sábado, dezembro 22, 2018

Coletes e sorrisos amarelos


A três dias do Natal. Percebe?


Foi uma espécie de ensaio geral. Governo, deputados e Marcelo sossegaram, sorriram e foram até magnânimos. O seu otimismo arrogante e populista joga paradoxalmente a favor da revolta cidadã que, aparentemente, começou hoje em todo o país, apesar do seu manifesto fracasso. Não estamos já na presença de uma geração à rasca, mas de um país à rasca, farto da corrupção, da ladroagem pública e da impunidade de banqueiros e políticos, porém sem liderança, nem energia.

Em França os coletes amarelos surgiram depois de o sistema partidário tradicional ter implodido, abrindo clareiras para três novas forças radicais: Frente Nacional, França Insubmissa e Macron. Em Portugal, nada aconteceu ainda ao nosso anafado e corrupto sistema partidário. Esta diferença é crucial para percebermos o flop do Vamos Parar Portugal. O amadorismo da iniciativa é evidente, nomeadamente na falta de um objetivo unificador claro, e ainda na ingenuidade de convocar uma manifestação agressiva nacional a três dias da Consoada e já com o décimo terceiro mês no bolso! Como se isto não bastasse, o Governo tem vindo a endividar-se à maluca dando tudo a todos, corroendo assim a infraestrutura material e humana do país. A economia continua, por outro lado e ainda, a beneficiar de enormes influxos de capital estrangeiro, receitas do turismo e remessas de centenas de milhar de novos e jovens emigrantes (milhares de milhões de euros por ano), com a decorrente melhoria do ambiente produtivo, laboral e económico, também do outro lado do funcionalismo público. Este, por sua vez, apesar de apaparicado em permanência pela Geringonça, é quem, afinal, agita semanalmente o país com greves e perturbações laborais. Mostrar o papão da extrema-direita, nomeadamente a propósito deste não acontecimento, mostra à evidência o cinismo da classe político-partidária instalada, mas também o estado zombie da maioria envelhecida da população. Portugal encontra-se indefeso perante a invasão pacífica, financeira e humana, em curso. As elites indígenas, na sua infinita preguiça e estupidez, têm o destino traçado: vender o corpo e a alma ao invasor, sem rebuço.

Os coletes amarelos lusitanos deveriam ter reclamado uma e uma só medida ao poder instalado: introduzir na Constituição portuguesa a figura do RIC - Referendo de Iniciativa Cidadã. Sem mudarmos o quadro constitucional na direção de um verdadeiro reforço da democracia participativa, sem acabarmos com o sufoco partidário que tudo controla e corrompe, as movimentações de rua servirão para alertar os políticos da sua falsa segurança e poder, mas não chegarão para mudar o regime, e é de uma mudança de regime que precisamos como de pão para a boca! Os atuais orçamentos participativos municipais são uma caricatura populista da democracia participativa que queremos.

Marcelo, ufano, confunde democracia com demagogia, e continua a sofrer de uma enorme miopia face à grande corrupção. Prefere, como temos visto, andar atrás dos pilha-galinhas de Tancos. Chama-se a isto mostrar serviço!

quinta-feira, dezembro 13, 2018

Joana 1, Serralves 0

Illustration by Paul Ryding for POLITICO

Uma artista síncrona com o seu tempo político e cultural


Joana Vasconcelos tem vindo a vencer a muralha de silêncio e piadinhas que erigiram contra ela. Desde que a conheço, não sei porquê, há uma elite indígena que detesta esta artista. Sempre vi nela uma profissional determinada, corajosa e comprometida com agendas ideológicas claras. Por exemplo, os direitos das mulheres, também nas artes. A antítese, portanto, dos artistas que pintam, fotografam e instalam por revista. Como artista prolífica que sempre foi, tem uma enorme produção. Peças como Sofá Aspirina (1997), Cama Valium (1998), o lustre construído com tampões de menstruação a que chamou A Noiva (2001-2005), a extraordinária Burka (2002) que vi ascender como Nossa Senhora ao teto do recém inaugurado MUSAC, e cair depois redonda no chão como uma puta apedrejada, Valquíria #1 (2004) e Pantelmina #3 (2004), Coração Independente Dourado (2004)—seguramente, uma das mais inteligentes, irónicas, e tocantes obras de arte produzidas na Europa na primeira década deste século—, a série Sapatos (2007-2010)—onde uma vez mais Gata Borralheira e Cindera dançam de forma sublime um sonho de mulher que a escritores como o pedinte literário António Lobo Antunes só pode mesmo distribuir socos—, e ainda a extraordinária Egéria (2018), da série Valquírias, expressamente pensada para o grande hall do Museu Guggenheim de Bilbau, entre outras, chegam e sobram para definir esta ainda jovem portuguesa nascida em Paris, como a mais importante artista do nosso país no primeiro quartel do século 21. Só falta saber porque carga de água, ou miopia de quem, o Museu de Serralves não viu o óbvio. Nunca dedicou uma exposição individual a Joana Vasconcelos, e a que no próximo mês de fevereiro irá ter lugar, depois de desalojar dois diretores da instituição (Suzanne Cotter e João Ribas), é o desfecho de um longo e silencioso combate que Joana venceu sem ruído e grande elegância. Mais grave ainda, o Museu de Serralves nunca lhe comprou uma obra de arte, até hoje. Agora, que tem menos dinheiro, e as obras de Joana Vasconcelos se cotizam sob a batuta de François-Henry Pinault, vai sair mais caro. Já agora, quantas obras comprou Serralves ao muito datado e nada original fotógrafo Robert Mapplethorpe? Quanto custou a centena e meia de aquisições da polémica exposição que ainda podemos espreitar neste museu portuense?

Joana Vasconcelos
THE VALKYRIE
Politico 
If you could reform one thing about the EU, what would it be?
“First I would change the fact that women don’t earn the same as men. I would make the human rights regarding women the first thing. Then I would change the politics toward immigrants.” 
Tell us something surprising about yourself.
“I’m an artist, but I could have been a karate teacher.” (She’s a 3 dan black belt.) 
What is the biggest loss the EU faces as a result of Brexit?
“The freedom of cultural speech and cultural movement. If we lose that we lose what makes us unique among the other continents.”

JOANA VASCONCELOS/JN: o Papa Francisco é atualmente a pessoa que mais admira e que poderia ter sido professora de Karaté, se não fosse artista. Acrescenta que gostaria de mudar os direitos dos imigrantes e das mulheres. E deixa uma declaração a propósito do Brexit: "Se perdermos a liberdade do discurso cultural, perdemos o que nos torna únicos entre os outros continentes." - Jornal de Notícias.


quarta-feira, dezembro 05, 2018

Las Bejas?

Casino.Org: Elysium City promises to put Spain’s “La Siberia” on the map. Despite having no major cities, airports, or rail connections nearby, a former Disney executive believes he can make it work. (Image: Cora Global)

A construção e novas cidades deixou de fazer sentido, exceto em África


A ideia por mim lançada em 2012 (1) era para Beja: Las Bejas! Ninguém ligou (o pessoal só pensa no OE). Porém, a recém anunciada Elysium City (2), por uma obscura empresa criada em 2015 em Orange, Califórnia (a Cora Global, dum tal John Cora), será provavelmente mais uma tentativa falhada de trazer uma réplica de Las Vegas para a Europa. Em Espanha, houve já duas animações 3D que deram em nada: a Las Vegas de Madrid e a Las Vegas de Barcelona. Castilblanco, o pueblo escolhido para Elysium, fica na Extremadura, a 139Km de Ciudad Real; a 100Km de Talavera de la Reina, a 218Km de Madrid, e a 430Km de Lisboa. Nenhum aeroporto por perto. Parece-me, pois, outro castelo de bits para entreteter um poder político cada vez mais atrofiado e sem ideias.

Depois da ascensão à dignidade parlamentar dum partido populista de extrema esquerda, financiado pelos dois últimos ditadores folclóricos da Venezuela, a Espanha vê-se agora confrontada com a inevitável réplica: a ascensão, cada vez mais preocupante, de uma extrema direita populista suportada pelos votos que se irão paulatinamente desviar do Podemos e do PP para a Vox. A queda de Andaluzia é um sinal claro de que se as esquerdas, uma vez implodido o centro partidário, nada têm para oferecer aos povos para além da austeridade, das agendas fraturantes, e da corrupção, então as classes médias empobrecidas acabarão por eleger novos regimes de autoridade. Necessariamente violentos e retrógrados? Não sabemos. A China, Singapura, e o Vietname, são regimes autoritários, e a democracia no Japão nada tem que ver com as democracias ocidentais. Porém, são economias prósperas, e as pessoas parecem conformadas.

