quarta-feira, dezembro 05, 2018

Las Bejas?

Casino.Org: Elysium City promises to put Spain’s “La Siberia” on the map. Despite having no major cities, airports, or rail connections nearby, a former Disney executive believes he can make it work. (Image: Cora Global)

A construção e novas cidades deixou de fazer sentido, exceto em África


A ideia por mim lançada em 2012 (1) era para Beja: Las Bejas! Ninguém ligou (o pessoal só pensa no OE). Porém, a recém anunciada Elysium City (2), por uma obscura empresa criada em 2015 em Orange, Califórnia (a Cora Global, dum tal John Cora), será provavelmente mais uma tentativa falhada de trazer uma réplica de Las Vegas para a Europa. Em Espanha, houve já duas animações 3D que deram em nada: a Las Vegas de Madrid e a Las Vegas de Barcelona. Castilblanco, o pueblo escolhido para Elysium, fica na Extremadura, a 139Km de Ciudad Real; a 100Km de Talavera de la Reina, a 218Km de Madrid, e a 430Km de Lisboa. Nenhum aeroporto por perto. Parece-me, pois, outro castelo de bits para entreteter um poder político cada vez mais atrofiado e sem ideias.

Depois da ascensão à dignidade parlamentar dum partido populista de extrema esquerda, financiado pelos dois últimos ditadores folclóricos da Venezuela, a Espanha vê-se agora confrontada com a inevitável réplica: a ascensão, cada vez mais preocupante, de uma extrema direita populista suportada pelos votos que se irão paulatinamente desviar do Podemos e do PP para a Vox. A queda de Andaluzia é um sinal claro de que se as esquerdas, uma vez implodido o centro partidário, nada têm para oferecer aos povos para além da austeridade, das agendas fraturantes, e da corrupção, então as classes médias empobrecidas acabarão por eleger novos regimes de autoridade. Necessariamente violentos e retrógrados? Não sabemos. A China, Singapura, e o Vietname, são regimes autoritários, e a democracia no Japão nada tem que ver com as democracias ocidentais. Porém, são economias prósperas, e as pessoas parecem conformadas.

As democracias ocidentais têm um enorme problema civilizacional pela frente, e não são as touradas. Este desafio chama-se fim de uma era de prosperidade assente em energias baratas, cuja primeira consequência grave é a contração demográfica e o envelhecimento das populações associado ao aumento da esperança de vida. Também por isto, a criação de novas cidades, ou apostas em novas e caríssimas infraestruturas, são ideias que começam a perder todo o sentido. O Portugal da Mota-Engil, tal como a Espanha da Acciona, FCC, Ferrovial, Sacyr e San Jose, correspondem a um modelo de desenvolvimento esgotado. O futuro na Europa e em geral nas cidades desenvolvidas de todo o mundo chama-se gentrificação, ou seja, reordenar a ocupação humana das cidades, sobretudo dos centros das aglomerações urbanas de média, grande e muito grande dimensão. O contrário, portanto, da suburbanização, que marcou boa parte da economia da construção de edifícios e sistemas de transportes durante os últimos sessenta anos.

A ideia de construir parques temáticos e tecnológicos fora das cidades deixou, pois, de fazer sentido. As novas disneilândias e os novos silicon valleys começam a nascer do próprio processo de gentrificação acelerada em curso em inúmeras cidades por esse mundo fora, incluindo Portugal. Percebi isto mesmo quando visitei pela primeira a cidade de Praga. Foi provavelmente ali que a fantasia urbana de Walt Disney nasceu. Mas enquanto a milenar Praga tem condições geográficas e estruturais para prosseguir a sua vida, e portanto incorporar no seu espaço-tempo um processo mais ou menos duradouro de disneificação, o mesmo não ocorrerá à Disneilândia, cujo futuro antevejo breve.

