlamentos humanos resultantes de uma crise de comunicação e de colaboração entre todos os atores da Mãe Terra. Há, por conseguinte, um frenesim de vozes não humanas que os humanos terão que aprender rapidamente a reconhecer, para poderem dialogar, antes que seja tarde demais. Esta zona crítica a que chamamos vida, um rizoma de cadáveres produtivos (apesar de sempre esquisitos), rebentos, nados mortos e seres que nascem, crescem e morrem, é uma raridade absoluta no universo que conhecemos. Na nossa arrogância e medo, acreditamos que somos os únicos responsáveis pela extinção aparentemente em curso. Para salvar a pele, tudo faremos para reverter o infeliz desfecho da rã que puseram numa panela de água que foi aquecendo lentamente. Oxalá!


Nota soturna sobre o momento que passa...

A China deixou escapar o génio da garrafa. Passarão muitas décadas até que este descuido, ou ação premeditada, seja perdoada e esquecida. Espera-nos um longo inverno micro-biológico pela frente. As economias que resistirem ao colapso em curso, não terão condições nem vontade de regressar à velha normalidade. Outra normalidade nascerá deste holocausto provocado pela incúria e ganância humanas. Se algo de útil podemos fazer neste momento, é conversar sobre o que nos está a acontecer. Estamos a caminho dum colapso catastrófico e duradouro? Se já sabemos que teremos que mudar de vida, se houver vida para mudar, porque não começamos já? Os pequenos gestos contam.

Não foi o vírus que fechou os humanos em casa. Fomos nós!


Nota de esperança

A última filosofia nascida em França dá pelo nome de Realismo Especulativo. Quentin Meillassoux é o seu principal expoente. Contesta uma vez mais a filosofia kantiana do conhecimento. E retira, uma vez mais, a centralidade humana do processo cognitivo e ontológico. O evento certamente contingente conhecido por SARS-CoV-2, e o desfecho que resultar deste ‘acidente’, serão certamente dois oportunos testes de resistência a mais esta tentativa de instaurar e prosseguir uma ontologia orientada para os objetos, na qual o humano não tem lugar.


REFERÊNCIA

Bruno Latour recebeu recentemente o prémio Spinozalens, precisamente focado no seu trabalho sobre o parlamento das Coisas (1989). Eis a sua conferência dada ao receber o prémio da International Spinozaprijs Foundation.

segunda-feira, dezembro 14, 2020

O bomba H da Geringonça


O projeto para a produção de hidrogénio deste governo e da EDP é um crime da ordem de grandeza do que foi cometido por José Sócrates e a mesma EDP nos contratos de implementação das energias eólica e solar no nosso país quando estas tecnologias eram demasiado ineficientes e caras. 

Os portugueses estão há décadas a empobrecer, incapazes de vencerem o fosso que os separa já da esmagadora maioria dos países da União Europeia. As rendas escandalosas das PPP rodoviárias, as rendas do assalto levado a cabo pelos piratas da EDP e das ditas energias verdes, e agora as rendas previsíveis (e escondidas) desta impraticável aposta no hidrogénio são uma das principais causas da ruína do país e, num prazo não muito longo, do colapso à vista do regime, e pior do que isso, da nossa frágil e capturada democracia.

Vale pois a pena ouvir este painel de especialistas sobre o tema explosivo do hidrogénio!

O próximo buraco negro? 

Percebi desta conversa quatro ideias de fundo:

1) O plano do PS (tríade de Macau) e do PSD (Barroso, Arnaut, Goldman) é inviável e deverá cair antes de se tornar irreversível. Trata-se do maior e mais perigoso elefante branco que a EDP impingiu aos piratas do PS e do PSD. É, na realidade, um caso de polícia. Mas para parar esta enormidade não basta esperar que os factos nos dêem razão. Teremos, isso sim, que questionar, sem dar a menor trégua, o rapaz do brinco, o ministro do fascismo ambiental, e António Costa.