As democracias ocidentais têm um enorme problema civilizacional pela frente, e não são as touradas. Este desafio chama-se fim de uma era de prosperidade assente em energias baratas, cuja primeira consequência grave é a contração demográfica e o envelhecimento das populações associado ao aumento da esperança de vida. Também por isto, a criação de novas cidades, ou apostas em novas e caríssimas infraestruturas, são ideias que começam a perder todo o sentido. O Portugal da Mota-Engil, tal como a Espanha da Acciona, FCC, Ferrovial, Sacyr e San Jose, correspondem a um modelo de desenvolvimento esgotado. O futuro na Europa e em geral nas cidades desenvolvidas de todo o mundo chama-se gentrificação, ou seja, reordenar a ocupação humana das cidades, sobretudo dos centros das aglomerações urbanas de média, grande e muito grande dimensão. O contrário, portanto, da suburbanização, que marcou boa parte da economia da construção de edifícios e sistemas de transportes durante os últimos sessenta anos.

A ideia de construir parques temáticos e tecnológicos fora das cidades deixou, pois, de fazer sentido. As novas disneilândias e os novos silicon valleys começam a nascer do próprio processo de gentrificação acelerada em curso em inúmeras cidades por esse mundo fora, incluindo Portugal. Percebi isto mesmo quando visitei pela primeira a cidade de Praga. Foi provavelmente ali que a fantasia urbana de Walt Disney nasceu. Mas enquanto a milenar Praga tem condições geográficas e estruturais para prosseguir a sua vida, e portanto incorporar no seu espaço-tempo um processo mais ou menos duradouro de disneificação, o mesmo não ocorrerá à Disneilândia, cujo futuro antevejo breve.

Las Bejas não será pois viável no tempo pós-contemporâneo de que fazemos parte desde 1993, o ano em que teve início Web. O que escrevi sobre esta fantasia, em 2012 e 2016, não tem futuro, tal como não tem futuro a terceira tentativa de vender ao povo uma cidade-casino na Extremadura espanhola.


NOTAS
  1. Pastel de Nata (2012), Lóbi do novo aeroporto não desiste! (2012); Macau: faites vos jeux (2016)
  2. Rádio Renascença 04 dez, 2018 - 08:57
    A Las Vegas europeia chegará a Badajoz em 2023
    Há uma nova tentativa de construir a próxima “Las Vegas europeia” na região da Estremadura espanhola, onde outro projeto semelhante foi frustrado no último verão, segundo avança o jornal "El País".
    A filial espanhola do grupo norte-americano Cora Global apresentou um megaempreendimento denominado “Elysium City”, em Castilblanco, perto de Badajoz, com um investimento previsto de 3.500 milhões de euros. A primeira cidade inteligente espanhola terá casinos, hotéis, vivendas, um centro comercial, uma marina e até mesmo um estádio.
    O promotor do novo projeto é o empresário John Cora, que trabalhou durante 30 anos na Walt Disney Company e foi vice-presidente dos parques temáticos da Disney. O empresário - como o próprio recordou na apresentação feita em Mérida perante Guillermo Fernández Vara, presidente da região da Estremadura - foi o principal defensor da construção da EuroDisney em Espanha, um parque temático que foi finalmente construído em Paris.

segunda-feira, dezembro 03, 2018

Menos propaganda!

World Bank - Portugal, GNI per capita

Mais gráficos e menos conversa podem ajudar a ultrapassar a ansiedade


Dados essenciais para compreender o que se passa em Portugal:

DEMOGRAFIA — regredimos até ao ano 2000 (o pico demográfico foi atingido em 2010, com 10,573 milhões de habitantes, caindo para 10,294 milhões, em 2017).

CRESCIMENTO — apesar da tímida recuperação iniciada a partir de 2014, o PIB encontrava-se em 2017 nos 217,6 mil milhões de dólares, que comparam com 240,17 mil milhões de 2007. Estas duas cifras ilustram a famosa 'década perdida'.

DÍVIDA PÚBLICA — 62,9 mil milhões de euros em 2000; 249 mil milhões em 2017.

* Enquanto o crescimento quase duplicou entre 2000 e 2017; a dívida pública quase quadriplicou. Quer dizer, o crescimento foi de tal modo alavancado em dívida (pública e privada) que, bastou o colapso financeiro mundial de 2008 e a grande recessão que se lhe seguiu, para encostar o país à bancarrota. Desde então vivemos apertados por um cinturão de credores a que não conseguimos escapar. Boa parte da economia deste século, afinal fictícia, faliu, e as suas marcas foram parar a mãos estrangeiras.

RENDIMENTO ANUAL 'PER CAPITA' — andámos 12 anos para trás: 19.820 USD, em 2017; 22.960, em 2010; 19.330, em 2006.

ENSINO: nos útimos 17 anos perdemos 17 mil estudantes no Ensino Primário. Sem olharmos para este declínio com olhos de ver não percebemos a bagunça que reina no setor nem o egoísmo sindical.

ESPERANÇA DE VIDA — 81 anos, em 2017; 78 anos, em 2006; 68 anos, em 1974.

Temos, assim três problemas graves pela frente: 1) envelhecimento, 2) regressão demográfica e 3) um estado partidocrático, burocrático, fiscalmente agressivo, politicamente prepotente e socialmente insustentável.

Soluções prioritárias:

1) simplificar o estado e as leis, tornando a administração pública mais leve e eficiente;

2) diminuir a omnipresença partidária na sociedade;

3) diminuir os impostos sobre as empresas e sobre o trabalho;

4) atacar a corrupção e o nepotismo, favorecendo a transparência de processos e o mérito;

5) desenvolver uma verdadeira indústria de recursos humanos, através de parcerias privilegiadas com os países de língua oficial portuguesa: Brasil, Angola, Cabo Verde, São tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor-Leste;

6) reforçar a estratégia atlântica, nomeadamente com o Reino Unido e a Irlanda, e os continentes africano e americano, diversificando ao mesmo tempo as nossas relações comerciais e culturais com os países da Ásia (China, Índia, Japão, Indonésia, etc.)

domingo, dezembro 02, 2018

A IV Revolução Informática

The first prototype of a computer mouse, as designed by Bill English from Douglas Engelbart's sketches. Wikipedia


The Mother of All Demos


A revolução de Douglas Engelbart, Alan Kay, Steve Wozniak, Steve Jobs, Paul Allen, etc., que deu à Microsoft e à Apple, e mais tarde, à Amazon, à Google e ao Facebook, todo o poder de que ainda dispõem, aproxima-se de uma nova fase: a computação quântica. Ou seja, caminhamos rapidamente para a IV Revolução Informática. As que a precederam foram: I - Mainframe computers; II - Personal computers; III - Internet.

O Maio de 68 em Paris não produziu nada de novo para a humanidade, mas The Mother of All Demos, apresentada em São Francisco, em 9 de dezembro de 1968, sim.

On December 9th, 1968 Doug Engelbart appeared on stage at the Fall Joint Computer Conference in San Francisco's Civic Auditorium to give his slated presentation, titled "A Research Center for Augmenting Human Intellect." He and his team spent the next 90 minutes not only telling about their work, but demonstrating it live to a spellbound audience that filled the hall. 
Instead of standing at a podium, Doug was seated at a custom designed console, where he drove the presentation through their NLS computer residing 30 miles away in his research lab at Stanford Research Institute (SRI), onto a large projection screen overhead, flipping seamlessly between his presentation outline and live demo of features, while members of his research lab video teleconferenced in from SRI in shared screen mode to demonstrate more of the system. 
This seminal demonstration came to be known as "The Mother of All Demos." 
Doug Engelbart Institute/ Doug's Great Demo: 1968


ver mais...

quarta-feira, novembro 21, 2018

De Espanha...

São 'socialistas', mas...

O Brexit é apenas o princípio...


Um país de desmiolados indigentes e corruptos, ou... de Espanha, nem bom vento, nem bom casamento? O Brexit, a fragmentação da UE, o recauchutado eixo franco-alemão, e a mania centralista de Madrid podem ter ditado o fim das ligações ferroviárias AV com Espanha... As Low Cost e a TAP agradecem! A próxima vaga de camiões elétricos, as trotinetes GPS, os drones e os quadricópteros pesados, também. Mas sobretudo agradecem os portos portugueses e as novas frotas de navios de cabotagem que acudirão ao desmembramento nacional-populista da UE.

