terça-feira, dezembro 12, 2017

Cavaco II (sem rios de dinheiro)



A impaciência do Norte à vista!


O meu desejo não foi satisfeito: teremos em breve uma cópia de Cavaco à frente do PSD.

Santana falhou no essencial: conquistar o norte do país, ou seja, aquela parte de Portugal mal tratada que produz o grosso dos bens transacionáveis, e de exportação, mas que paga cada vez mais impostos para sustentar um estado perdulário ao serviço duma clientela de indigentes, burocratas e rendeiros que nada produz senão entropia social, ruído e corrupção.

Pelo que se conhece de Santana Lopes, irá agora tentar posicionar-se para as próximas presidenciais. Para tal, continuará a mercadejar com António Costa e a opinar nas televisões, jornais e revistas. Por isso perdeu o partido.

E Rio, que irá fazer? Encostar António Costa à extrema esquerda? Possivelmente, sim. Até porque a decomposição da Geringonça é cada vez mais visível.

E Cristas, poderá e quererá fundar uma direita social culturalmente evoluída? A janela de oportunidade parece escancarada com a eleição de Rio para a presidência do PSD. Mas se jogar a cartada do Queijo Limiano II, então o CDS/PP regressará ao táxi de onde Paulo Portas o tirou.

A idade de Rui Rio recomenda ação expedita e contundente. 2018 vai ser um ano divertido!

PS: Observo e constato que a falência do centro-esquerda vai a par da falência do centro-direita. Que sobra? Direita e Esquerda! Se for assim, há um vencedor antecipado: a Direita. É só uma questão de tempo. Gosto? Não! Por isso defendo uma revolução democrática baseada em mapas de democracia, e no uso das novas tecnologias capazes de gerar múltiplos equilíbrios transparentes entre democracia direta e democracia representativa, controlados por parâmetros sociais, económicos e financeiros objetivos instantaneamente calibrados por algoritmos de descentralização racional das decisões públicas institucionais, governamentais, e eleitorais (blockchain democracy).

2 comentários:

Anónimo disse...

Não é por muito ser repetida que uma mentira (ou uma lamúria) passa a ser verdade. Quem produz mais de 50% dos bens transacionáveis e de exportação (e que também paga mais impostos) são as regiões da AML e Centro.
Cf. PORDATA

António Cerveira Pinto disse...

Caro Anónimo, faça o favor de descontar os chineses de Sines (Terminal XXI), da EDP e da REN, os alemães da Autoeuropa, e a malta do Norte que detém a Amorim, B.V. (na Holanda...) e as contas da Pordata terão certamente outro aspeto. Não acha? É por este tipo de cegueira que as Catalunhas emergem, e os Cavacos também!