2) A eletricidade vai ter um enorme aumento no mix energético ao longo desta década e das duas próximas, sobretudo porque vai entrar em força no sector dos transportes, nomeadamente automóvel, ainda que aqui se esperem novidades importantes nas próximas duas décadas, com a emergência dos chamados combustíveis sintéticos renováveis, com origem em água, eletricidade renovável e CO2 sequestrado (por exemplo de uma unidade de produção de fertilizantes). Ou seja, não teremos 100% de carros elétricos movidos a bateria (com a poluição astronómica que esta hipótese representaria para o ambiente, a par da extração de terras raras em áreas protegidas do país), mas sim 0% de carros movidos a células de hidrogénio (o que inviabilizará toda a loucura congeminada para Sines) e ainda, muito provavelmente, 70 a 80% de automóveis, camiões e navios movidos a combustíveis convencionais purificadas e, noutro campeonato, a combustíveis sintéticos renováveis, também conhecidos por E-diesel.

3) A biomassa é o nosso maior fator de competitividade energética (e também de contenção dos fogos florestais), a par das energias hidroeléctricas, solar e eólicas — estas últimas, porém, só depois de pago a excesso de custo causado pelo pioneirismo gangster dos senhores Pimenta e quejandos.

4) Apostar em unidades de exploração e desenvolvimento de células de hidrogénio é recomendável, mas o projeto megalómano dos avençados da sinoEDP é um crime da ordem de grandeza dos que foram cometidos no plano de barragens e as feed-in tariffs do Sócrates, BES e companhia.

KEYWORDS: Syngas, Synthetic fuel, E-dieselAudi e-diesel and e-ethanol

segunda-feira, novembro 23, 2020

E depois da Geringonça?


Dividir ou unir os portugueses?

A Geringonça, uma experiência de Frente Popular pós-moderna, foi o resultado da convergência de três dinâmicas ideológicas: António Costa anuncia Urbi et Orbi que em Portugal há dois países, um de direita e outro de esquerda, e que ele prefere o segundo e não está sequer disposto a dialogar com o primeiro; a esquerda radical maoista e trosquista reunida no Bloco de Esquerda anuncia que está disposta a fazer parte de uma solução governamental de esquerda, disponibilizando-se para uma coligação com o PS; o envelhecido e decadente partido comunista português, perante a derrota eleitoral do PS de António Costa, depois de uma campanha maniqueísta, populista e divisionista como nunca se vira no PS, mas que não comoveu o eleitorado, anuncia que o seu amigo António Costa e o PS deste só não governariam se não quisessem, abrindo assim as portas a um governo oportunista, irresponsável e ideológico. 

O resultado revelou-se um fracasso redondo, não apenas por atirar outra vez o país para uma situação de endividamento extremo, nepotismo e corrupção, mas sobretudo porque a aliança de esquerda começou a ruir por dentro, à medida que o PS foi canibalizando a seu favor os frutos mais doces da Geringonça, deixando aos comunistas de inspiração estalinista, aos maoistas e aos trostsquistas a perspetiva de uma erosão inevitável dos respetivos eleitorados (o erro destes, com em 2016 sugeri, foi não terem exigido uma coligação governamental, em vez da trapalhada a que o sempre acutilante e saudoso Vasco Pulido Valente chamou uma geringonça. A emergência da Iniciativa Liberal, e sobretudo do Chega, capitalizando a falta de liderança no CDS, a passividade de Rui Rio e a incapacidade da gerontocracia comunista atrair a juventude empobrecida e radicalizada, vieram completar um quadro de alteração estrutural do sistema partidário que vigorou nos últimos quarenta e cinco anos. O modo como se deu a mudança de poder nas recentes eleições regionais nos Açores confirma a hipótese de ter começado já uma metamorfose do regime, que uma reforma profunda da Constituição a seu tempo poderia dar a devida estabilização democrática.

Quais são os cenários possíveis perante os dados e as tendências conhecidos?

1) Uma radicalização à esquerda, a qual suporia a chegada de Pedro Nuno Santos a SG do PS, e a criação de uma verdadeira frente popular de carácter nacionalista, ainda que dentro da UE, mas apoiada por algumas ditaduras bem conhecidas: Rússia, Venezuela, Coreia do Norte, China e Vietname, por exemplo.

2) Uma radicalização à direita, a qual suporia um crescimento sustentado do Chega, da Iniciativa Liberal e de uma ala mais conservadora no PSD que tomaria o poder neste partido. Esta frente populista encontraria conforto em vários países da UE (Polónia, Hungria, Itália, entre outros).

3) Uma convergência constitucional ao centro, europeísta e atlantista, com o objetivo de manter em Portugal um regime rotativista formado por dois grandes partidos moderados, rodeados por uma nuvem de pequenos partidos de direita e esquerda, com os quais os primeiros poderão formar coligações de geometria variável. Esta convergência, no entanto, teria que assentar numa revisão constitucional capaz de retirar a excessiva carga ideológica que a Constituição ainda tem (Preâmbulo, etc), favorecer claramente a representação dos grandes partidos face aos pequenos, fixar um número único de deputados à Assembleia da República (150), extinguir a ideia e o processo regionalização em curso, mantendo o princípio da descentralização e desconcentração dos serviços públicos, reforçando, ao mesmo tempo, as competências, responsabilidades e poderes das autarquias. A efetiva independência da Justiça seria outro dos desideratos a conseguir numa futura revisão constitucional, separando claramente órgãos de soberania de funções públicas, e tornando eletivos os cargos de topo da administração da justiça. Minar as corporações herdadas do fascismo, a que o PCP tão bem se adaptou, seria outro dos objetivos essenciais a conseguir numa futura revisão constitucional.

Dos cenários possíveis, há um que claramente prefiro: o da convergência constitucional europeísta e atlantista, que supõe uma aliança reforçada com a Inglaterra, seja qual for o desfecho do Brexit. É mais civilizada, produtiva e pacífica.

terça-feira, agosto 25, 2020

Energy flat rate

Swanson's Law (Wikipedia)
 

O paradigma energético mudou 

Novo leilão em Portugal bate novo recorde mundial com o mais baixo preço de energia solar

97% menos do que o atual preço grossista da eletricidade na Península Ibérica (!)

Portugal está definitivamente na história do desenvolvimento de projetos de energia solar. Ao que o Expresso apurou, o leilão que decorre entre esta segunda e terça-feira já alcançou um preço de 1,20 euros por megawatt hora (MWh) * em pelo menos dois lotes já fechados, batendo por larga margem a marca histórica de 14,76 euros por MWh de julho de 2019 e o recorde mundial registado em abril último em Abu Dhabi.

Expresso, 24.08.2020 às 16h12

Vamos tentar pensar o tema da energia no nosso país sem a canga de maniqueísmo habitual, mesmo conhecendo os figurões em causa. 

Eu sei que é difícil. Mas vamos fazer este exercício teórico: 

—num país onde desaguam 3 rios internacionais, que tem uma das maiores exposições solares anuais da Europa, mais de 2100 Km de costa, e uma ZEE marítima que corresponderá em breve a 97% do seu território (a 7ª maior do mundo, equivalente à superfície da Índia), numa conjuntura económica ímpar, nomeadamente por efeito de um financiamento europeu à convergência económica portuguesa com os países mais desenvolvidos da União Europeia, na ordem dos 130 mil milhões de euros, entre 1986 e 2019 (1), será realmente um erro apostar nas energias renováveis, nomeadamente hídrica, eólica e solar? 

A nossa dependência energética do exterior anda, em média, desde 2009, nos 77% (25 pontos acima da média europeia, que ronda os 55%), e assenta sobretudo na importação de petróleo, gás natural e carvão. 

Por outro lado, por causa da pressão climática, da poluição e do pico petrolífero, mas também por efeito da queda da procura agregada mundial, que torna inviável continuar a consumir grandes quantidades de petróleo e carvão cuja prospeção e produção são cada vez mais caras, dificilmente poderemos negar que as energias renováveis vieram para ficar (2). 

