segunda-feira, outubro 18, 2010

Golpe de Estado!

Marcelo não é comentarista, mas agente provocador!

Marcelo Rebelo de Sousa actuou hoje na TVI como agente provocador de um verdadeiro golpe de estado palaciano ao anunciar uma decisão da exclusiva competência e foro íntimo de Aníbal Cavaco Silva, em vésperas de uma batalha política decisiva para o Portugal, cujo desenlace poderia aliás levar o actual presidente da república a desistir da sua recandidatura ao cargo que ocupa sem brilho, nem verdadeiro préstimo para o país, desde que rebentou o escândalo que o tem aprisionado — i.e. a falência criminosa do BPN.

Como aqui se escreveu, desde que anunciaram a mistificação mediática do tango contra-natura entre José Sócrates e Passos Coelho, a única estratégia correcta do actual líder do PSD, seja para conservar o cargo conquistado, seja para criar a oportunidade de uma verdadeira limpeza do regime corrupto e cleptocrata que levou Portugal à bancarrota, seria, e é, correr do Estado, tão depressa quanto possível, com os criminosos que dele se apoderaram, por interpostos lacaios ou directamente.

No caso da anunciada vigarice orçamental cozinhada nas folhas de cálculo do ministro das finanças, a única decisão politicamente decente e estrategicamente correcta por parte de um candidato a primeiro ministro seria e é chumbá-lo sem dó nem piedade, com um virulento discurso sobre os responsáveis que, por acção ou inacção interessada ou cobarde, conduziram Portugal a uma verdadeira situação de bancarrota, colocando-nos nas mãos dos credores estrangeiros — isto é, e na prática, esvaziando completamente a nossa soberania económico-financeira.

Com isto não se pode compactuar!

Também se escreveu, acertando completamente na mouche, que o chumbo do orçamento por Passos Coelho seria uma carambola que eliminaria os dois principais obstáculos à clarificação rápida da nossa situação, e consequente restauração de uma democracia que foi esventrada por uma verdadeira rede de gatunos de todos os quadrantes.

Volto a escrever: se Passos Coelho chumbar o Orçamento de Estado (OE) de 2011, Cavaco Silva não se recandidatará, e o vento soprará imediatamente a favor da nova direcção do PSD. É claro que esta possibilidade meteu um medo de morte ao Bloco Central do Betão e da Corrupção, que sustenta, como se sabe, quase toda a comunicação de massas deste país (salvo a que já está directamente ao serviço da contra-informação governamental!)

Desde que a possibilidade do chumbo do OE começou a pairar no campo das opções políticas com sentido (o bloco que vai eleitoralmente unir-se em volta do poeta Manuel Alegre, e o próprio Manuel Alegre, que votem o Orçamento...), a nomenclatura em pânico montou mais uma gigantesca operação de propaganda, envolvendo laranjas, rosas e até foices-e-martelos no tam-tam ensurdecedor. O que fizeram foi simples: mudaram o resultado do jogo que aqui anunciei. Ou seja, o chumbo do OE seria, por um lado, o caos, e por outro, a vitória maquiavélica de Sócrates! Para coroar a operação, encharcaram todos os canais da comunicação social com esta patranha, e depois fizeram uma sondagem. A cereja no bolo colocou-a, esta noite, essa "gelatina política" chamada Marcelo Rebelo de Sousa — um político falhado, e um pseudo-comentarista. O que hoje fez foi, porém, além das marcas.

Pergunto ao senhor Marcelo Rebelo de Sousa uma pergunta muito simples: foi Aníbal Cavaco Silva que o informou?

A minha convicção e a minha interpretação dos factos que conduziram a este verdadeiro golpe de estado palaciano são estas:
  1. Por tudo o que Cavaco Silva disse até hoje, e pelo carácter evasivo e temeroso que se lhe conhece, o homem nunca anunciaria a decisão propalada por Marcelo de Sousa antes da votação do Orçamento;
  2. Pelo seu temperamento, também não é de crer que uma tão pesada decisão, tendo em conta o estado calamitoso do país, a sua comentada doença degenerativa, e a paralisia intelectual e política da sua acção desde que rebentou o caso BPN,  viesse a ser anunciada por uma qualquer interposta pessoa — ainda por cima recorrendo à língua viperina dum notório má-língua chamado Marcelo Rebelo de Sousa;
  3. Resta pois uma hipótese, o Presidente da República foi vítima de uma nova tentativa de golpe de estado palaciano desencadeado a partir da sua infecta Casa Civil. Quando cheiraram a mera hipótese da não recandidatura do actual presidente, em consequência do chumbo do OE por parte do actual líder do PSD, entalaram-no com o pré-anúncio da sua recandidatura através de um Conselheiro de Estado que usou a comunicação social para fazer, até agora, intriga política, mas que na noite de domingo de 17 de outubro de 2010, lhe permitiu também coadjuvar uma turma de conspiradores a realizar o que não pode ser visto se não como um golpe de estado palaciano.
E agora?