Las Bejas não será pois viável no tempo pós-contemporâneo de que fazemos parte desde 1993, o ano em que teve início Web. O que escrevi sobre esta fantasia, em 2012 e 2016, não tem futuro, tal como não tem futuro a terceira tentativa de vender ao povo uma cidade-casino na Extremadura espanhola.


NOTAS
  1. Pastel de Nata (2012), Lóbi do novo aeroporto não desiste! (2012); Macau: faites vos jeux (2016)
  2. Rádio Renascença 04 dez, 2018 - 08:57
    A Las Vegas europeia chegará a Badajoz em 2023
    Há uma nova tentativa de construir a próxima “Las Vegas europeia” na região da Estremadura espanhola, onde outro projeto semelhante foi frustrado no último verão, segundo avança o jornal "El País".
    A filial espanhola do grupo norte-americano Cora Global apresentou um megaempreendimento denominado “Elysium City”, em Castilblanco, perto de Badajoz, com um investimento previsto de 3.500 milhões de euros. A primeira cidade inteligente espanhola terá casinos, hotéis, vivendas, um centro comercial, uma marina e até mesmo um estádio.
    O promotor do novo projeto é o empresário John Cora, que trabalhou durante 30 anos na Walt Disney Company e foi vice-presidente dos parques temáticos da Disney. O empresário - como o próprio recordou na apresentação feita em Mérida perante Guillermo Fernández Vara, presidente da região da Estremadura - foi o principal defensor da construção da EuroDisney em Espanha, um parque temático que foi finalmente construído em Paris.

segunda-feira, dezembro 03, 2018

Menos propaganda!

World Bank - Portugal, GNI per capita

Mais gráficos e menos conversa fiada ajudam a ultrapassar a ansiedade induzida pelas elites que vivem à conta do orçamento


É preferível, pois, consultar as estatísticas, nomeadamente do Banco Mundial.

Dados essenciais para compreender e relativizar o que se passa em Portugal:

DEMOGRAFIA — regredimos até ao ano 2000 (o pico demográfico foi atingido em 2010, com 10,573 milhões de habitantes, caindo para 10,294 milhões, em 2017).

CRESCIMENTO — apesar da tímida recuperação iniciada a partir de 2014, o PIB encontrava-se em 2017 nos 217,6 mil milhões de dólares, que comparam com 240,17 mil milhões de 2007. Estas duas cifras ilustram a famosa 'década perdida'.

RENDIMENTO ANUAL 'PER CAPITA' — andámos 12 anos para trás: 19.820 USD, em 2017; 22.960, em 2010; 19.330, em 2006.

ESPERANÇA DE VIDA — 81 anos, em 2017; 78 anos, em 2006; 68 anos, em 1974.

Temos, assim três problemas graves pela frente: 1) envelhecimento, 2) regressão demográfica e 3) um estado partidocrático, burocrático, fiscalmente agressivo, politicamente prepotente e socialmente insustentável.

Soluções prioritárias:

1) simplificar o estado e as leis, tornando a administração pública mais leve e eficiente;

2) diminuir a omnipresença partidária na sociedade;

3) diminuir os impostos sobre as empresas e sobre o trabalho;

4) atacar a corrupção e o nepotismo, favorecendo a transparência de processos e o mérito;

5) desenvolver uma verdadeira indústria de recursos humanos, através de parcerias privilegiadas com os países de língua oficial portuguesa: Brasil, Angola, Cabo Verde, São tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor-Leste;

6) reforçar a estratégia atlântica, nomeadamente com o Reino Unido e a Irlanda, e os continentes africano e americano, diversificando ao mesmo tempo as nossas relações comerciais e culturais com os países da Ásia (China, Índia, Japão, Indonésia, etc.)

domingo, dezembro 02, 2018

A IV Revolução Informática

The first prototype of a computer mouse, as designed by Bill English from Douglas Engelbart's sketches. Wikipedia


The Mother of All Demos


A revolução de Douglas Engelbart, Alan Kay, Steve Wozniak, Steve Jobs, Paul Allen, etc., que deu à Microsoft e à Apple, e mais tarde, à Amazon, à Google e ao Facebook, todo o poder de que ainda dispõem, aproxima-se de uma nova fase: a computação quântica. Ou seja, caminhamos rapidamente para a IV Revolução Informática. As que a precederam foram: I - Mainframe computers; II - Personal computers; III - Internet.