Substituirão boa parte da energia oriunda do carvão, petróleo e gás natural, e serão tendencialmente gratuitas, assim que nos livrarmos dos monopólios das infraestruturas físicas e financeiras pesadas que ainda regem o paradigma de produção e distribuição de energia à escala global. 

Os custos da produção fotovoltaica têm vindo a cair à razão de 75% em cada década (a chamada Lei de Swanson). Assim que as pessoas e empresas puderem produzir livremente energia sem obrigatoriedade de venda aos atuais monopólios a preços regulados, estes mudarão de natureza, e os preços da energia começarão a cair ainda mais depressa. 

Em Portugal, porém, para que esta mudança ocorra teremos que acabar de uma vez por todas com as rendas excessivas da EDP, renegociando os contratos existentes.


As redes tradicionais de distribuição de energia elétrica terão a mesma sorte que as redes telefónicas anteriores ao VoIP. Ou seja, teremos, em menos de uma ou duas décadas, plataformas de energia renovável (biomassa, eólica, solar, etc.) onde todos podem ser, ao mesmo tempo, produtores, armazenistas e consumidores, pagando um 'small fee' pela gestão das redes de distribuição e partilha. Será, porém, necessária uma super-concentração dos atuais monopólios de energia, nomeadamente através de fusões entre grandes empresas petrolíferas em transição (BP, Total, etc.) e os grandes grupos de produção e distribuição de energia elétrica. Por fim, para que os preços de consumo se aproximem dos custos reais de produção das energias renováveis (sobretudo da energia solar fotovoltaica) será também preciso eliminar a ineficiência física e financeira atual, ou seja, o excesso de grandes empresas como a EDP, e criar verdadeiros monopólios globais à semelhança do que hoje são no mundo das telecomunicações, da informação e da computação, a Apple, a Microsoft, a Amazon, a Google, a Alibaba e a Tencent.

A EDP talvez já saiba que a energia cara chegou ao fim, ou vai chegar em breve...


*— Segundo me foi explicado por especialistas, a informação do Expresso é imprecisa.

Assim o “preço de 1,20 euros por megawatt hora (MWh)” é, em primeiro lugar 1,20 euros por MW (e não MW/h) e, por outro lado, trata-se de uma oferta de um “preço de compensação”...

Transcrevo:

Há três modalidades:

1. CfD é um contrato as diferenças em que há uma conta corrente entre o promotor e o sistema. Saldada  a conta corrente o promotor recebe exactamente o preço fixado no leilão.

2. Compensação Fixa

O fornecedor vende no mercado a energia que produz e paga ao sistema um preço de compensação por conseguir ter um ponto de ligação à rede (recurso escasso). Então o preço de venda que se pode comparar com o preço do ponto 1 é o preço médio da venda da energia em mercado descontado do preço de compensação pela ligação à rede.

É evidente que os promotores vão oferecer preços de compensação baixos, e a confusão gerada foi terem comparado esse preço de compensação muito baixo com o preço de venda a rede! São coisas distintas

3. Prémio Fixo por flexibilidade

É para centrais que tenham acoplado um esquema de armazenamento de energia (...). Neste caso, o produtor vende à rede a preços de mercado e vai receber do Sistema um prémio de capacidade que remunera essa potência de armazenamento que ele oferece, e esse prémio é idêntico às Garantias de Potência que as centrais clássicas recebiam pelo facto de fazerem backup as intermitentes. 

Assim sendo a remuneração é em euros por MW (potência) e não em euros por MWH (energia) como alguns disseram. A dúvida que tenho (...) é esta: quem gere essa capacidade de armazenamento. Se for o promotor, ele ganha por dois carrinhos: recebe o prémio pela potência instalada, e vai vender a energia armazenada quando lhe convier ao preço de mercado elevadíssimo duma hora de maior valia da energia! Assim sendo, se ele recebe esse prémio, quem deveria comandar a entrada em funcionamento dessa potência disponível seria o Despacho, quando precisar desse backup, e não quando convier ao promotor...


