quinta-feira, março 24, 2011

Teleponto demite-se, finalmente!

Sócrates e Teixeira dos Santos viram costas ao parlamento

Mas quero dizer aos portugueses que o País não ficou sem Governo. Que podem contar com a mesma atitude e com o mesmo sentido institucional de sempre. O Governo cumprirá totalmente o seu dever, dentro das competências que são próprias de um Governo de gestão, com a consciência da gravidade da situação para que o país acaba de ser atirado. A crise política só pode ser resolvida pela decisão soberana dos Portugueses. Com a determinação de sempre e a mesma vontade de servir o meu País, irei submeter-me a essa decisão. José Sócrates, Comunicação do Primeiro-Ministro ao País, após a apresentação da sua demissão ao Presidente da República, 13-03-2011.

A criatura, apesar de ferida, sobrevive. Qualquer outro exemplar cor-de-rosa que concorresse em vez do PM demissionário às próximas eleições seria cilindrado.

Sócrates vai renascer daqui a umas semanas na forma de um anjo socialista, devoto, inspirado, distribuindo memórias heróicas do partido entre os seus militantes, tentando sobretudo convencer os eleitores de esquerda. O objectivo é duplo: por um lado, conter a hemorragia de votos PS a favor do PSD, do Bloco e do PCP; e por outro, encostar o PSD e o PP à direita, assustando o eleitorado, sobretudo os funcionários públicos e a vasta clientela do estado socialista, com os fantasmas do FMI e as intenções ocultas de Passos Coelho, e de Paulo Portas. Pelo meio, usará e abusará do governo de gestão, colocando-o ao serviço da sua campanha eleitoral.

Sócrates, que viu encurtados os prazos da sua planificação táctica, está furioso.  E tem apenas um objectivo: ganhar as próximas eleições, nem que seja repetindo a maioria relativa das últimas eleições. Se tal acontecer, o povo português, e nomeadamente as suas elites profissionais, intelectuais e culturais, merecerão tudo o que lhes acontecer depois.

Estou, porém, convencido de que o PS sofrerá uma derrota humilhante. Não creio que Passos de Coelho e Portas cometam erros suficientes para entregar de novo o poder a uma espécie de menor dos males entre a esquerda e a direita. E não creio que o PCP e o Bloco percam de um dia para o outro as centenas de milhar de votos da gente revoltada contra os principais responsáveis pela bancarrota do país —inevitável causa do fim deste regime. Sem um novo processo constituinte, Portugal acabará por perder a sua independência, ou deslizará para um novo regime autoritário, provavelmente de tipo presidencialista-populista.

Quanto à grande coligação proposta pelas sumidades do Bloco Central que nos conduziu à presente desgraça, não creio que seja viável com Sócrates à frente do PS e Cavaco na presidência da república.

E no entanto, um pacto de emergência e solidariedade seria a melhor aposta eleitoral que o PSD poderia propor ao eleitorado. Se Passos de Coelho desafiar os partidos a explicarem quais são as suas condições para confluírem num esforço colectivo de resposta à bancarrota do país, aceitando ao mesmo tempo procurar essa filigrana de entendimento patriótico, sem preconceitos, nem agendas escondidas, nem a mão invisível dos interesses que nos conduziu até aqui, então conseguirá gerar uma pressão eleitoral agregadora fortíssima.

O Coelho da Madeira, que encontrei na manif da Geração à Rasca, trazia consigo um cartaz onde se lia: "O Povo Unido Não Precisa de Partido". Não é bem isto, mas anda lá perto.

O povo quer desesperadamente alguém que convoque e agregue uma resposta unida à crise, como se estivéssemos numa guerra. Quem souber fazer passar este discurso vencerá as eleições. José Sócrates não tem, obviamente, qualquer credibilidade para ler o teleponto deste desígnio. Por ser  um vigarista consumado e o boneco de uma tríade de interesses inepta e corrupta até à quinta casa, merece julgamento, e não uma terceira oportunidade para desgraçar ainda mais o país.

Mas será o aparachique Passos de Coelho capaz de dar este passo?


POST SCRIPTUM

Ao contrário do que tentei prever, foi Sócrates que se demitiu, e não Cavaco que o demitiu. A menos que consideremos o discurso da tomada de posse do presidente da república como uma carta de despedimento. Que foi!

3 comentários:

skeptikos disse...

O que mais me aterroriza é esta dúvida: Estará o nosso povo consciente de que Sócrates FOI e continuará A SER um puro bandido, sem escrúpulos, sem qualquer respeito às instituições, enfim um potencial tirano?

skeptikos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nuno disse...

A esperança dos Portugueses, mais uma vez, está centrada em Cavaco Silva.

É assim, vivemos sempre na expectativa de um qualquer "Deus ex Machina" resolver as coisas; à espera de um Nuno Alvares Pereira, de um Sidónio Pais, de um Paiva Couceiro, de um Sá Carneiro e por mais uma vez, para não fugir à regra, esperamos agora que Cavaco seja Cavaco.

E quando não houver Cavaco ?