sexta-feira, setembro 21, 2012

Os assassinos de Portugal

Isto não é uma fantasia da Blogosfera, é um mapa da UE !
 
É o comboio, estúpidos!

El vicepresidente de la Comisión Europea aboga por un mercado único para el ferrocarril

Según Kallas, la dificultad para acceder a la red es una de las barreras más importantes para el desarrollo del ferrocarril en Europa

Siim Kallas, vicepresidente de la Comisión Europea, ha abogado en Innotrans, la feria internacional de transporte que concluye hoy en Berlín, por un “un mercado único para el ferrocarril. Por ejemplo, debería ser posible construir trenes que sólo necesiten una aprobación para circular por Europa. Éste debería ser un derecho básico”.

Via Libre, 21 set 2012

Governo de Passos Coelho e Gaspar deitaram à rua 1000 milhões de euros, ao abandonar ou adiar sine die o projeto já aprovado e contratado (!) de construção da linha ferroviária de Alta Velocidade, em bitola europeia, para passageiros e mercadorias, entre Pinhal Novo-Poceirão e o Caia (Badajoz)

Bruxelas já deixou bem claro, ao governo português, a sua posição sobre a ligação de Portugal à rede espanhola e desta às redes europeias de transporte ferroviário interoperável: o dinheiro disponível para este fim, que é muito, não é transferível para novos aeroportos — e portanto, o Bloco Central da Corrupção Alargado (PS, PSD, CDS, PCP), que alimenta a partidocracia vigente e parasitou o país até à pré-bancarrota em que estamos, terá que desfazer-se dos investimentos especulativos e mediáticos que tem vindo a fazer em volta do embuste imobiliário do Novo Aeroporto de Lisboa (NAL) —que era para ser na Ota, e depois em Alcochete—, e terá que deixar de boicotar os sucessivos governos em matéria da prioridade ferroviária e portuária.

Portugal tem aeroportos que cheguem para as suas necessidades, tanto mais que a demografia do país está em queda, e o futuro do transporte aéreo de massas, nomeadamente turístico, é mais do que incerto se avaliarmos os impactos negativos crescentes do pico petrolífero e das alterações climáticas sobre a sustentabilidade deste modo de transporte.

Além do mais, as principais companhias que trouxeram um mini boom turístico a Portugal, ao longo dos últimos anos, são as chamadas Low Cost (1), ou seja, precisamente o tipo de companhias que não precisa, não quer, e abomina novos aeroportos, pois apenas precisa de antigos aeródromos militares recauchutados para fazer bem o seu serviço, e no caso português adoram as vantagens óbvias oferecidas pela Portela, por Faro e pelo aeroporto Sá Carneiro.

As pessoas querem viajar barato, e estão-se nas tintas para as caríssimas e já insustentáveis ditas cidades aeroportuárias — defendidas nomeadamente pelo adiantado mental que recomendou (e cobrou bem por isso) a construção do aeromoscas de Beja!

O transporte aéreo já está a sofrer à escala mundial constrangimentos económicos e fiscais (por causa das emissões de CO2 equivalente) sucessivos e cada vez mais sérios.

A interoperabilidade entre as redes ferroviárias e a ligação destas aos portos atlânticos e mediterrânicos é pois a prioridade das prioridades em matéria de transportes na União Europeia. E é para aqui que vai o dinheiro. Não vai para aeroportos, e muito menos para aeromoscas!


Basta comparar as verbas atribuídas à ferrovia com as destinada a aeroportos para vermos até que ponto é criminosa a política de transportes dos sucessivos e corruptos governos do Bloco Central Alargado (PS, PSD, CDS, PCP)

O abandono, ainda que temporário, do projeto aprovado de ligação Poceirão-Caia, por decisão do ainda primeiro ministro e do ainda ministro das finanças —dois ignorantes em matéria de transporte, mas muito sensíveis à máfia do NAL—, significou a perda de 800 milhões de euros de investimento comunitário a fundo perdido no nosso país, significará indemnizações ao consórcio Elos, que ganhou o contrato de construção da linha Poceirão-Caia na ordem dos 170 milhões de euros, significará custos jurídicos de vários milhões de euros, significará uma perda de oportunidade de criação de novos empregos e de importação/desenvolvimento de tecnologias inovadoras (em matéria de ferrovia, eletrificação e sinalização da rede, material circulante e serviços complexos) de várias milhares de milhões de euros. Para a Autoeuropa, por exemplo, a falta de ligação ferroviária em bitola europeia entre Palmela e o Porto de Setúbal, e entre Palmela, Espanha e o resto da Europa induz sobre custos na ordem dos 15% (2). O mesmo problema de competitividade terá a fábrica de aviões e de componentes aeronáuticos, a Embraer, que hoje inaugurou em Évora (3).