O Maio de 68 em Paris não produziu nada de novo para a humanidade, mas The Mother of All Demos, apresentada em São Francisco, em 9 de dezembro de 1968, sim.

On December 9th, 1968 Doug Engelbart appeared on stage at the Fall Joint Computer Conference in San Francisco's Civic Auditorium to give his slated presentation, titled "A Research Center for Augmenting Human Intellect." He and his team spent the next 90 minutes not only telling about their work, but demonstrating it live to a spellbound audience that filled the hall. 
Instead of standing at a podium, Doug was seated at a custom designed console, where he drove the presentation through their NLS computer residing 30 miles away in his research lab at Stanford Research Institute (SRI), onto a large projection screen overhead, flipping seamlessly between his presentation outline and live demo of features, while members of his research lab video teleconferenced in from SRI in shared screen mode to demonstrate more of the system. 
This seminal demonstration came to be known as "The Mother of All Demos." 
Doug Engelbart Institute/ Doug's Great Demo: 1968


ver mais...

quarta-feira, novembro 21, 2018

De Espanha...

São 'socialistas', mas...

O Brexit é apenas o princípio...


Um país de desmiolados indigentes e corruptos, ou... de Espanha, nem bom vento, nem bom casamento? O Brexit, a fragmentação da UE, o recauchutado eixo franco-alemão, e a mania centralista de Madrid podem ter ditado o fim das ligações ferroviárias AV com Espanha... As Low Cost e a TAP agradecem! A próxima vaga de camiões elétricos, as trotinetes GPS, os drones e os quadricópteros pesados, também. Mas sobretudo agradecem os portos portugueses e as novas frotas de navios de cabotagem que acudirão ao desmembramento nacional-populista da UE.

Sempre escrevi que a rede AV espanhola cometera um pecado mortal: fazer de Madrid o hub de toda a península ibérica. Tudo e todos têm que passar por Madrid, segundo a massa cinzenta da Moncloa. Pois não, Portugal não tem que passar por Madrid, sobretudo quando o Atlântico volta a ganhar protagonismo perante o colapso do eixo franco-alemão.

Lisboa e Porto, sim, serão hubs europeus nas ligações futuras de uma parte importante da Europa Ocidental com a África subsariana e o continente americano.

Os meus amigos defensores das redes transeuropeias de transportes, sobretudo ferroviários, estão a esquecer-se de alguns pormenores estratégicos em vias de voltarem a ser questões estratégicas da maior importância para o nosso país.

Quando for possível transportar mercadorias para França e resto da Europa sem passar primeiro por Madrid, então sim, haverá condições para avançar nas ligações ibéricas do TGV.

Vale a pena ler cada palavra desta notícia publicada no El Diario.es de 20/11/2018:

El primer ministro Costa pide tiempo para AVE Portugal-España, que puede no ser el Lisboa-Madrid. El PSOE responde que es prioritaria e innegociable la alta velocidad por Badajoz. 
El primer ministro de Portugal, António Costa, creen "hay que dar tiempo al tiempo" para que la inserción de Portugal en la red de alta velocidad en la Península Ibérica se haga realidad "y no necesariamente en esa conexión de Lisboa-Madrid, tal vez por otros caminos a los que necesitamos llegar más deprisa". 
En una entrevista con Efe, Costa señala que pese a las "excelentes" relaciones bilaterales, hay viejos proyectos pendientes, como el AVE (tren de alta velocidad) entre Lisboa y Madrid, que está todavía muy lejos. 
"Ese es un tema tabú en Portugal", admite el primer ministro luso en vísperas de la cumbre hispano-lusa donde se reunirá este miércoles con Pedro Sánchez en Valladolid
"Es un tema que divide y está muy politizado, no hay consenso", señaló Costa, que añade que "seguramente no sea en esta legislatura. Dudo que sea en la próxima", aventuró el líder socialista luso, para quien es prioritario consolidar la recuperación económica y generar un nuevo consenso sobre inversiones. 
"Después ya habrá tiempo para retomar ese debate en el futuro", concluyó.
Considera que la "prioridad" en las relaciones con España debe ser "el desarrollo de una relación transfronteriza" que impulse la economía de estas regiones.

segunda-feira, novembro 19, 2018

Os demagogos, outra vez

Steve Bannon, o populista assumido que colocou Trump à frente de um império

O tempo da democracia morreu


Todos parecem reclamar o tempo dos sabres. Não tardará :(

“The public discussion prompted by the (dis)invitation confirmed to me that only those safe from fascism and its practices are likely to think that there might be a benefit in exchanging ideas with fascists. What for such a privileged group is a matter of a potentially productive difference in opinion is, for many of us, a matter of basic survival. The essential quality of fascism (and its attendant racism) is that it kills people and destroys their lives—and it does so because it openly aims so. 
[...] 
It is frightening to think we could be entering the civil war mode, wherein none of the differences and disagreements can be hashed out in discussion. It is quite possible that there is no resolution to the present situation until one side is thoroughly destroyed as an ideological power and political entity. If that is the case, the inescapable struggle requires that anti-fascist forces clearly identify the enemy and commit to defeating them, whoever they are, whatever it takes.”
—in “Fascism is Not an Idea to Be Debated, It’s a Set of Actions to Fight”, By  Aleksandar Hemon. Literary Hub.

A guerra é a continuação da diferença por outros meios. Mas a democracia não é igual ao fascismo. Logo não deve agir da mesma forma, com a mesma intolerência, sob pena de negar a razão da sua existência. Tudo vai mal quando os demagogos trepam até ao poder pela escada do maniqueísmo, dividindo os povos, e os eleitores, entre bons e maus, exploradores e explorados, civilizados e selvagens, de direita e de esquerda, revolucionários e reacionários, cristãos e muçulmanos, católicos e judeus, crentes e ateus, esmagando, por este caminho de loucura e ódio, os que duvidam, os agnósticos, e quem anseia por compreender, negociar e estabelecer leis razoáveis para todos. A armadilha da barbárie foi outra vez lançada aos ingénuos e distraídos, até que seja tarde demais para emendar a mão, como um dia aconteceu à Jugoslávia. A Espanha, aqui ao lado, nunca esteve tão perto doutra guerra civil. E nós, pequenos idiotas preguiçosos do extremo ocidental da Europa, que vamos querer?

Repete-se um pouco por toda a parte a ideia de que a democracia e a liberdade não são para os fascistas, como a senhora Le Pen, ou o vivaço Steve Bannon, nem para os que gostam de touradas e de caçar pombos, faisões e lebres, nem para os machos incontinentes que marcham como pirilampos cegos em direção às raparigas, nem para os leitores do Observador. Esta lógica, porém, se não for desmontada com argumentos sérios, levar-nos-à rapidamente ao colapso da separação de poderes, à discricionaridade do poder de turno, e à guerra civil assim que o pão faltar à maioria. Sem liberdade democrática e estado de direito para as minorias, mas também para as maiorias, as perseguições tumultuárias, politicamente corretas, que hoje vemos destruir pessoas, coletivos e consensos ideológicos, como se tivessem sido subitamente atacados pelo ébola, voltar-se-ão contra os gays e lésbicas, judeus e muçulmanos, e o que resta dos comunistas e a extrema esquerda urbana pequeno-burguesa que vive e se reproduz nos ambientes académicos. Valerá pois a pena, em mais uma curva perigosa da civilização humana, discutir filosoficamente a natureza do capitalismo e a ideia de democracia.