Sempre escrevi que a rede AV espanhola cometera um pecado mortal: fazer de Madrid o hub de toda a península ibérica. Tudo e todos têm que passar por Madrid, segundo a massa cinzenta da Moncloa. Pois não, Portugal não tem que passar por Madrid, sobretudo quando o Atlântico volta a ganhar protagonismo perante o colapso do eixo franco-alemão.

Lisboa e Porto, sim, serão hubs europeus nas ligações futuras de uma parte importante da Europa Ocidental com a África subsariana e o continente americano.

Os meus amigos defensores das redes transeuropeias de transportes, sobretudo ferroviários, estão a esquecer-se de alguns pormenores estratégicos em vias de voltarem a ser questões estratégicas da maior importância para o nosso país.

Quando for possível transportar mercadorias para França e resto da Europa sem passar primeiro por Madrid, então sim, haverá condições para avançar nas ligações ibéricas do TGV.

Vale a pena ler cada palavra desta notícia publicada no El Diario.es de 20/11/2018:

El primer ministro Costa pide tiempo para AVE Portugal-España, que puede no ser el Lisboa-Madrid. El PSOE responde que es prioritaria e innegociable la alta velocidad por Badajoz. 
El primer ministro de Portugal, António Costa, creen "hay que dar tiempo al tiempo" para que la inserción de Portugal en la red de alta velocidad en la Península Ibérica se haga realidad "y no necesariamente en esa conexión de Lisboa-Madrid, tal vez por otros caminos a los que necesitamos llegar más deprisa". 
En una entrevista con Efe, Costa señala que pese a las "excelentes" relaciones bilaterales, hay viejos proyectos pendientes, como el AVE (tren de alta velocidad) entre Lisboa y Madrid, que está todavía muy lejos. 
"Ese es un tema tabú en Portugal", admite el primer ministro luso en vísperas de la cumbre hispano-lusa donde se reunirá este miércoles con Pedro Sánchez en Valladolid
"Es un tema que divide y está muy politizado, no hay consenso", señaló Costa, que añade que "seguramente no sea en esta legislatura. Dudo que sea en la próxima", aventuró el líder socialista luso, para quien es prioritario consolidar la recuperación económica y generar un nuevo consenso sobre inversiones. 
"Después ya habrá tiempo para retomar ese debate en el futuro", concluyó.
Considera que la "prioridad" en las relaciones con España debe ser "el desarrollo de una relación transfronteriza" que impulse la economía de estas regiones.

segunda-feira, novembro 19, 2018

Os demagogos, outra vez

Steve Bannon, o populista assumido que colocou Trump à frente de um império

O tempo da democracia morreu


Todos parecem reclamar o tempo dos sabres. Não tardará :(

“The public discussion prompted by the (dis)invitation confirmed to me that only those safe from fascism and its practices are likely to think that there might be a benefit in exchanging ideas with fascists. What for such a privileged group is a matter of a potentially productive difference in opinion is, for many of us, a matter of basic survival. The essential quality of fascism (and its attendant racism) is that it kills people and destroys their lives—and it does so because it openly aims so. 
[...] 
It is frightening to think we could be entering the civil war mode, wherein none of the differences and disagreements can be hashed out in discussion. It is quite possible that there is no resolution to the present situation until one side is thoroughly destroyed as an ideological power and political entity. If that is the case, the inescapable struggle requires that anti-fascist forces clearly identify the enemy and commit to defeating them, whoever they are, whatever it takes.”
—in “Fascism is Not an Idea to Be Debated, It’s a Set of Actions to Fight”, By  Aleksandar Hemon. Literary Hub.

A guerra é a continuação da diferença por outros meios. Mas a democracia não é igual ao fascismo. Logo não deve agir da mesma forma, com a mesma intolerência, sob pena de negar a razão da sua existência. Tudo vai mal quando os demagogos trepam até ao poder pela escada do maniqueísmo, dividindo os povos, e os eleitores, entre bons e maus, exploradores e explorados, civilizados e selvagens, de direita e de esquerda, revolucionários e reacionários, cristãos e muçulmanos, católicos e judeus, crentes e ateus, esmagando, por este caminho de loucura e ódio, os que duvidam, os agnósticos, e quem anseia por compreender, negociar e estabelecer leis razoáveis para todos. A armadilha da barbárie foi outra vez lançada aos ingénuos e distraídos, até que seja tarde demais para emendar a mão, como um dia aconteceu à Jugoslávia. A Espanha, aqui ao lado, nunca esteve tão perto doutra guerra civil. E nós, pequenos idiotas preguiçosos do extremo ocidental da Europa, que vamos querer?

Repete-se um pouco por toda a parte a ideia de que a democracia e a liberdade não são para os fascistas, como a senhora Le Pen, ou o vivaço Steve Bannon, nem para os que gostam de touradas e de caçar pombos, faisões e lebres, nem para os machos incontinentes que marcham como pirilampos cegos em direção às raparigas, nem para os leitores do Observador. Esta lógica, porém, se não for desmontada com argumentos sérios, levar-nos-à rapidamente ao colapso da separação de poderes, à discricionaridade do poder de turno, e à guerra civil assim que o pão faltar à maioria. Sem liberdade democrática e estado de direito para as minorias, mas também para as maiorias, as perseguições tumultuárias, politicamente corretas, que hoje vemos destruir pessoas, coletivos e consensos ideológicos, como se tivessem sido subitamente atacados pelo ébola, voltar-se-ão contra os gays e lésbicas, judeus e muçulmanos, e o que resta dos comunistas e a extrema esquerda urbana pequeno-burguesa que vive e se reproduz nos ambientes académicos. Valerá pois a pena, em mais uma curva perigosa da civilização humana, discutir filosoficamente a natureza do capitalismo e a ideia de democracia.

NOTA

Em outubro passado conheci no Porto um professor de filosofia, inglês, de origem irlandesa, chamado Jonathan Lahey Dronsfield. Deste encontro ficou um artigo que me enviou para ler: “The paradoxes of democracy: postwar american art and U.S foreign policy”. Trata-se dum ensaio, historicamente ancorado e bem argumentado, sobre o envolvimento de Washington na promoção da arte moderna americana, no rescaldo da derrota da Alemanha de Hitler, e da subsequente substituição do império britânico pelo novo e pujante império americano. Esta primeira ação de uma estratégia de propaganda que viria a ser conhecida mais tarde como soft power leva Dronsflied a fazer uma pergunta:

—“in what way can it be said that democracy translates across borders”?

O artigo analisa as contradições que acabaram por aflorar na prossecução das ações psicológicas do novo poderio americano, seja para contrariar o discurso marxista oriundo da então União Soviética comandada por um dos grandes vencedores da guerra, José Estaline, seja para demonstrar culturalmente a superioridade da democracia capitalista americana. A grande questão foi então a de saber se a arte moderna contribuiria ou não para promover os interesses da América no mundo, isto é, saber se a arte moderna era democrática ou, pelo contrário, anti-democrática! Com alguns senadores Republicanos contra a arte moderna, a promoção da supremacia cultural da democracia liberal passaria, afinal, por evitar uma discussão pública no Senado, optando-se por uma verdadeira operação encoberta:  “In order to encourage openness we had to be secret” — Tom Braden (1950).

Escreve Dronsfield:

“... Tom Braden, who headed up the CIA’s first covert operation division in 1950, explained why the U.S. government felt it important to promote U.S. culture as an expression of individual freedom:
We wanted to unite all the people who were artists, who were writers, who were musicians, and all the people who follow those people, to demonstrate that the West and the United States was devoted to freedom of expression and to intellectual achievement, without any rigid barriers as to what you must paint [Braden’s emphasis], which was what was going on in the Soviet Union.”
Mais à frente:

“In a fundamental sense, then, democracy calls for the anti-democratic gesture. If we agree with Derrida, when he says of democracy that it is “the only system, the only constitutional paradigm, in which, in principle, one has or assumes the right to criticize everything publicly”, then democracy itself must be included in that which can be put into question: the idea of democracy, its concept, its history, and its name. Including the idea of the constitutional paradigm and the absolute authority of the law.

It is as if democracy is not democracy until it has opened itself to the possibility of its own negation, in favor of a transformation into another democracy, what Derrida calls a “democracy to come”. This is what Derrida means by “the double bind” of the threat to democracy being the chance for democracy, “its chance and its fragility”.

[...]

Democracy too needs representational space. After all, it is the space of the election of representatives of the people. In de-figuring that space, art can de-figure democracy. To this extent Dondero is right. However, art can also assist democracy in the chance given by the threat that it, democracy, makes possible. Art can both put democracy into question, and provide a glimpse of the democracy possible through the transformative effect of responding to that threat.”

Divirgo neste ponto da generalização de Dronsfield. Na verdade, a representação continua a ser uma das condições constitutivas do poder. E se à arte moderna foi possível desfigurar tal representação, e até caminhar em direção à abstração, tal ficou a dever-se à própria morte da arte tal como a descreveu Hegel, ou à extinção deste dever de obediência iconológica, se preferirmos lembrar a libertação kantiana dos deveres de representação. Na realidade, o capitalismo e o novo poder viriam a encontrar nas montras dos grandes armazéns, na ilustração litográfica e na fotografia, no cinema, na rádio, e na televisão, os meios de propaganda que a pintura e a escultura tradicionais já não podiam preencher, por falta de objetividade, e sobretudo pela sua fraca reprodutibilidade em sociedades cada vez mais laicas e urbanizadas. O paradigma descoberto por Walter Benjamin explica a irrelevância, do ponto de vista do capitalismo democrático americano, do problema da figuração versus abstração na pintura e na escultura modernas. Em suma, o noema (Roland Barthes) dos novos meios tecnológicos de representação substituiu a necessidade da alegoria pictorial. A pintura poderia ser o que quisesse, abstração minimal, ou banda desenhada. O poder do capitalismo industrial, financeiro, comercial e democrático tornou-se imune aos artistas, ao contrário do que continuaria e ainda é o caso em todas as autocracias e despotismos pré-democráticos, onde o capitalismo quando surge assume, por assim dizer, uma deformação indelével, que não atenua, salvo se houver uma revolução democrática.

Como acabaria por escrever no comentário que enviei por email ao Jonathan,

“Representational space” needed by political power as propaganda, or ideological representation, migrated from traditional arts (philosophy, literature, painting, sculpture, and music) to photography, radio, cinema, tv, internet, that is, to information, mass communication and technological media.

sexta-feira, novembro 16, 2018

Tourada socialista



Surgiu a primeira linha vermelha na Geringonça


Já imaginaram uma revolta eleitoral anti-PS, de Santarém à Graciosa, passando por

Alcácer do Sal,
Alcochete,
Almeirim,
Barrancos
Beja,
Cartaxo,
Coruche,
Évora,
Lisboa,
Moita do Ribatejo,
Montijo,
Santarém,
Setúbal,
Vila Franca de Xira,

já para não falar dos aficionados açorianos da Terceira? É só consultar a lista de mais de 80 praças de toiros, e perceber o que levou Carlos César a liderar uma revolta parlamentar cujas consequências estão longe de serem conhecidas. Para já, pode dizer-se que depois de Costa não virá o vazio...



Em causa está uma afronta directa do grupo parlamentar ao Governo, mas em especial à ministra da Cultura, que defendeu a não descida do IVA para as touradas como uma "questão civilizacional", e ao próprio primeiro-ministro, que defendeu Graça Fonseca em toda a linha. Carlos César anunciou nesta quinta-feira que o partido vai propor uma alteração ao OE que baixa o IVA das touradas para os 6%, à semelhança do que propõe o Governo para espectáculos culturais. O líder parlamentar é, aliás, o primeiro subscritor.  
Público 


Há duas maneiras de salvar as faces rosadas de ambos (César e Costa):
  1. equalizar o IVA dos espetáculos culturais, não abrindo portanto uma exceção para as touradas;
  2. ou a demissão da ministra da cultura, pois os argumentos (civilizacionais!!!) que esta invocou para uma medida fiscal discriminatória negativa são inconstitucionais.
Com a Europa de Merkel em desagregação, há que estar bem atento ao que se passa por cá.

PS: foi delicioso observar ontem a atrapalhação de Mariana Mortágua na discussão deste tema com o sempre brilhante Adolfo Mesquita Nunes. A sombra de Salvaterra de Magos, mas sobretudo as nuvens negras que começam a pairar sobre a desejada coligação governamental com António Costa aumentaram sem remédio a gaguez sorridente da dirigente de topo do Bloco. 

terça-feira, novembro 13, 2018

Colombo e os novos talibãs

O que resta das tribos índias nos Estados Unidos é uma mole humana indigente

Quem exterminou e imbecilizou o que resta das tribos índias dos Estados Unidos?


A história politicamente correta é uma história de pernas para o ar, e sobretudo autoritária.

Não foi Cristóvão Colombo quem criou e manteve a escravatura dos negros até ao fim da guerra civil americana, e deu depois largas a um racismo institucional contra os negros—escravizados nos estados do sul, e sobre-explorados nos estados do norte durante a industrialização.

Não foi Cristóvão Colombo que iniciou ou promoveu o genocídio dos índios americanos dos EUA, mantendo os sobreviventes em 'reservas' antropológicas, como se fossem animais em jardins zoológicos.

Lembram-se dos talibãs a rebentarem com explosivos e marretas estátuas milenares? A barbárie regressou, sob o disfarce hipócrita da 'reparação histórica' e das ideologias politicamente corretas que mais não são que atos falhados de um sentimento de culpa coletivo não exorcizado.

Numa análise mais fina deste episódio caricato da remoção de uma estátua medíocre de Cristóvão Colombo na Ciudad de Los Angeles, cidade outrora espanhola, e depois mexicana, que os Yankees conquistaram, num vasto território chamado Califórnia, habitado por tribos índias que os mesmos ianques, e não Cristóvão Colombo, nem os espanhóis, nem sequer os mexicanos, dizimaram, celebrando posteriormente o genocídio de forma canibal na cinematografia de Hollywood, há quem sugira tratar-se de mais uma tentativa de apagar a memória hispânica da região.

Acontece, porém, que as famílias americanas de origem protestante e puritana, as mais ricas, estão em declínio demográfico, ao contrário das populações de origem hispânica, portuguesa e italiana que habitam toda a América, do México para sul, e continuam a crescer nos Estados Unidos. Instrumentalizar os pobres índios que restam para colaborarem em manobras de mistificação  histórica é um sinal mais da decadência de um império que durará, afinal, pouco mais de cem anos.

Nem o primeiro e único presidente negro americano, Barak Obama, conseguiu mudar o racismo empedernido de milhões de americanos brancos. Esta é a verdade nua e crua que importa reter quando observamos e analisamos episódios populistas como este.

A raiva aos judeus, outra vez...


A Jewish family pauses in front of a memorial for victims of the mass shooting that killed 11 people at the Tree of Life synagogue in Pittsburgh, Oct. 29, 2018. (Jeff Swensen/Getty Images) [cropped]

“Os missionários da Cristandade disseram: Vocês não têm o direito de viver entre nós como judeus; Os chefes laicos proclamaram: Vocês não têm o direito de viver entre nós; Os nazis alemães no fim decretaram: Vocês não têm o direito de viver.” 
A solidão crescente da Estátua da Liberdade
Esther Mucznik. Público, 12 de Novembro de 2018, 6:45

“President Trump, your words, your policies, and your party have emboldened a growing white nationalist movement,” the petition says. “The violence against Jews in Pittsburgh is the direct culmination of your influence.” 
How the Pittsburgh massacre is driving American Jews apart
By Ron Kampeas. Jewish Telegraphic Letter, October 30, 2018 5:22pm

A nova ascensão da xenofobia, do radicalismo religioso e do anti-semitismo é uma consequência direta de uma nova guerra global pelos recursos que fazem a diferença no bem-estar das nações.

Os perigos desta escalada são agora, porém, maiores do que nos anos 30 (ascensão do anti-semitismo nazi na Alemanha, Áustria e Polónia) do século passado, ou do que no primeiro quartel do século 20 (sobretudo na Rússia, Ucrânia e Polónia).

As razões deste perigo maior são fáceis de entender:

  1. a luta mundial pela energia e pelos recursos naturais imprescindíveis ao bem-estar criado ao longos dos últimos 200 anos não tem uma horizonte de propsperidade pela frente, mas sim de declínio geral da riqueza, empobrecimento das classes médias que suportam as democracias, envelhecimento das populações e recessão, seguida de depressão e depois declínio demográfico absoluto, a partir de 2100, se não antes;
  2. desta vez, os judeus têm em sua defesa um estado fortemente armado para uma mais do que provável guerra assimétrica global, onde a sofisticação tecnológica ditará as primeiras vitórias e um novo status quo... ou a aniquilação da civilização tal qual a conhecemos hoje. 
A chachina de Pittsburgh, antiga cidade industrial americana reconvertida às novas tecnologias durante a década de 80 do século pasado, é certamente mais um mau presságio do que nos espera. Entre outros motivos, porque ameaça dividir a comunidade judaica americana, a maior do mundo (5,7 milhões) depois do Estado de Israel (6,1 milhões).

