quinta-feira, julho 29, 2010

Marx e a América



David Harvey é seguramente uma das vozes mais criativas do pensamento marxista actual. Vale a pena seguir cada uma das suas comunicações publicadas na Net. Por exemplo esta: The Urban Roots of the Fiscal Crisis — uma longa conferência especialmente esclarecedora das origens e consequências da actual crise sistémica global do Capitalismo na sua específica relação com o fenómeno da especulação imobiliária e a fuga do capitalismo avançado em direcção ao endividamento exponencial dos indivíduos, empresas e Estados.

Em The Crisis Today: Marxism 2009, Harvey faz, no essencial, uma rápida mas incisiva excursão ao pensamento de Karl Marx tocando aspectos cruciais da actual fase de pré-colapso económico, financeiro, social e ambiental da humanidade.

Curiosamente, o ponto central destas suas observações sobre o pensamento original de Marx é o da natureza ideológica intrínseca da tecnologia — que o filósofo alemão percebeu até ao âmago em pleno século 19.

Aquilo que somos levados a perceber como consequência neutra do conhecimento desprendido é afinal um fato à medida da própria lógica intrínseca de um determinado sistema social. Daí a pergunta pertinente de Harvey: como seria hoje a nossa relação com a Natureza se em vez de uma sociedade capitalista em grave crise tivéssemos uma autêntica sociedade socialista? Harvey refere-se obviamente à sociedade socialista de Karl Marx, e não a nenhum dos regimes ditatoriais que abusaram deste nome:  leninistas, estalinistas, maoístas, ou os vários oportunistas social-democratas.

À medida que as classes médias ocidentais forem sendo expropriadas dos seus bens, da possibilidade de trabalhar, dos direitos sociais conquistados, e sobretudo das ilusões e do imenso imaginário cultural que foram criando ao longo de mais de meio século de optimismo, começará muito provavelmente a acumular-se uma nova energia social —sobretudo urbana e suburbana—explosiva cujo desenlace só poderá ser o da transformação do capitalismo decadente actual noutra coisa qualquer.

Acontece que as classes médias actuais são intelectualmente desenvolvidas e conhecem as tecnologias. Não vai ser portanto fácil ludibriar-las, nem sobretudo confrontar tais comunidades em nome do enriquecimento maníaco-depressivo das corruptas elites que governam as várias regiões do mundo.

2 comentários:

Jose Silva disse...

Caro António

Faz bem ler a escola Marxista e Austriaca na explicação da crise actual. São na minha opinião os que melhor descrevem a actualidade:
http://norteamos.blogspot.com/2009/02/marx-e-hayek-revolucionarao-economia.html

Agora, a adopção das soluções destas escolas e a declaração do fim do capitalismo, merecem mais cautela.

Os únicos «capitalismos» que tem que morrer e vão morrer são o «crony capitalism» e o capitalismo sem capital mas com muita dívida. O capitalismo da liberdade, engenho, inovação, concorrência está vivo e recomenda-se.

Antonio Cerveira Pinto disse...

O interessante do posicionamento de David Harvey é o intrínseco pragmatismo do seu pensamento. Nisto representa um grande avanço sobre os vendilhões do templo europeus...