Ou seja, um verdadeiro crime cometido pelas criaturas que meteram o PSD, o CDS e o PS no bolso.


NOTAS
  1. Ryanair, easyJet y Air Berlin transportan más de la mitad de los pasajeros internacionales en EspañaExpansión, 17 set 2012.

    É por esta e por outras (a astronómica dívida da TAP) que a IAG (Iberia+British Airways) desistiu de concorrer à privatização da TAP? E é por esta e por outras que o aeroporto de Ciudad Real faliu antes de ganhar velocidade de cruzeiro, e o embuste do NAL da Ota em Alcochete jamais terá viabilidade económica!

    Air Canada a besoin de personnel
    Le transporteur aérien prévoit embaucher 1100 personnes d’ici 12 mois

    Air Canada a indiqué jeudi qu’il devrait employer environ 1100 personnes de plus au cours des 12 prochains mois pour répondre à ses objectifs en matière de main-d’oeuvre, incluant quelque 200 employés pour son projet de transporteur à bas prix. — Le Devoir, 21 set 2012.

    Air Canada to outline low cost carrier plans soon. CBCNews, 19 set 2012.

    Air Canada lanzará una low cost que volará a Europa. Aviação Brasil, 27 ago 2012.

    COMENTÁRIO: a Blogosfera vem defendendo que a TAP faça um spin-off prévio à privatização, alienando a unidade brasileira TAP Maintenance&Engineering, vendendo a Groundforce (operação já realizada), e criando uma Low Cost dedicada à Europa. Vamos ver o que sucede...
  2. Autoeuropa apresenta os melhores resultados dos últimos cinco anos. RTP, 27 set 2011.
  3. Fábricas de Évora da Embraer inauguradas hoje na presença do Presidente da República. RTP, 21 set 2012.

Última atualização: 21 set 2012 16:07

3 comentários:

Miguel Oliveira disse...

Caríssimo,

Já leu as propostas constantes deste blogue?
http://notaslivres.blogspot.pt/search/label/Alternativas
Parecem-me interessantes.

Eduardo Baptista disse...

O que é o Bloco Central Alargado? que está descrito como corruto e responsável:
"Basta comparar as verbas atribuídas à ferrovia com as destinada a aeroportos para vermos até que ponto é criminosa a política de transportes dos sucessivos e corruptos governos do Bloco Central Alargado (PS, PSD, CDS, PCP)".
Agradeço esclarecimento
Eduardo Baptista

antonio cerveira pinto disse...

A prioridade europeia é claramente a ferrovia, nomeadamente por ser uma via de transporte mais sustentável do que a rodovia e o transporte aéreo, procurando-se promover a interoperabilidade das redes nacionais e o uso das novas tecnologias.

Portugal tem, pelo contrário, sabotado literalmente esta opção, em benefício do embuste chamado Novo Aeroporto de Lisboa — desde o início uma ideia especulativa associada aos negócios imobiliários. Gastaram-se centenas de milhões de euros em estudos para nada, ou melhor, para financiar alguns partidos.

Os terrenos da Portela são desde o início uma das presas perseguidas, idem para os terrenos contíguos aos que fossem cedidos para o NAL (Carregado/Ota) ou Rio Frio/Canha/ Alcochete.

Os principais protagonistas deste negócio sórdido pertencem ao Bloco Central da Corrupção: PS-PSD-CDS/PP, do qual fazem parte interesses especulativos com origem em grupos financeiros conhecidos, como o BES, BCP, o Banif, a Caixa Geral de Depósitos (capturada pelo mesmo Bloco) e os Mello.

"Alargado" significa isto, mas também os autarcas que nesta, como noutras ocasiões, agem com oportunismo descarado, colocando-se frequentemente ao lado de piratas, em nome de vantagens eleitorais imediatas, não cuidando de saber se tais alinhamentos prejudicam ou não as populações, ou o país no seu conjunto, no médio e longo prazo.

As autoestradas desertas são um bom exemplo dos erros trágicos cometidos.