Cavaco Silva tem uma de três soluções:
  1. Desmente categoricamente o mensageiro conspirador — mandando directamente para a reforma um fala-barato;
  2. Confirma o que o fala-barato anunciou, e nesse caso tem que o fazer logo pela manhã de Segunda-Feira, comunicando ao mesmo tempo ao país qual a sua posição sobre o orçamento de estado do governo de Sócrates (não tem oura alternativa!);
  3. Ou então deixa tudo em suspenso até dia 26, o que equivaleria, na prática, à primeira opção, fazendo passar Marcelo Rebelo de Sousa por aquilo que verdadeiramente é: um auxiliar de conspirador de meia tigela.
Por fim, não vejo como poderá o PSD, e sobretudo Passos Coelho, deixar de exigir a imediata demissão do conselheiro de Estado Marcelo Rebelo de Sousa, pela sua intromissão intolerável num processo político-constitucional do maior melindre. tratando na prática o actual presidente da república como se fosse um atrasado mental.

POST SCRIPTUM — 18-10-2010; 14:20. Cavaco Silva optou pelo silêncio, ou seja, não confirma, nem desmente, a atoarda conspirativa de Marcelo Rebelo de Sousa, deixando este spin doctor uma vez mais a fazer figura de parvo. Mas há um pormenor aqui que convém salientar: se houve tentativa de golpe de estado palaciano, e estou convencido de que houve (este mesmo post foi enviado esta madrugada à presidência da república desafiando o seu receptor a dar dele conhecimento a Cavaco Silva), o presidente desarmou-o, desta vez, a tempo. Mas não chega! É preciso escovar imediatamente o pó acumulado da sua Casa Civil, senhor Presidente! Ou os ácaros continuarão a sua permanente acção de desgaste e destruição. Quanto ao mais, reitero: acho que o senhor não se deveria recandidatar ao cargo. Se não salvou o país quando podia, não será agora ou com novo mandato que o fará. A instituição de que é o representante máximo está tão podre e corrompida quanto os demais edifícios do regime. O país precisa de uma revolução constitucional, e sobretudo de novos protagonistas. Os herdeiros líquidos do 25 de Abril já mostraram o que valem!

6 comentários:

Força Emergente disse...

Caro amigo
Pensamos que o comentário feito se perdeu, razão pela qual o resumimos.
Excelente análise.
Corroboramos o parecer de que o melhor para o País era chumbar o orçamento e Cavaco Silva nem se recandidatar.
Urge uma limpesa geral do País. Esta classe política, em especial "os homens do PS" e "muitos do PSD" comprometeram o nosso futuro e teremos de alguma forma que responsabilizá-los por isso.
São crimes de lesa-pátria e justificam perfeitamente um movimento de revolta generalizada.
Se houver necessidade de inspiração, comecem a olhar para a determinação dos Franceses.
De momento sentimos vergonha de escutar - Herois do mar, Nação valente, nobre povo, contra os canhões marchar .... - Isto só pode ser brincadeira.
Herois sem mar, Nação dormente, pobre povo. Nada mais.

Ricardo disse...

De facto, apesar de relativamente jovem, pois conto trinta e oito primaveras, a minha vontade é bater com a porta a esta espécie de país que no passado foi grande em feitos notórios aos olhos de todo o mundo, mas que no futuro será recordado pelos feitos levados acabo por esta escória que nos tem vindo a governar, "representam-nos" cobertos da sua ganância e falta de escrúpulos pois todos sabem estar cobertos pela manta da impunidade!
Há muitos anos que em tom irónico que digo sermos uma África pintada a branco...não que queira de forma alguma colar-me a qualquer ideologia racista, longe de mim, até porque são os da minha "própria raça" que me prejudicam! Afinal, em relação a África seremos sempre responsáveis pela semente que lá deixamos, neste momento conturbado que se avizinha, continuamos a assistir impotentes ao que esses senhores vão discutindo á luz da fogueira dos seus interesse políticos e corporativos, não tendo sequer a honra e a inteligência que deveriam como portugueses e pessoas que são. Triste realidade a que assisto e me aguarda neste meu país, governado por esta gente deplorável na sua grande maioria, fóssemos nós capazes de ter força e espirito de nação, á imagem do que raramente se consegue no futebol, e mostrarmos que somos capazes de fazer algo para mudar o triste rumo do futuro da história de Portugal!

Karocha disse...

António Maria

O PR. não tem coragem.

Karocha disse...

António Maria
O PR. só teve coragem para a "Má Moeda" e já agora a talhe de foice,secar o PSD.

Anónimo disse...

pois é...

ele escreveu no EXPRESSO sobre a face da MÁ MOEDA e o Sampaio dissolveu a Assembleia da República.

Eu, em devido tempo escrevi para o EXPRESSO
sobre a MOEDA FALSA= SÓCRATES

e não publicaram o meu texto
para o Cavaco não dissolver a Assembleia da República.

Democráticos ?

Será que vão noticiar os preparativos para o Golpe de Estado
em marcha, ainda para este ano ?

duvido...

Karocha disse...

Anónimo

Comentário complicado.
Mas como é anónimo...