NOTAS

  1. Apesar de gigantesco, este rio de dinheiro é metade da dívida pública atual, a qual teremos que pagar, em horas de trabalho, ou em espécie...
  2. "As Mark Lewis of BNP Paribas Asset Management wrote, 'We conclude that the economics of oil for gasoline and diesel vehicles versus wind-and-solar-powered EVs are now in relentless and irreversible decline, with far-reaching implications for both policymakers and the oil majors.' —in Jeff Booth, The Price of Tomorrow, Why Deflation Is the Key to an Abundant Future (2020). See also www.thepriceoftomorrow.com


REFERÊNCIAS

Swanson's Law

EIA—Annual Energy Outlook 2020

De onde vem a energia que move o país, Público (12/11/2019)


Atualizado: 25/8/2020, 23:41 WET

sexta-feira, junho 12, 2020

Titanic-sur-Mer


A nossa 'posição líquida de investimento internacional' (investimento estrangeiro em Portugal versus investimento português no estrangeiro) é desastrosa. Revela que a economia portuguesa já só é marginalmente nacional. Energia, parte das redes de abastecimento de água, auto-estradas, portos, aeroportos, telecomunicações, indústria automóvel e aeronáutica, redes de distribuição alimentar (salvo redes do Pingo Doce e Continente), boa parte da banca comercial e de investimento, tudo isto já não nos pertence nem temos capacidade para recomprar... Como iremos ver no caso da TAP.

Enquanto isto se agrava dia a dia, os sindicatos pedem mais dinheiro para os funcionários e trabalhadores do Estado e da órbita deste, ao mesmo tempo que o desemprego e as falências pessoais e de empresas disparam, ao mesmo tempo que a classe política delira em completa dissonância cognitiva com a realidade, e a agitação cultural cresce, estimulada por agentes externos infiltrados nos partidos e organizações da esquerda e da extrema esquerda.

As revoluções socialistas e fascistas deram-me em períodos históricos de inovação e desenvolvimento acelerado (industrial) do sistema capitalista. Nada disto existe hoje. Atingimos, à escala global, vários picos inultrapassáveis: do crescimento da produção e consumo de energia, da taxa de crescimento demográfico, da degradação ambiental, e, por consequência, das taxas de crescimento real do produto interno mundial, bem como dos rendimentos, seja do trabalho, seja do capital. Só o endividamento geral continua a crescer, suportado pela criação artificial de dinheiro. Com este panorama estrutural instalado, o regresso às revoluções sociais, nomeadamente espicaçadas por uma fragmentação cultural agressiva e crescente não anuncia nada de bom...

O espectro partidário convencional não tem soluções. Tornou-se, aliás, um peso morto das economias. No resto da sociedade, por sua vez, voltam a crescer o medo e a superstições ancestrais.

Será possível desenvolver uma utopia democrática, desta vez, associada à resistência contra a precariedade geral que se avizinha? Talvez devêssemos estudar à lupa a história das Irmandades do Divino Espírito Santo açorianas, e o milenarismo de Joaquim de Fiore, onde Thomas More terá ido buscar inspiração para a sua famosa Utopia.



Los cinco gráficos que explican por qué la Europa 'despilfarradora' y la 'ahorradora' están condenadas a enfrentarse. elEconomista.es

Ahora, con la crisis del coronavirus los desequilibrios podrían acentuarse. Por un lado, los países del sur sufrirán una recesión económica más intensa, que generará nuevos desequilibrios fiscales y golpeará sin piedad al mercado laboral. Por otro, el superavit exterior que tanto ha costado alcanzar a España o Portugal podría peligrar si la pandemia afecta al turismo de una forma más prolongada e intensa, puesto que ese superávit dependen en gran parte de las rentas que entran del exterior con los turistas que llegan de todo el mundo. Estas diferencias podrían convertir las disputas entre norte y sur en algo permanente hasta que las economías de la zona euro converjan de una forma real o aprendan a vivir siendo un área monetaria formado por un mosaico economías heterogéneas.