NOTA

Em outubro passado conheci no Porto um professor de filosofia, inglês, de origem irlandesa, chamado Jonathan Lahey Dronsfield. Deste encontro ficou um artigo que me enviou para ler: “The paradoxes of democracy: postwar american art and U.S foreign policy”. Trata-se dum ensaio, historicamente ancorado e bem argumentado, sobre o envolvimento de Washington na promoção da arte moderna americana, no rescaldo da derrota da Alemanha de Hitler, e da subsequente substituição do império britânico pelo novo e pujante império americano. Esta primeira ação de uma estratégia de propaganda que viria a ser conhecida mais tarde como soft power leva Dronsflied a fazer uma pergunta:

—“in what way can it be said that democracy translates across borders”?

O artigo analisa as contradições que acabaram por aflorar na prossecução das ações psicológicas do novo poderio americano, seja para contrariar o discurso marxista oriundo da então União Soviética comandada por um dos grandes vencedores da guerra, José Estaline, seja para demonstrar culturalmente a superioridade da democracia capitalista americana. A grande questão foi então a de saber se a arte moderna contribuiria ou não para promover os interesses da América no mundo, isto é, saber se a arte moderna era democrática ou, pelo contrário, anti-democrática! Com alguns senadores Republicanos contra a arte moderna, a promoção da supremacia cultural da democracia liberal passaria, afinal, por evitar uma discussão pública no Senado, optando-se por uma verdadeira operação encoberta:  “In order to encourage openness we had to be secret” — Tom Braden (1950).

Escreve Dronsfield:

“... Tom Braden, who headed up the CIA’s first covert operation division in 1950, explained why the U.S. government felt it important to promote U.S. culture as an expression of individual freedom:
We wanted to unite all the people who were artists, who were writers, who were musicians, and all the people who follow those people, to demonstrate that the West and the United States was devoted to freedom of expression and to intellectual achievement, without any rigid barriers as to what you must paint [Braden’s emphasis], which was what was going on in the Soviet Union.”
Mais à frente:

“In a fundamental sense, then, democracy calls for the anti-democratic gesture. If we agree with Derrida, when he says of democracy that it is “the only system, the only constitutional paradigm, in which, in principle, one has or assumes the right to criticize everything publicly”, then democracy itself must be included in that which can be put into question: the idea of democracy, its concept, its history, and its name. Including the idea of the constitutional paradigm and the absolute authority of the law.

It is as if democracy is not democracy until it has opened itself to the possibility of its own negation, in favor of a transformation into another democracy, what Derrida calls a “democracy to come”. This is what Derrida means by “the double bind” of the threat to democracy being the chance for democracy, “its chance and its fragility”.

[...]

Democracy too needs representational space. After all, it is the space of the election of representatives of the people. In de-figuring that space, art can de-figure democracy. To this extent Dondero is right. However, art can also assist democracy in the chance given by the threat that it, democracy, makes possible. Art can both put democracy into question, and provide a glimpse of the democracy possible through the transformative effect of responding to that threat.”

Divirgo neste ponto da generalização de Dronsfield. Na verdade, a representação continua a ser uma das condições constitutivas do poder. E se à arte moderna foi possível desfigurar tal representação, e até caminhar em direção à abstração, tal ficou a dever-se à própria morte da arte tal como a descreveu Hegel, ou à extinção deste dever de obediência iconológica, se preferirmos lembrar a libertação kantiana dos deveres de representação. Na realidade, o capitalismo e o novo poder viriam a encontrar nas montras dos grandes armazéns, na ilustração litográfica e na fotografia, no cinema, na rádio, e na televisão, os meios de propaganda que a pintura e a escultura tradicionais já não podiam preencher, por falta de objetividade, e sobretudo pela sua fraca reprodutibilidade em sociedades cada vez mais laicas e urbanizadas. O paradigma descoberto por Walter Benjamin explica a irrelevância, do ponto de vista do capitalismo democrático americano, do problema da figuração versus abstração na pintura e na escultura modernas. Em suma, o noema (Roland Barthes) dos novos meios tecnológicos de representação substituiu a necessidade da alegoria pictorial. A pintura poderia ser o que quisesse, abstração minimal, ou banda desenhada. O poder do capitalismo industrial, financeiro, comercial e democrático tornou-se imune aos artistas, ao contrário do que continuaria e ainda é o caso em todas as autocracias e despotismos pré-democráticos, onde o capitalismo quando surge assume, por assim dizer, uma deformação indelével, que não atenua, salvo se houver uma revolução democrática.

