sábado, agosto 02, 2014

Quem deve o quê ao BES?


Maria Luís Albuquerque. Ministra das Finanças.

Governo tenta salvar in extremis banco insolvente e falido com mais dívida pública, e portanto com mais austeridade, mais cortes e mais assaltos fiscais aos rendimentos e poupanças dos portugueses normais. Onde está o neoliberalismo, indigentes da Esquerda?


O Estado vai entrar no capital do BES, avançaram esta sexta-feira à noite a SIC e a TVI. A estação de Queluz diz que fontes oficiais do Governo confirmam que o modelo encontrado para resolver rapidamente o problema do BES passa pela entrada de dinheiro público no banco. A estação de Carnaxide acrescenta ainda que a decisão vai ser comunicada já no próximo domingo à noite.

Jornal de Negócios, 1/8/2014, 22:30

Quem deve e o quê ao BES? 

Quanto deve TAP ao BES? Quando deve o Metro de Lisboa ao BES? Quanto deve o Metro do Porto ao BES? Quanto deve a Carris ao BES? Quanto deve a CP ao BES? Quanto deve a Câmara Municipal de Lisboa, do socratino Costa e do primo de Ricardo Salgado, Manuel Salgado, ao BES?  Quanto devem as outras autarquias ao BES? Quanto deve a EDP ao BES? Em suma, o BES encontra-se insolvente e falido, não apenas porque andou a brincar ao Monopólio, não apenas porque andou metido com cleptocratas americanos, africanos, europeus, ibéricos e indígenas, mas sobretudo porque foi um dos principais banqueiros de um regime político que dia a dia implode diante de todos nós, depois de ter capturado a democracia em nome de sonhos populistas que se tornaram pesadelos diários para milhões de portugueses.

Passar a fatura do prejuízo aos contribuintes e empurrar a dívida pública com a barriga é o que o governo, ou melhor dito, o regime corrupto que temos vai voltar a fazer. Deu-o a saber ontem à noite, procurando assim, in extremis, evitar uma corrida dos depositantes do BES às transferências eletrónicas na próxima Segunda Feira. É que se tal viesse a ocorrer, todo o sistema financeiro português poderia colapsar, pois não se vê como é que o Estado poderia garantir levantamentos de depósitos na ordem das dezenas de milhar de milhões de euros.

O governo vai proceder, para todos os efeitos, a uma nacionalizalção parcial e previsivelmente temporária do BES. Parece bem. Mas não é. De facto, com esta medida, o principal objetivo do governo, do Banco de Portugal, da CMVM e dos partidos do regime é esconder da opinião pública que são o estado e as suas empresas públicas, e ainda os rendeiros do regime, os principais devedores do BES e a causa da sua ruína. Mas a consequência vai certamente ser desastrosa, pois o que vamos ter é um aumento colossal do buraco negro da dívida pública — pois ninguém vê como é que o BES poderá pagar uma recapitalização de 4mM€ com juros a 10%. O buraco negro do BES vai acrescer ao buraco negro do BPN e ao ainda por destapar buraco negro da Caixa Geral de Depósitos. Há vários anos que avisámos que algo semelhante a isto iria ocorrer.


BES 2013-2014 (em 30 de junho de 2014)

Quebra de receitas: -73,1%
Depósitos (i.e. responsabilidades): 35 932 M€
Quebra nos depósitos: -1 980 M€
Depreciação da empresa: -41,30%
Custos operacionais: 594,8 milhões (+5,7%) — há 600 funcionários na prateleira
Prejuízos -3 577,3 M€


Ninguém sabe se o BES será o bater de asas de uma nova crise aguda no inevitável colapso do atual sistema financeiro de Bretton Woods, de que os BRICS já fogem a sete pés. Mas lá que vai estourar com os objectivos para o défice português em 2014, 2015, 2016, ... vai.

Apertemos, pois, uma vez mais, os cintos de segurança!


ÚLTIMA HORA

"BES é um BPN cinco vezes maior", SIC, 23:15 02.08.2014

Catarina Martins diz que serão os contribuintes a pagar a recapitalização do BES. Este sábado, num comício no Algarve, a coordenadora do Bloco de Esquerda diz que o Banco Espírito Santo é um caso igual ao BPN, mas cinco vezes maior.

O Bloco sabe que o BPN tinha 4% do mercado de depósitos nacional e que o BES tem 20%. As contas são simples de fazer: 20/4=5. Ou seja, o buraco do BES é (potencialmente) 5 vezes maior do que o do BPN. Que diz António José Seguro? Paga o povo, ou deixa-se cair o banco, como seria normal em qualquer outra empresa insolvente que entre em falência? Não anda o Ministério das Finanças a executar contribuintes devedores pelo país fora, às dezenas de milhar, confiscando-lhes ativos de empresas, terras, casas e salários? Que privilégio deve ter o BES em situação semelhante? Se for privilegiado, além de se premiar a corrupção e o roubo descarado, quem irá pagar a fatura? E será possível impor novos e injustos sacrifícios aos portugueses sem lançar o país numa profunda depressão e no caos social?

A nossa posição é clara e em sintonia com as diretivas do BCE: o BES deve declarar falência, tal com já o fizeram as demais quimeras piramidais do grupo BES, e deve pedir proteção contra credores, iniciando-se imediatamente o processo de recuperação de créditos mal parados, a começar pela EDP, TAP, outras empresas públicas e autarquias. Será terrível? Sim, será muito mau, mas forçará o regime, de uma vez por todas, a reformar o Estado e as suas mordomias, levando a tribunal umas boas dezenas de malfeitores incuráveis.