:(


segunda-feira, novembro 12, 2018

A vice-primeira ministra Catarina Martins

Catarina Martins. Convenção do Bloco de Esquerda, 2018.
Foto: João Porfírio/Observador (recortada)

Sem direita que se veja, Costa não tem alternativa


Catarina Martins anunciou a próxima entrada do Bloco de Esquerda no governo da Geringonça. Se tiver votos para tal, é o que vai ocorrer, tal como previ no programa Política Sueca em 2015. Não creio que o Rui Rio arraste votos suficientes para o PS. O desvio dos votos do centro-direita irá repartir-se entre o PS, o partido dos santanistas, o CDS e o Chega!

Até lá, Catarina Martins irá ter a gigantesca tarefa de domesticar a retórica populista do Bloco, e apostar num programa social-democrata de esquerda, ambientalista, de causas urbanas, e orientado para o eleitorado com menos de 40 anos. No resto, continuará a ser tão populista e estatista quanto o PS, e o PCP.

Quanto ao fenómeno da corrupção, estamos conversados: há merda que chega em todos os partidos.

Numa palavra, esta geringonça é melhor que a balbúrdia espanhola, e sem dúvida preferível às derivas populistas de direita que percorrem a Europa. Quanto ao futuro governo de coligação, o tempo dirá.

Para já, recomendo um voto em Catarina nas próximas europeias, pois daqui virá, ou não, o tiro de partida para a futura coligação.

quarta-feira, outubro 24, 2018

Hong Kong-Zhuhai-Macau

The 55km crossing links Hong Kong’s Lantau island to Zhuhai and the gambling enclave of Macau, across the waters of the Pearl River Estuary. PHOTO: REUTERS

E nós?!


Depois de umas dezenas de mortos acidentais, a esperada derrapagem orçamental, e muita corrupção, o líder chinês inaugurou uma ligação rodoviária histórica entre Hong-Kong e Macau, a terra onde nasci e da qual guardo uma mítica memória.
A ponte é um marco do projeto de integração regional da Grande Baía, que visa criar uma metrópole mundial a partir dos territórios de Hong Kong, Macau e nove localidades da província chinesa de Guangdong (Cantão, Shenzhen, Zhuhai, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing).
[...]
Vários observadores consideraram que o objetivo desta ponte, assim como uma nova linha ferroviária de alta velocidade para o interior da China inaugurada a 22 de setembro, é aumentar o controlo da China sobre Hong Kong, que tal como Macau, goza de autonomia alargada de liberdade de expressão e poder judicial independente.
A nova linha ferroviária de alta velocidade para o interior da China vai reduzir consideravelmente o tempo de viagem entre os dois territórios, sendo que parte da estação, situada em Hong Kong, fica sob jurisdição chinesa.
[...] O comboio vai de Hong Kong para Shenzhen em apenas 14 minutos, sendo que o anterior demorava quase uma hora a percorrer os 26 quilómetros que separam os dois territórios. Já para a capital de Guangdong, Cantão, os passageiros vão demorar pouco mais de meia hora, cerca de 90 minutos mais rápido que o anterior.
JN 23.10.2018

Já agora, já que o Governo Chinês anda a beneficiar das rendas excessivas que pagamos à EDP, podia ajudar o indigente governo português a ligar o país a Espanha e ao resto da Europa com combóios de Alta Velocidade.

Por odem de prioridade, assim: Lisboa-Caia; Lisboa-Porto-Vigo; Aveiro-Salamanca.

Só as comunidades de Madrid e da Região de Lisboa somam mais de 10 milhões de habitantes, e 18 milhões de turistas. A região do Norte de portugal e galiza somam 5 milhões de almas que sempre gostaram de trabalhar e ganhar dinheiro. Será assim tão difícil de entender a rentabilidade destes investimentos? Só prejudicaria mesmo o PCP e o Bloco!

quarta-feira, outubro 17, 2018

O que o Leslie nos mostrou

Furacão Leslie. Foto-galeira: Nelson Garrido/Público

Leslie. Lei prevê que consumidores paguem prejuízos mas EDP garante que vai tentar não imputar esses custos
 
A principal elétrica nacional está ainda a contabilizar a dimensão dos prejuízos, sendo estimado que cerca de 70 mil habitações não tenham acesso a eletricidade na região Centro do país. 
Observador, 15/10/2018, 22:04

O furacão deu cabo de umas centenas de postos de alta tensão. Resultado? A falha elétrica interrompeu as telecomunicações (rádio, televisão, telefones, internet e telemóveis!)

Mas mais: interrompeu o fornecimento de água!!! E porquê? A razão é simples, mas porventura invisível para a maioria de nós até à chegada do Leslie: a distribuição de água já não funciona por gravidade nos principais aglomerados urbanos do país, mas à força da energia elétrica...

Imaginem, agora, que as viaturas dos bombeiros, da proteção civil, do exército, e os nossos próprios carros eram já, na sua maioria, elétricos!!!

Tempestade Leslie provocou prejuízos superiores a 32 milhões de euros na Figueira da Foz
Observador, 17/10/2018, 0:23

terça-feira, outubro 09, 2018

Vox e Vox - suspensos da propaganda

Santiago Abascal, líder do novo partido populista da direita espanhola, Vox

Andamos muito distraídos!


Do país de sucesso e do pelotão da frente, da 14ª economia na UE15 nos anos gloriosos do cavaquismo (que apostava em ultrapassar o Reino Unido), da liderança na sociedade de informação do guterrismo, dos milagres económicos sucessivos, aterraremos como um dos países mais pobres de uma UE27 ou UE28 em 2025.
Nuno Garoupa. Público, 5 julho 2018

Há dois erros que liquidam a credibilidade deste texto:

1) a expressão 'mais pobre' é errada, pois deveria ser, em rigor, 'menos rico', já que não podemos deixar de comparar a economia portuguesa/europeia com o resto do mundo; 

2) por outro lado, o empobrecimento cada vez mais perigoso das classes médias, e a precariedade dos contratos de trabalho, são fenómenos globais, próprios do fim de uma era baseada em energia abundante e barata, num contexto em que a redistribuição da mesma deixou de estar concentrada nos Estados Unidos, Canadá e Europa ocidental. Basta ver as notícias sobre o populismo nos Estados Unidos, Venezuela, Brasil, ou sobre o crescente populismo, de direita e de esquerda, na Europa (há um partido populista de direita em Espanha que vai arrumar as botas populistas de esquerda do Podemos num ápice...), para perceber que não podemos confundir as causas endógenas do nosso desenvolvimento assimétrico, com as tendências mundiais a que estamos particularmente abertos. Basta contar o número de SO-MNE (State Owned Multinacional Entreprises) portuguesas (mais do que em Espanha!), ou o número de representações de SO-MNE em Portugal (World Investment Report, 2017, das Nações Unidas), para percebermos a paisagem que nos rodeia e determina.

—FDI (Foreign Direct Investment) INFLOWS (millions of dollars)

Portugal

2011: 7428
2012: 8858
2013: 2702
2014: 2976
2015: 6993
2016: 6065

—FDI stock

2000: 34 224
2010: 114 994
2016: 118 213.

—SO-MNEs (15% of the 100 largest MNEs): Distribution by major home economy, 2017 (Number of companies) 

Portugal: 26
Spain: 19. 

—Foreign affiliates of SO-MNEs: Distribution by major host economy, 2017 (Number of affiliates) 

Portugal: 784
Spain: 1760.

Apostar na propaganda do copo vazio não é a estratégia mais inteligente.

Oportunidades de negócio pela frente: privatização dos caminhos de ferro, investigação&desenvolvimento, formação de elites intermédias e de topo, e África!

Perigos: deixar a Geringonça +1 (o Comandante Supremo da Selfie Idiotia) à solta. 

Precisamos urgentemente dum Macron, sob pena de termos em breve um qualquer Trump, Bolsonaro, ou novo Conde de Abranhos lusitano (o de Espanha já nasceu e chama-se Santiago Abascal Conde!) a governar o país com maioria absoluta.

quarta-feira, setembro 26, 2018

O colapso moral de Serralves

OAM-derivative, 2018


Afinal, foi Suzanne Cotter quem plantou a armadilha!


Imaginem uma obra de arte contemporânea sobre a violência nos Comandos da Amadora, ou sobre o ex-PM José Sócrates Pinto de Sousa, ou ainda sobre a corrupção em Portugal, exposta no Museu de Serralves, ou na Culturgest, ou no MAAT. Seria possível? Se é, convidem-me. E depois, então, vamos discutir quem censura o quê.

Já agora, desafio o Delfim Sardo a itinerar a exposição 'censurada' ao pobre João Ribas, pela Culturgest. Ou, em alternativa, a mostrar na mesma Culturgest o filme Made in Heaven, de Jeff Koons.

Quanto à senhora Pinho, se quer mandar, arranje como financiar Serralves sem depender 100% dos nossos impostos. Porque, no fundo, a realidade plena é esta: não há dinheiro para malucos.

Estão chocados, dizem, com a censura às fotografias pornográficas de Mapplethorpe.

E a censura, ao longo de décadas, exercida caninamente sobre quem não faz parte do lóbi internacional que tomou de assalto os museus públicos europeus de arte contemporânea, de que a rede portuguesa não passa de uma sucursal?

A fotografia de Mapplethorpe agitou, enfim, o funil da cultura indígena.

Depois do buraco negro que engoliu um italiano mais voyeur do que o recomendável, novo buraco negro engole o rapazinho que alguém encarregou de representar o papel de 'diretor artístico' do Museu de Serralves.

A pornografia na arte contemporânea, e sobretudo na arte pós-contemporânea (nascida na Internet), daria uma boa exposição, onde Mapplethorpe seria tão só uma nota de rodapé. Mas não em Serralves, não no Porto. Uma antológica deste fotógrafo norte-americano, em Serralves, no Porto, onde o suposto diretor artístico nasceu com as asas cortadas, sob a sombra narcisista e provocadora (leia-se castradora) de uma presidenta que desconhece o seu lugar, só poderia dar asneira. Quem paga Serralves, ou seja o contribuinte, merece melhor. A provocar este episódio burlesco esteve o futuro vereador da cultura do Bloco de Empreendimentos, o mefistofélico João Fernandes, ao convocar a tropa de choque que domina a ruína museológica global para uma reação internacional contra a censura no Portugal de António Costa.

Parece que a Pinho tem sido muito bem assessorada... por um tal Julião Sarmento/ Cristina Guerra, e ainda (pasme-se!) pelo vereador da cultura do Porto, o sortudo Rui Moreira. Os resultados, porém, acumulam desastres.

O problema de base, repito, é simples de equacionar: não há dinheiro para malucos!

Ou seja, uma vez perdida a banca indígena para os credores, assim como boa parte das grandes empresas que viviam aninhadas no Orçamento de Estado e nas famosas PPP, os governos deixaram de ter dinheiro suficiente para alimentar luxos culturais, ainda por cima, quando estes luxos fazem figura de coisa autónoma, com administradores e conselhos de administração 'independentes' (povoados de indigentes da política: Pires de Lima, Pacheco Pereira, e outras aves raras) e decorados com listas intermináveis de mecenas que deixaram de pingar os cêntimos que sobravam da muita massa que iam buscar aos nossos impostos e a Bruxelas (quer dizer, aos nossos impostos).

As demissões em Serralves, no Museu de Chiado, e nas coleções sob vigilância apertada das Finanças—Berardo, BES e Ellipse (não escapa uma!)—são o sintoma óbvio de um enorme mal-estar museológico que apenas reflete a bancarrota das apostas protagonizadas pelo lóbi que tomou de assalto o domínio privado e público da dita arte contemporânea no nosso país.

A arte contemporânea local, que não chegou a nenhuma parte internacionalmente relevante, salvo nalguns episódios temporários de 'glamour' congeminado pela especulação mercantil, vai assim revelando-se também como um antro de más práticas, abuso das instituições públicas e de muita, muita corrupção!

NB: há um evidente mal-estar em Serralves. Que tenha explodido durante um governo de frente popular pós-moderna, não deixa de ser irónico. Mas a suprema ironia é que o socavar da instituição, com despedimentos, constrangimentos laborais inaceitáveis, redução de rendimentos, e uma castração progressiva da equipa museológica que foi sendo criada desde os bons tempos de Fernando Pernes, foi iniciado pela senhora economista Odete Patrício, antiga e toda poderosa diretora-geral da Fundação de Serralves (ainda não atualizou o CV no Linkedin), e hoje vereadora socialista da Câmara Municipal do Porto, para onde transitou após a chegada à Administração de Serralves da magnífica e portentosa Ana Pinho. A lavagem de roupa suja segue dentro de momentos...

SOBRE A CONFERÊNCIA DE IMPRENSA DE UMA ADMINISTRAÇÃO APAVORADA

A esquerda cor-de-rosa acusada de censura? Custos de ser governo à custa do oportunismo, né?! E o engraçado é que a Administração, neste caso, tem razão: houve censura e deveria ter havido mais censura, para evitar uma grosseira violação da lei. Não se esqueçam, por outro lado, que as estatísticas de Serralves se fazem à custa de estatísticas infantis e populares. Ou seja, sem os meninos e as meninas das escolas, e sem o povão a quem é distribuído um bodo aos pobres a que chamam Festa de Serralves, o museu não conseguiria justificar a sua existência em termos de custo-benefício!

PS: a Lusa conhece toda a história, mas vai divulgá-la devarinho, para render publicidade, e queimar em lume brando a administração de Serralves. Duas perplexidades: Suzanne Cotter diz que não programou Mapplethorpe, nem Joana Vasconcelos. Então quem foi? No entanto, algum ingénuo que perguntasse a Cotter, ou a Ribas, sobre a possibilidade de se agendar uma exposição no museu que estes diretores entendem estupidamente ser coisa deles, seria imediatamente informado de que a programção de Serralves se faz a dois ou três anos de distância. Ou seja, pergunto, que compromissos assumidos Cotter deixou a Ribas? Por outro lado, que sentido faz censurar descaradamente Joana Vasconcelos, como a pandilha que tem mandado em Serralves tem feito ao longo das últimas duas décadas? Eu sei porque teme a internacional que esvoaça à volta de João Fernandes e Julião Sarmento uma exposição de Joana Vasconcelos: o seu garantido êxito de público e mediático, precisamente o que não conseguem as sumidades que esvoaçam à volta de Fernandes e Sarmento. Acontece, porém, que António Costa adora a arte de Joana Vasconcelos. E eu também considero que esta artista produziu até à data um par de obras sublimes. Capiche?

ÚLTIMA HORA
“A exposição [da Joana Vasconcelos] foi combinada pelo António Costa e a Ana Pinho na apresentação, realizada em São Bento, da exposição [da Joana] em Bilbao. O Ribas sempre soube da exposição. Em Serralves ficaram todos em pânico por causa dos custos.”

JOÃO RIBAS

Extraordinário: JOAO RIBAS, conceituado curador norte-americano de origem portuguesa, e ex-diretor do Museu de Serralves, que se demitiu por causa duma exposição do sofrível Robert Mapplethorpe (uma espécie de reedição hardcore e a preto e branco de Andy Warhol—convocável museograficamente sempre que se quiser falar da crise da SIDA nos Estados Unidos) nunca, aparentemente, tinha escrito sobre este fotógrafo, e muito menos comissariado qualquer exposição de obras do dito. Isto mesmo podemos constatar nos 151 artigos do seu blog. Quem decidiu, pois, em primeiro lugar, a exposição de Mapplethorpe?

Um exemplo, a contrario sensu, do que nos presenteou em Serralves:
“In the Holocene explores art as a speculative science, how artists investigate principles more commonly associated with scientific or mathematical thought. The exhibition proposes that art is an investigative and experimental activity, addressing what is explained through traditional scientific means: time, matter, energy, topology, perception, consciousness, etc. In this sense, both art and science share an interest in knowledge and disruptive insights, yet are subject to different logics, principles of reasoning, and conclusions.

In expanding both artistic and scientific speculation, In the Holocene seeks to shift the understanding of aesthetics away from conventional ideas of pleasure, beauty, or taste. As conceived by Alexander Baumgarten in 1735, the term “aesthetics,” as the science of sensible knowledge, attempted to place the realm of perception and sensation under rational principles. As an account of the world, can art expand the potential of scientific investigation? What of those forms of understanding that transcend, or fall beyond, the domain of any particular discipline?”

Artistas escolhidos:

Berenice Abbott, Leonor Antunes, John Baldessari,
Rosa Barba, Robert Barry, Uta Barth, Joseph Beuys,
Alighiero Boetti, Carol Bove, Marcel Broodthaers,
Matthew Buckingham, Roger Caillois, Hanne Darboven,
Thea Djordjadze, Jimmie Durham, Terry Fox,
Friedrich Fröbel, Aurélien Froment, Jack Goldstein,
Laurent Grasso, João Maria Gusmão & Pedro Paiva,
Florian Hecker, Alfred Jarry, Rashid Johnson, Joan Jonas,
On Kawara, Kitty Kraus, Germaine Kruip, John Latham,
Sol LeWitt, F.T. Marinetti, Daria Martin, John McCracken,
Mario Merz, Helen Mirra, Trevor Paglen, Man Ray, Ben Rivers,
Pamela Rosenkranz, Robert Smithson, Hiroshi Sugimoto,
Superstudio, Georges Vantongerloo, Lawrence Weiner,
and Iannis Xenakis.

—In the Holocene
Notes and Queries | Joao Ribas
October 19, 2012–January 6, 2013
http://joaoribas.blogspot.com/2012/10/in-holocene-october-19-2012january-6.html

DEPUTADOS


O João Fernandes é do Bloco, não é? Quando foi a fundação Robert Mapplethorpe abordada para a exposição de Serralves? Qual é a origem desta exposição: Suzanne Cotter (que saíu pela porta dos fundos depois da entrada de Ana Pinho), ou João Ribas? Realizou João Ribas alguma exposição com obras de Robert Mapplethorpe nos Estados Unidos, ou em qualquer outro país, exceto Portugal? Desconhecia João Ribas a legislação portuguesa sobre pornografia? É que esta é muito clara: 
Artigo 1.º
1. É proibido afixar ou expor em montras, paredes ou em outros lugares públicos, pôr à venda ou vender, exibir, emitir ou por outra forma dar publicidade a cartazes, anúncios, avisos, programas, manuscritos, desenhos, gravuras, pinturas, estampas, emblemas, discos, fotografias, filmes e em geral quaisquer impressos, instrumentos de reprodução mecânica e outros objectos ou formas de comunicação áudio-visual de conteúdo pornográfico ou obsceno, salvo nas circunstâncias e locais previstos nos artigos seguintes:
2. Para o efeito do disposto neste diploma, são considerados pornográficos ou obscenos os objectos e meios referidos no número antecedente que contenham palavras, descrições ou imagens que ultrajem ou ofendam o pudor público ou moral pública.
http://www.pgdlisboa.pt/leis/lei_mostra_articulado.php…

Se os museus públicos puderem infringir a lei, que valor tem esta para a sociedade? E ainda, porque não mostra a comunicação social as imagens que terão estado na origem da censura interna ocorrida no Museu de Serralves?
Por fim, que vão os deputados fazer a Serralves? Ver a exposição, ou espreitar as imagens interditas?

Atualizado em 28/09/2018, 09:38 WET


APOIE ESTE BLOG/ SUPPORT PAGE
O acesso a este blog é gratuito, mas a sua doação, por pequena que seja, ajudar-me-à a mantê-lo e a melhorá-lo. Um euro por mês é muito? Obrigado.
If you liked this article and enjoy my work visit the Support Page to show your appreciation for independent content creators.

quinta-feira, setembro 13, 2018

The big picture: energy wars


A menos que o mar se transforme em petróleo, o "business as usual" morreu.


CONTINUAR A ENDIVIDAR O ESTADO E A EXPANDIR A BUROCRACIA EM NOME DO EMPREGO E DO PODER PARTIDÁRIO É UM CONVITE AO FASCISMO.

 GAI TVELBERG: One of the issues with inadequate energy supplies is the difficulty in obtaining adequate tax revenue. If tax revenue is an issue, there is likely to be a push to reduce donations to organizations that act to bring countries together, such as the European Union and the United Nations. Subsidies of all types are likely to be on the chopping block. Government services of all types are also likely to be reduced or eliminated, from bridge repairs to retirement programs for the elderly.
Most of us have never been taught about resource wars. The wide availability of fossil fuels eliminated the need to even think about a possible lack of energy resources, or other limited resources such as fresh water. Unfortunately, resource conflict may be back in some new 21st century version in the not too distant future.
Needless to say, I am not advocating conflict and cutting programs. It is just that energy problems and financial problems are very closely linked. This is the way that things seem to work out.

- in Our Finite World (more).


APOIE ESTE BLOG/ SUPPORT PAGE
O acesso a este blog é gratuito, mas a sua doação, por pequena que seja, ajudar-me-à a mantê-lo e a melhorá-lo. Um euro por mês é muito? Obrigado.
If you liked this article and enjoy my work visit the Support Page to show your appreciation for independent content creators.

segunda-feira, setembro 03, 2018

MAAT "saneia" Pedro Gadanho


Um desfecho esperado há já algum tempo. 


O que então não passou dum zum-zum tornou-se realidade. O MAAT é um conceito errado; museu de arte, arquitetura e tecnologia é uma espécie de albergue espanhol, ou, neste caso, mais propriamente, um saco de gatos siameses. Outro erro crasso do projeto é a sua identificação canina com a EDP, uma ex-empresa pública oferecida ao senhor Xin Jinping, que tem abusado da sua posição dominante impondo aos portugueses a energia mais cara da União Europeia (em paridade do poder de compra).

A China não aprendeu em tempo o significado da expressão 'softt power', e já é tarde para aprender. Assim sendo, deixando a coisa entregue à corte indigente indígena, o mais provável é termos o João Fernandes à frente do MAAT depois dum embuste concursivo qualquer e de um curso acelerado de Mandarim. O problema das ditaduras, incluindo naturalmente as ditaduras culturais, é que entram em pânico com a concorrência, e morrem de medo da sua própria morte.

Post scriptum — Alguns amigos viram nesta crítica um ataque especialmente duro contra o trabalho de Pedro Gadanho no MAAT. Mas não é! Para evitar más leituras, aqui vai:
  1. O erro de Pedro Gadanho, que imagino ter resultado do colete de forças em que se viu metido, foi não ter exigido uma definição mais clara e coerente para o museu que a Fundação EDP viria a patrocinar. Faria todo o sentido que fosse um museu dedicado à energia, ou à tecnologia, ou um museu de arquitetura, pois não há nenhum no nosso país, estando, por outro lado, a menos de 500 metros do Museu Berardo, e a concorrer por um público cada vez mais escasso, contra a a Fundação Gulbenkian, contra o mausoléu da Caixa, que também se dedica aos contemporâneos, e ainda contra o Museu de Arte Contemporânea do Chiado! Num país falido, em que os arquitetos sem emprego se dedicam cada vez mais ao design, às artes visuais e até à música, era de prever que um projeto a cavalo entre as artes plásticas e a arquitetura, não sendo uma coisa nem outra, não iria ter vida fácil. Os parcos recursos institucionais deixados aos artistas (exceção feita, claro, aos apartidários artistas contemporâneos do regime) começaram a ser comidos pelo lóbi dos arquitetos do regime e seus amigos. Os arquitetos pensarão, com justeza, que um museu de arquitetura em Lisboa poderia ajudar a civilizar os autarcas e a educar os patos-bravos. Por outro lado, os arquitetos teriam enfim o lugar e a oportunidade de exporem regularmente as suas ideias e projetos. Faria pois todo o sentido ter em Belém um museu de artes plásticas, um museu da marinha, um planetário, um museu dos coches e um museu de arquitetura (ou um museu da energia). Cada macaco no seu galho. Um museu de arte, tecnologia e arquitetura, só poderia dar asneira.
  2. Por outro lado, observando o modo de recrutamento dos administradores da Fundação EDP, como aliás da generalidade das sinecuras do Estado português, seria de esperar que não houvesse, como não houve, não há, nem haverá, estabilidade na instituição que, afinal, se alimenta de lucros excessivos na exploração dum bem tão essencial como a energia. As fundações tornaram-se no nosso país coisas desconfiáveis, sobretudo porque foram tomadas de assalto pela casta político-partidária que é o regime que hoje temos.
  3. Finalmente, mas é o menos importante, as grandes exposições temáticas do MAAT não me convenceram, apesar dos bem sucedidos projetos de João Onofre, Miguel Palma e Gary Hill.

Pedro Gadanho sai do MAAT em JunhoFundação EDP estendeu o mandato do director por apenas mais nove meses.
ISABEL SALEMA 3 de Setembro de 2018, 20:25
Público 
O arquitecto Pedro Gadanho vai deixar a direcção do Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, no final de Junho de 2019, anunciou esta segunda-feira a Fundação EDP, em comunicado. A fundação tinha a possibilidade de renovar o contrato com Gadanho, que termina agora em Setembro, por mais três anos. Porém, de acordo com o comunicado, "a Fundação EDP e o arquitecto Pedro Gadanho decidiram, por mútuo acordo, prolongar a colaboração do director do MAAT até ao dia de 30 de Junho de 2019", apenas mais nove meses. "Pedro Gadanho assegurará, assim, um período de transição durante o qual a Fundação EDP irá desenvolver os procedimentos necessários para a escolha do novo director do MAAT", acrescenta o mesmo comunicado.  
"Não vamos fazer mais comentários", disse ao PÚBLICO o director-geral da Fundação EDP, Miguel Coutinho, acrescentando apenas que o novo director poderá ser escolhido através de um concurso internacional. O período de transição permitirá também a Pedro Gadanho finalizar a programação já desenhada para 2019.