Como acabaria por escrever no comentário que enviei por email ao Jonathan,

“Representational space” needed by political power as propaganda, or ideological representation, migrated from traditional arts (philosophy, literature, painting, sculpture, and music) to photography, radio, cinema, tv, internet, that is, to information, mass communication and technological media.

sexta-feira, novembro 16, 2018

Tourada socialista



Surgiu a primeira linha vermelha na Geringonça


Já imaginaram uma revolta eleitoral anti-PS, de Santarém à Graciosa, passando por

Alcácer do Sal,
Alcochete,
Almeirim,
Barrancos
Beja,
Cartaxo,
Coruche,
Évora,
Lisboa,
Moita do Ribatejo,
Montijo,
Santarém,
Setúbal,
Vila Franca de Xira,

já para não falar dos aficionados açorianos da Terceira? É só consultar a lista de mais de 80 praças de toiros, e perceber o que levou Carlos César a liderar uma revolta parlamentar cujas consequências estão longe de serem conhecidas. Para já, pode dizer-se que depois de Costa não virá o vazio...



Em causa está uma afronta directa do grupo parlamentar ao Governo, mas em especial à ministra da Cultura, que defendeu a não descida do IVA para as touradas como uma "questão civilizacional", e ao próprio primeiro-ministro, que defendeu Graça Fonseca em toda a linha. Carlos César anunciou nesta quinta-feira que o partido vai propor uma alteração ao OE que baixa o IVA das touradas para os 6%, à semelhança do que propõe o Governo para espectáculos culturais. O líder parlamentar é, aliás, o primeiro subscritor.  
Público 


Há duas maneiras de salvar as faces rosadas de ambos (César e Costa):
  1. equalizar o IVA dos espetáculos culturais, não abrindo portanto uma exceção para as touradas;
  2. ou a demissão da ministra da cultura, pois os argumentos (civilizacionais!!!) que esta invocou para uma medida fiscal discriminatória negativa são inconstitucionais.
Com a Europa de Merkel em desagregação, há que estar bem atento ao que se passa por cá.

PS: foi delicioso observar ontem a atrapalhação de Mariana Mortágua na discussão deste tema com o sempre brilhante Adolfo Mesquita Nunes. A sombra de Salvaterra de Magos, mas sobretudo as nuvens negras que começam a pairar sobre a desejada coligação governamental com António Costa aumentaram sem remédio a gaguez sorridente da dirigente de topo do Bloco. 

terça-feira, novembro 13, 2018

Colombo e os novos talibãs

O que resta das tribos índias nos Estados Unidos é uma mole humana indigente

Quem exterminou e imbecilizou o que resta das tribos índias dos Estados Unidos?


A história politicamente correta é uma história de pernas para o ar, e sobretudo autoritária.

Não foi Cristóvão Colombo quem criou e manteve a escravatura dos negros até ao fim da guerra civil americana, e deu depois largas a um racismo institucional contra os negros—escravizados nos estados do sul, e sobre-explorados nos estados do norte durante a industrialização.

Não foi Cristóvão Colombo que iniciou ou promoveu o genocídio dos índios americanos dos EUA, mantendo os sobreviventes em 'reservas' antropológicas, como se fossem animais em jardins zoológicos.

Lembram-se dos talibãs a rebentarem com explosivos e marretas estátuas milenares? A barbárie regressou, sob o disfarce hipócrita da 'reparação histórica' e das ideologias politicamente corretas que mais não são que atos falhados de um sentimento de culpa coletivo não exorcizado.

Numa análise mais fina deste episódio caricato da remoção de uma estátua medíocre de Cristóvão Colombo na Ciudad de Los Angeles, cidade outrora espanhola, e depois mexicana, que os Yankees conquistaram, num vasto território chamado Califórnia, habitado por tribos índias que os mesmos ianques, e não Cristóvão Colombo, nem os espanhóis, nem sequer os mexicanos, dizimaram, celebrando posteriormente o genocídio de forma canibal na cinematografia de Hollywood, há quem sugira tratar-se de mais uma tentativa de apagar a memória hispânica da região.

Acontece, porém, que as famílias americanas de origem protestante e puritana, as mais ricas, estão em declínio demográfico, ao contrário das populações de origem hispânica, portuguesa e italiana que habitam toda a América, do México para sul, e continuam a crescer nos Estados Unidos. Instrumentalizar os pobres índios que restam para colaborarem em manobras de mistificação  histórica é um sinal mais da decadência de um império que durará, afinal, pouco mais de cem anos.

Nem o primeiro e único presidente negro americano, Barak Obama, conseguiu mudar o racismo empedernido de milhões de americanos brancos. Esta é a verdade nua e crua que importa reter quando observamos e analisamos episódios populistas como este.

A raiva aos judeus, outra vez...


A Jewish family pauses in front of a memorial for victims of the mass shooting that killed 11 people at the Tree of Life synagogue in Pittsburgh, Oct. 29, 2018. (Jeff Swensen/Getty Images) [cropped]

“Os missionários da Cristandade disseram: Vocês não têm o direito de viver entre nós como judeus; Os chefes laicos proclamaram: Vocês não têm o direito de viver entre nós; Os nazis alemães no fim decretaram: Vocês não têm o direito de viver.” 
A solidão crescente da Estátua da Liberdade
Esther Mucznik. Público, 12 de Novembro de 2018, 6:45

“President Trump, your words, your policies, and your party have emboldened a growing white nationalist movement,” the petition says. “The violence against Jews in Pittsburgh is the direct culmination of your influence.” 
How the Pittsburgh massacre is driving American Jews apart
By Ron Kampeas. Jewish Telegraphic Letter, October 30, 2018 5:22pm

A nova ascensão da xenofobia, do radicalismo religioso e do anti-semitismo é uma consequência direta de uma nova guerra global pelos recursos que fazem a diferença no bem-estar das nações.

Os perigos desta escalada são agora, porém, maiores do que nos anos 30 (ascensão do anti-semitismo nazi na Alemanha, Áustria e Polónia) do século passado, ou do que no primeiro quartel do século 20 (sobretudo na Rússia, Ucrânia e Polónia).

As razões deste perigo maior são fáceis de entender:

  1. a luta mundial pela energia e pelos recursos naturais imprescindíveis ao bem-estar criado ao longos dos últimos 200 anos não tem uma horizonte de propsperidade pela frente, mas sim de declínio geral da riqueza, empobrecimento das classes médias que suportam as democracias, envelhecimento das populações e recessão, seguida de depressão e depois declínio demográfico absoluto, a partir de 2100, se não antes;
  2. desta vez, os judeus têm em sua defesa um estado fortemente armado para uma mais do que provável guerra assimétrica global, onde a sofisticação tecnológica ditará as primeiras vitórias e um novo status quo... ou a aniquilação da civilização tal qual a conhecemos hoje. 
A chachina de Pittsburgh, antiga cidade industrial americana reconvertida às novas tecnologias durante a década de 80 do século pasado, é certamente mais um mau presságio do que nos espera. Entre outros motivos, porque ameaça dividir a comunidade judaica americana, a maior do mundo (5,7 milhões) depois do Estado de Israel (6,1 milhões).

:(