domingo, agosto 20, 2017

Peak Growth?



Sem energia barata e abundante não há trabalho, nem crescimento.


...it appears that only a relatively small share of countries have experienced rising GDP in current US dollars.
(...)
To fix the problems (...), we would need to get prices of oil and other energy products back up again. This would indirectly raise prices of many other products as well, including food, new vehicles, and new homes. With lagging wages in many countries, this would seem to be virtually impossible to accomplish.
(...)
—in “World GDP in current US dollars seems to have peaked; this is a problem”, Posted on August 14, 2017, by Gail Tverberg.

Isto está bem pior do que parece. Já só crescemos, e pouco, endividando-nos. O filão chinês está a chegar ao fim. A demagogia, o populismo e a gritaria mediática browniana são, pois, sintomas de uma crise profunda, e não caminhos para a ultrapassar.

O resultado geral da deflação económica, sobretudo visível nos preços da energia e das commodities, é a falência progressiva dos países e dos seus governos. Até agora esta tendência recessiva foi disfarçada, desde 2001 (Japão), 2009 (Reino Unido/ EUA) e 2015 (União Europeia), com doses sucessivas de expansão monetária eletrónica, promovida pelos bancos centrais. Infelizmente, a abundância artificial de liquidez tem sido acompanhada da desvalorização do dinheiro, nomeadamente através da destruição das taxas de juro, para assim mais facilmente financiar o endividamento explosivo dos governos e ensopar as imparidades e desvarios acumulados nas bolhas especulativas. Que o objetivo desta política monetária tem sido o de impedir um colapso económico-financeiro em cadeia à escala planetária percebe-se claramente quando observamos o fracasso persistente dos chamados mecanismos de transmissão. O dinheiro circula dos bancos centrais para os bancos comerciais e destes para os governos, entretanto submetidos a regras orçamentias cada vez mais apertadas, mas raramente cheg diretamente às empresas sob a forma de crédito.

O autor involuntário do famoso Quantitative Easing (Prof. Richard Werner) repudiou a receita que apareceu em seu nome, por esta trair a sua intenção inicial ao propor uma resposta à crise do ' yen carry-trade' japonês, a qual consistia originalmente em aumentar a liquidez monetária para potenciar o crédito disponível, mas sem desvalorizar intencionalmente a poupança!



O pico do petróleo propagou-se ao crescimento, empurrando-o para o seu próprio pico.

As formações sociais —a economia e as infraestruturas, por um lado, a riqueza e o trabalho produtivo remunerado, por outro— estão a ruir por dentro. Um dia, apesar da pele dos países se apresentar ainda brilhante, e continuarmos a ouvir decibéis de otimismo de governantes, banqueiros e demagogos, veremos o seu interior completamente podre. Quando isto acontecer, as soluções disponíveis serão provavelmente insuficientes e todas más.

Existe, como facilmente se percebe, uma necessidade absoluta de percebermos o que aí vem. Mas para o conseguirmos temos que nos afastar da algazarra que inevitavelmente acompanha e acompanhará a metmorfose em curso. Precisamos de tudo menos de uma abordagem ideológica aos limites do crescimento.

Sem comentários: