sábado, março 26, 2011

Passos de Coelho

E se o PSD não conseguir a maioria absoluta?



Daniel Bessa faz hoje um tardio mas nem por isso menos louvável acto de contrição sobre o silêncio cúmplice que a esmagadora maioria dos economistas portugueses manteve, entre 2006 e 2008, sobre o estado das nossas finanças públicas e o nosso endividamento externo. Apesar dos sinais de que uma grave crise de insolvência se aproximava das costas lusitanas, boa parte dos economistas e dos jornalistas limitou-se a comentar a propaganda governamental de José Sócrates como se fosse factual, dedicando páginas e páginas de análise paliativa aos cada vez mais martelados e ilegíveis relatórios oficiais. Era tão simples saber o que se passava!

Economistas avisados, como Daniel Bessa, ou Eduardo Catroga, Miguel Cadilhe, Luís Campos e Cunha, Cavaco Silva, e um longo etc., sabiam há muito, ou deveriam saber, que Portugal caminhava a passos largos para a falência, e que não é por termos um primeiro ministro mitómano, manipulador, propagandista e casmurro, nem por causa das pressões e conveniências das nomenclaturas económico-financeira e político-partidária que nos conduziram até aqui, que esconder a verdade ajudaria a resolver fosse o que fosse. A maioria dos economistas portugueses assobiou para o ar quando Medina Carreia e Manuela Ferreira Leite chamaram a atenção do país para o muro onde iríamos todos bater. Batemos. E agora?

Vamos por partes:
  1. Aníbal Cavaco Silva está tudo menos parado. Quem o critica por este lado, ou é tonto, ou teme o futuro. O reeleito presidente da república despediu José Sócrates de forma quase brutal, usando para este fim o próprio discurso de posse (de facto, o primeiro acto do presidencialismo sui generis que aí vem). O pobre diabo cor-de-rosa só teve tempo de inventar um incidente manhoso para tentar sair de palco, protegendo (é a única tarefa que de momento o aflige) a sua retirada e a retirada do exército de piratas e indigentes intelectuais que com ele levaram alegremente Portugal à bancarrota;
  2. O Partido Socialista corre o risco de uma cisão, ou de um definhamento prolongado, se demorar demasiado tempo a substituir o seu já inútil líder; deveria fazê-lo quanto antes, e não esperar pela crise de formação do próximo governo de base laranja;
  3. Passos de Coelho tem todas as condições para ganhar as próximas eleições, com maioria absoluta, desde que ignore os galináceos que começaram já a esvoaçar em volta da expectativa de um regresso em força do PSD ao poder;
  4. Ao contrário do que todos os analistas e alguns políticos de pequena dimensão opinaram, o volte-face na avaliação dos professores foi um golpe de mestre na campanha eleitoral violenta que o governo-partido-cacique ainda em funções se preparava para colocar na rua. Passos de Coelho mostrou, com esta simples e surpreendente iniciativa parlamentar, que estará disposto a deixar um corredor de oportunidade política e margem de manobra institucional aos partidos à esquerda do PS, entalando assim o PS;
  5. Em vez do comportamento Caniche que Sócrates vem exibindo, entre abraços e beijinhos à ama Merkel, Passos de Coelho, que também conhece as fragilidades do gigante alemão, explicou a esta física, considerada a mulher mais poderosa do planeta, que vai ter que lidar em breve com um novo primeiro ministro português, por sinal tão transmontano quanto o actual presidente da Comissão Europeia, e para quem, naturalmente, a dívida portuguesa é para pagar, mas sem assassinar os velhos do seu país, nem asfixiar o tecido económico que paga impostos reais (os impostos pagos pelos funcionários públicos, pelos políticos e pelos boys&girls do sistema são, na realidade, um mero desconto na dívida).
É bem provável que depois da decisão ontem anunciada in extremis pelos líderes comunitários, de criarem o Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM), que mais do que duplicará o actual fundo de salvação financeira da Eurolândia, não seja imperativo, do lado português, pedir o resgate do nosso sobre endividamento em pleno período eleitoral. A palavra sobre o IVA dada por Passos de Coelho aos mercados era o mínimo que havia a fazer para sossegar as aparências. A contradição desta decisão intempestiva com pelo menos um dos argumentos que conduziram ao chumbo do PEC 4 é, neste momento, irrelevante.

Escrevi neste blogue, há já muitos meses, que num país tão à rasca quanto Portugal, o IVA terá que subir até aos 25%, embora exceptuando alguns produtos essenciais (que não o golfe do BES na Comporta!) Atacar o consumo é o menor dos males numa economia que não pode sugar, mais do que Sócrates já sugou, os rendimentos do trabalho e os rendimentos dos profissionais liberais, e das nano, micro, pequenas e médias empresas. O que Bruxelas e Frankfurt querem ouvir é se há ou não redução da despesa pública, efectiva e em tempo útil, não como tal objectivo será alcançado. O PS, em nome da sua predadora base partidária, e da sua íntima e corrupta relação com uma nomenclatura económico-financeira imprestável e agarrada, como verdadeira carraça, às tetas do orçamento de estado, preferiu atacar o bem-estar de milhões de portugueses; o PSD não tem outra alternativa, se não fazer diferente — sob pena de colapsar ao fim de seis meses de governo.

Mas a pergunta do momento é esta: e se o PSD não consegue a maioria absoluta?

Estou convencido de que conseguirá, na medida em que uma parte significativa do eleitorado "socialista", perante a reeleição norte-coreana de José Sócrates para o cargo de cacique-mor do PS, tenderá a votar na mudança, e esta, a vir, só poderá vir do único facto novo das próximas eleições: a estreia de Pedro Passos Coelho. Falo por mim, que nunca votei à direita: se o mitómano vendedor de cobertores de Vilar de Maçada permanecer aos comandos do PS, votarei, naturalmente, embora pela primeira vez, no PSD, isto é, em Passos Coelho. A democracia deixou de ser dos partidos, e será cada vez menos dos partidos. O voto tem vindo a transformar-se num acto democrático instrumental destinado a premiar e sancionar os nossos representantes políticos — aqueles que os nossos impostos pagam para defender o interesse do país e o equilíbrio e justiça sociais. E assim deverá ser. A religião partidária acabou!

Mas repito: e se o PSD apenas conseguir uma maioria relativa? Como fará o próximo governo?

Se tal vier a ocorrer, é porque a campanha eleitoral do PS foi suficientemente populista e mentirosa para ter convencido uma apreciável fatia do eleitorado. E neste caso, teremos um grande impasse institucional. Das duas uma, ou o PSD+CDS fazem maioria, e neste caso teremos uma nova AD. Ou nem sequer fazem, e neste caso restará uma única hipótese de coligação governamental: PSD+PS+CDS, já que uma coligação PSD+PS, isto é a reedição do Bloco Central, com Passos Coelho no cargo de primeiro ministro, seria um absurdo inaceitável por parte de José Sócrates.

Como uma coligação PS+PCP+BE, ou mesmo um novo governo PS apoiado num compromisso de esquerda com o PCP e o Bloco, não ocorrerá antes de Cristo descer à Terra, as alternativas governativas pós-eleitorais, em caso de o PSD não conseguir uma maioria absoluta, só ou acompanhado do CDS, são escassas. E então, das duas uma: ou o PSD e o PS aceitam uma coligação com o CDS, apoiando Paulo Portas para o cargo de primeiro ministro, ou então teremos um governo de salvação nacional de iniciativa presidencial, apoiado pelos mesmos três partidos.

Se o mitómano casmurro que ainda nos desgoverna insistir numa vitória de Pirro, ameaçando destruir o PS e o país, então aconselho vivamente os meus concidadãos a votarem na nova carta do baralho democrático português: Pedro Passos Coelho. Escrevi o que acabo de escrever? Parece que sim!

4 comentários:

skeptikos disse...

A meu ver é extraordinariamente importante para o país que Passos Coelho:

1) denuncie em português corrente todas as trafulhices feitas pela criatura e que o povo maioritariamente desconhece;

2) anuncie que caso seja eleito pedirá uma auditoria independente às contas públicas, de forma a se conhecer com precisão a dimensão da "herança socrática";

3) o povo está farto de meias palavras e de mentiras. Para que haja alguma coesão de todas as classes profissionais (que a criatura tratou de dividir para poder reinar) é absolutamente necessário que haja transparência, rigor e vontade política em colocar o interesse do país à frente dos interesses de tantas "lapas" internas e externas!

O país precisa de reencontrar os valores perdidos, pelo que penso que sejam estes os ingredientes necessários para acabar de vez com a criatura e os piratas que se serviam dela, restituindo assim, ao povo, alguma credibilidade nas instituições e esperança (a AD teve esse grande papel) num país melhor para os que estão e hão-de vir.

luis disse...

Dado o estado actual do país e a minha compreensão limitada do problema, a minha intenção é não votar em qualquer partido com assento parlamentar!

João disse...

Concordo inteiramente.... Uma análise óptima....
É importantissimo que se consiga um governo de maioria absoluto seja em coligação ou não. Outra solução não serve e os partidos não a querem.

Nuno disse...

Eu voto no CDS, o PSD ainda me assusta.

Passos Coelho negociou a sua vitória no PSD nos bastidores das concelhias, sabe-se lá com que promessas, não acredito que seja completamente isento a influências de grupos de boys sedentos de poder.

A única figura no PSD que parece estar acima desses lobbies por mérito próprio é Rui Rio.

No entanto considero fundamental para o país uma purga, defendo á que este novo governo seja bem policiado para impedir a repetição desta triste história que foi a governação PS.

A renovação dentro do PS vai demorar algum tempo, mas acredito que também venha a acontecer, a alternativa é a implosão do PS.