O colapso do regime está em curso. Quem está no poder (Pedro Passos Coelho) e na Oposição (António José Seguro) têm uma oportunida irrepetível para colocar Portugal noutro patamar de rigor e exigência. Se não o fizeram, acabarão por sucumbor na enxurrada a que objetivamente abrirão portas no caso de nacionalizarem os prejuízos da Dona Branca Espírito Santo Piramidal (BES, GES, ESFG, etc.) e passarem mais esta fatura à economia, aos contribuintes e em geral a todos os portugueses menos os que eventualmente sairem a rir deste escândalo sem precedentes.


A treta de Marques Mendes: "Recapitalização do BES não será feita com dinheiro do Estado" — Sapo
 

Diz Marques Mendes que será um obscurso Fundo de Resolução que irá tapar a cratera do BES com 5 mM€. Ora bem, este fundo tem apenas 138 milhões de euros, e além do mais, não foi constituido para tapar seja o que for. A palavra 'resolução' é uma traduçao da palavra inglesa 'resolution', a qual em finanças quer dizer fechar a tasca falida de forma tão ordenada quanto possível...

Aliás, basta ler o que o BCE escreve e determina para estes fundos de 'resolução':

“What is bank resolution?

Resolution occurs at the point when the authorities determine that a bank is failing or likely to fail, that there is no other private sector intervention that can restore the institution back to viability within a short timeframe and that normal insolvency proceedings would cause financial instability.

‘Resolution’ means the restructuring of a bank by a resolution authority, through the use of resolution tools, to ensure the continuity of its critical functions, preservation of financial stability and restoration of the viability of all or part of that institution, while the remaining parts are put into normal insolvency proceedings.

The EU Bank Recovery and Resolution Directive provides authorities with more comprehensive and effective arrangements to deal with failing banks at national level, as well as cooperation arrangements to tackle cross-border banking failures.

Effective resolution should also address moral hazard, as one of its key functions is to enhance discipline within the markets. Resolution is thus a vital complement to other work streams designed to make the financial system sounder, e.g. making banks stronger through requiring greater levels of better quality capital, greater protection of depositors, safer and more transparent market structures and practices, and better supervision.”

Brussels, 15 April 2014

EU Bank Recovery and Resolution Directive (BRRD): Frequently Asked Questions


Atualização: 3/8/2014, 13:19 

5 comentários:

António Ferreira disse...

Nacionalizar o BES é o pior, temos de fazer como na Islândia e deixar o banco falir. Ambos sabemos como são as nacionalizações em Portugal, os lucros ficam com os privados, e o prejuízo vai para o publico. E deve-se seguir o darwinismo do capitalismo, o BES faliu porque não se adaptou, tão simples quanto isso, além do mais temos bancos a mais para a nossa economia, portanto a falência é bem vinda.

Anónimo disse...

A muita gente deve dinheiro ao banco. O incumprimento é que é o problema. Nesta notícia não se fala se as entidades mencionadas entraram em incumprimento. Esta noticia é só espuma sem conteúdo.

Anónimo disse...

O argumento utilizado neste blog equivale basicamente a dizer que o BES está falido porque emprestou dinheiro e porque lhe devem dinheiro! Por esta lógica todos os bancos - cuja principal atividade é justamente a de conceder crédito - estariam falidos! E - para variar - lá temos a nova monomania nacional: o Estado é responsável por tudo o que acontece de mal no país. Ora que se saiba, nenhuma das empresas públicas aqui citadas está em situação de moratória ou de incumprimento em relação aos créditos prestados pelo BES. Quem sabe um tudo nada de economia sabe que nos balanços bancários, os créditos figuram como ativos (em posição semelhante por exemplo às reservas bancárias).

O BES está falido não porque emprestou dinheiro (seja a empresas privadas ou públicas - é essa precisamente a sua função), mas porque não escapou à engenharia financeira e à especulação ruinosas do Grupo Espírito Santo. É aí que se registam as imparidades gigantescas acumuladas e não nas atividades normais de crédito, que constituem o objetivo de qualquer banco, como já referido.

menvp disse...

Bom, ora, como é óbvio, quem paga (vulgo contribuinte) não pode continuar a ser 'comido a torto e direito'... leia-se: quem paga (vulgo contribuinte) deve possuir o Direito de defender-se!!!
.
-» Votar em políticos não é (não pode ser) passar um cheque em branco... isto é, ou seja, os políticos e os lobbys pró-despesa/endividamento poderão discutir à vontade a utilização de dinheiros públicos... só que depois... a 'coisa' terá que passar pelo crivo de quem paga (vulgo contribuinte).
---> Leia-se: deve existir o DIREITO AO VETO de quem paga!!!
[ver blog 'fim-da-cidadania-infantil'].
.
.
.
P.S.
DEMOCRACIA SEMI-DIRECTA:
- possibilita a existência de um processo ágil de tomada de decisões... e... permite que o contribuinte não passe um 'cheque em branco' aos políticos.
Nota: Vantagens da Democracia Semi-Directa 'Fim-da-Cidadania-Infantil' em relação à Democracia Directa:
1- em caso de necessidade (depois haverá uma análise dos fundamentos) o Executivo Governamental poderá tomar decisões rápidas;
2- o contribuinte não será atafulhado com casos de 'custo-bagatela'.

Anónimo disse...

A decisão anunciada ontem à noite sobre o resgate do BES é vergonhosa e escandalosa. Não só o governo não teve a coragem de assumir uma decisão que é política e que não pode ter sido tomada sem luz verde governamental, como significa que o banco será entregue a accionistas privados, recapitalizado e limpo de dívidas, à custa do contribuinte. Se o povo português não fosse bovino e obtuso já haveria motins nas ruas. Mas prefere continuar a pagar os crimes alheios e a sofrer inutilmente. Escravos e contentes.