Atualizado em 6/9/2018 00:45 WET


APOIE ESTE BLOG/ SUPPORT PAGE
O acesso a este blog é gratuito, mas a sua doação, por pequena que seja, ajudar-me-à a mantê-lo e a melhorá-lo. Um euro por mês é muito? Obrigado.
If you liked this article and enjoy my work visit the Support Page to show your appreciation for independent content creators.

sábado, setembro 01, 2018

Lisboa > Vladivostok

Hillary Clinton exhales while testifying before the House Select Committee on Benghazi on October 22, 2015.
Photo: JOSHUA ROBERTS/REUTERS/Newsweek (cropped)

Lembram-se do que disse Putin quando veio a Portugal? Pois foi: uma Europa de Lisboa até Vladivostoque! Por alguma razão o TGV ficou no tinteiro :(
Relentless Russophobia is paired with supreme fear of a Russia-Germany rapprochement – as Bismarck wanted, and as Putin and Merkel recently hinted at. The supreme nightmare for the U.S. is, in fact, a truly Eurasian Beijing-Berlin-Moscow partnership. 
[...] 
The New Silk Roads were launched by Xi Jinping five years ago, in Astana (the Silk Road Economic Belt) and Jakarta (the Maritime Silk Road). It took Washington almost half a decade to come up with a response. And that amounts to an avalanche of sanctions and tariffs. Not good enough. 
[...] 
Were the European peninsula of Asia to fully integrate before mid-century – via high-speed rail, fiber optics, pipelines – into the heart of massive, sprawling Eurasia, it’s game over. No wonder Exceptionalistan elites are starting to get the feeling of a silk rope drawn ever so softly, squeezing their gentle throats.
— in Pepe Escobar, “Back in the (Great) Game: The Revenge of Eurasian Land Powers”
Consortiumnews, August 29, 2018

 

Este mapa que venho desenhando desde 2008 já teve mais 235 mil acessos.


APOIE ESTE BLOG/ SUPPORT PAGE
O acesso a este blog é gratuito, mas a sua doação, por pequena que seja, ajudar-me-à a mantê-lo e a melhorá-lo. Um euro por mês é muito? Obrigado.
If you liked this article and enjoy my work visit the Support Page to show your appreciation for independent content creators.

quinta-feira, agosto 30, 2018

Um poder que vem de trás...


O presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, com o primeiro-ministro, António Costa, e o presidente da República em segundo plano.

Não são só alfaces estragadas


Em 2016, últimos dados disponíveis de acordo com a sistematização feita pela Pordata usando dados do Ministério do Trabalho, atingimos nesse ano o número mínimo de trabalhadores em greve (sete mil). O número de paralisações pode dizer-se que estabilizou – mais uma do que em 2015. 
[...] 
O que conseguimos hoje perceber melhor é que algumas elites dependentes do Estado não queriam mais o PSD de Pedro Passos Coelho a governar o país. Era preciso que o Estado voltasse a ser rapidamente o que tinha sido para todos aqueles que dependem dele. E não estamos a falar dos funcionários públicos em geral, mas sim de uma elite fundamentalmente lisboeta que vive à mesa do Orçamento – do lado da despesa ou da receita – e que inclui também empresários. 
Helena Garrido—“O poder das elites e de António Costa”
Observador, 30/8/2018, 7:04

Sobre o excelente, e como sempre corajoso texto de Helena Garrido, publicado no Observador, apetece-me comentar o seguinte:

O gráfico das greves, mencionado no artigo, não revela grande coisa sobre a Geringonça, pois até houve mais uma greve em 2016 do que em 2015; o que sim revela é uma tendência consistente para a perda de capacidade reivindicativa do setor do trabalho, incluindo a dos sindicatos do PCP: 363 greves em 1986, abrangendo 232 mil trabalhadores, com 382 mil dias de trabalho perdido; 76 greves em 2016, abrangendo 7 mil trabalhadores e 12 mil dias de trabalho perdidos—PORDATA - Greves (1986-2016).

Esta tendência é, aliás, uma consequência do fim da era de crescimento rápido da economia mundial—declínio acelerado das reservas de energia fóssil barata, e queda da procura agregada global.

Já no que toca às elites urbanas de Lisboa, eu seria mais abrangente: o ódio aos memorandos da Troika (1), impostos ao governo do PS e assinados por este, vem não apenas das elites atingidas, nomeadamente nos setores financeiro e rentista do regime, não apenas das burocracias partidárias sem exceção, mas também, e mais gravemente, dessa imensa mole que é o neo-corporativismo herdado de Salazar, cujo funcionamento em ditadura insular ainda se aguenta, mas que, numa economia aberta e em democracia vai acabar por morrer, ou dar lugar a nova ditadura, praticamente inevitável se houver um colapso da União Europeia.

Para já, a Geringonça está tão atada de pés e mãos quanto o governo de Passos Coelho. Limita-se a fazer propaganda com o orçamento de estado invariavelmente deficitário que é capaz de produzir, oferecendo torradeiras, perdão, viagens de borla na CP e descontos temporários no IRS a alguns emigrantes que regressem a tempo de votar no PS, ao povo léu, e à corte democrática, ao mesmo tempo que estupora criminosamente a infraestrutura económica, material e política do país.

Portanto, Helena, a coisa é mais grave do que pensa.


Post scriptum

A dita revolução dos cravos não matou o salazarismo. Deu-lhe uma nova face, de balbúrdia democrática, muito parecida com a da primeira República. Ou seja, há uma mole rentista, corporativista, partidocrática e burocrática, sebosa e indigente, queiroziana em suma, que não mudou e perdura na sua histórica e venal inutilidade. Prova disto mesmo são os níveis de emigração, de iliteracia funcional e de dislexia. Já viram como fala o nosso PM?

As ideologias dos partidos, de direita, de esquerda e de extrema esquerda não passam de máscaras de conveniência e demagogia. Nenhuma delas pariu, em 40 anos de pós-ditadura, uma idea nova que fosse. Ideologia? Esquerda? Direita? Nada! Limitaram-se a importar o que a social-democracia alemã, ou a ex-URSS tinham para dar e vender. Nada mais. Hoje, morta a segunda, e exangue a outra, o país, o nosso país, afunda-se como um Titanic sur Mer (excelente nome dado pelo Manuel João Vieira ao seu bar de escárnio e mal cantar ;)

Disse numa das primeiras emissões do censurado (sim!) programa semanal da RTP2, Política Sueca, que a Geringonça iria durar uma ou duas legislaturas. E afirmei também que era bom a democracia conhecer finalmente o PCP e o Bloco. Se a UE não implodir de vez na próxima década (2020-30), e não deverá implodir, apesar do que se teme, o que irá certamente mudar no nosso país é a liturgia do nosso sistema partidário. Para melhor, espera-se. O desvairado Santana Lopes é uma dessas lebres que, aos ziguezagues e caretas, ainda poderá precipitar a reação em cadeia que todos esperamos, como réplicas infinitas de Godot.


NOTAS
  1. Vale a pena recordar os factos, pois a manipulação partidária dos mesmos (fake news) é constante. Para tal recomendo este post do blogue Aventar, “Memorando da Troika – Em Português”, de que cito a introdução:

    Foi apresentado no dia 3 de Maio um Memorando de Entendimento. Esta versão foi aprovada pelo PSD e pelo CDS-PP e corresponde à tradução feita pelo Aventar que se pode ler mais abaixo.

    No entanto, no dia 17 de Maio, o governo assinou outro Memorando de Entendimento, diferente do anterior. Notar que o governo não achou necessário informar os portugueses nem sequer os próprios partidos signatários da versão do dia 3 e que muito provavelmente terão de ser eles a cumprir este “programa de governo”.

    Ler o original completo


APOIE ESTE BLOG/ SUPPORT PAGE
O acesso a este blog é gratuito, mas a sua doação, por pequena que seja, ajudar-me-à a mantê-lo e a melhorá-lo. Um euro por mês é muito? Obrigado.
If you liked this article and enjoy my work visit the Support Page to show your appreciation for independent content creators.