sábado, janeiro 08, 2011

Carris de Lisboa odeia turistas

Eléctrico 28. Foto @ Marcelo Almeida (LINK)
Um país de salteadores

Os bilhetes de Eléctrico comprados ao condutor subiram de 1,20€ para 2,50€. Ou seja, uma ida-e-volta entre o Cais do Sodré e a Graça fica mais cara (5€) do que uma ida-e-volta entre a Graça e a Praia de Carcavelos num BMW. Que tal exportar o Pinóquio Sócrates e os administradores da Carris para a Sibéria?

Deve ser assim que o autarca António Costa quer menos carros na cidade!

Alguém me disse, entretanto, para ter calma, porque "este preço é apenas praticado na tarifa de bordo. Os turistas provocam atrasos gigantes por comprarem os bilhetes a bordo. Nos pré-comprados os preços não diferem dos restantes meios da Carris".

O dinheiro dos turistas é, porém, melhor do que o nosso (na sua maioria importado e emprestado), porque é uma exportação de serviços sem sair de casa. Como tal, devemos atrai-lo com carinho e sabedoria, não com taxas de inflação anuais superiores a 100%. Seja como for, os outros bilhetes terão subido 15%, muito acima da inflação... Mas não foram reduzidas, que saibamos, algumas despesas muito desnecessárias, com comissários políticos e outra criadagem de luxo :(

E já agora, terá o Alegre ou algum dos demais colegas de hemiciclo comprado algum dos novos, verdes e extraordinários bilhetes pré-comprados da Carris, da CP ou do Metro? Um por cada meio de transporte, claro! Experimentem alçar o traseiro dos Mercedes que vos oferecemos, e provem, nem que seja por um dia, a realidade inconcebível da vossa administração!

Por fim: será constitucional criar um regime de excepção para o bilhete comprado a bordo com dinheiro, impondo-lhe um regime criminoso de hiperinflação? Quem disse que um estado, mesmo falhado, pode penalizar desta forma o dinheiro vivo? Quem disse que um estado, mesmo falhado, pode exigir dum viajante ocasional, por exemplo vindo do Porto, ou de Barcelona, que pague por adiantado viagens que não irá fazer? Ou mesmo que as venha a fazer, quem disse que um estado, mesmo falhado, como o nosso manifestamente é, pode forçar os cidadãos a fazerem compras antecipadas de títulos de transporte, sob pena de, se se atreverem a comprar um bilhete a bordo, lhes espetarem com uma tarifa assassina?

Não sei, em suma, com que sonham os advogados desempregados. Há tanto que fazer, para endireitar este falhado país!

7 comentários:

O ANTONIO MARIA disse...

Uma amiga canadiana, que viveu vários anos em Lisboa, escreveu-me esta nota a propósito, que aproveito para publicar:

"Montréal, que tem vindo a perder turistas, especialmente americanos (percebe-se) e europeus (por causa do €) acaba de introduzir uma tarifa que experimentei pouco antes do Natal.

Comprado no aeroporto, pelo equivalente de €5.5, um cartão de transporte deu direito ao autocarro do aeroporto até vários pontos da cidade (o táxi custa por tabela €30). Qual não foi a minha surpresa, enquanto o táxi chega a demorar mais de uma hora, hora e meia nos bons dias, o autocarro levou-me até ao destino em 20 minutos! Mas não termina aqui. O tal cartão continuou a servir, dando direito a TODOS os meios de transporte público de Montréal por mais 24 horas (de facto funcionou por 36 horas).

A seguir comprei outro cartão (o chamado "747") pelo dobro do preço, ou seja, €11. Este cartão serviu para 3 dias inteiros de transporte em toda a ilha de Montréal (o equivalente à Grande Lisboa) e com o qual, claro, voltei ao aeroporto, numa viagem que, de novo, me tomou pouquíssimo tempo.

Custo total do transporte ida-volta entre o aeroporto e Montréal, mais 4 dias inteiros de metro, autocarro, suburbanos e afins: €15,5

O fiscal que me vendeu o passe de 3 dias, informou que se eu quisesse passar mais tempo em Montréal, valia a pena comprar o mesmo cartão com chip, o qual é recarregável nas mesmas condições, e é muito utilizado por cidadãos de Montréal durante os períodos de férias ou de compras de Natal, quando não querem usar o carro e pagar os custos astronómicos de estacionamento na cidade.

Karocha disse...

António Maria

Quer comparar o Canadá a esta xafarica?
Isto já não tem solução e é bom que venha o FMI!

Carlos Alberto disse...

A D. Karocha tem razão, isto já não tem solução.

Não sei se repararam mas o aumento do preço do bilhete é quase igual ao lucro do Cavaco no BPN quase 150%.

Ou seja, a Carris do pinóquio com o aval do Costa aprovam uma tarifa usuária mas depois mandam os mouras e os alegres dizer que o Cavaco é um malandro por ter ganho tanto.

Acho que nem o FMI!!!!

Karocha disse...

Carlos Alberto
Karocha só por favor!
Vou dar-lhe uma imagem :
- Está a ver quando nós mulheres, começamos a desconfiar da criada?
Quando isso acontece e, falo por experiência própria, dá-nos aquilo a que eu chamo uma "verde" e zás, começamos a levantar carpetes e a descobrir o lixo todo que andavam a varrer para debaixo delas!!!
É o que vai fazer o FMI e, por isso não o querem cá...

O cozinheiro solitário disse...

Olá a todos os que vão ler este comentário neste blogue ou noutro muito bom como este. Pois é, estou encantado com todos estes posts bem feitos, quase que desenhados. Pois, eu gostava de fazer igual, mas não consigo. O meu dilema agora é cozinhar… A vida é dura e obrigou-me a morar sozinho, e a cozinha não é de todo o meu local favorito. Mas estou a tentar conhecê-la, mas as aventuras têm sido imensas. Fiz um blog humilde para colocá-las em forma de crónica pouco extensas. Gostava muito que todos vocês o visitassem e se possível o seguissem. É que tentar cozinhar e depois não ser ajudado, é algo muita mau.
Cumprimentos a todos!

http://tenhosalfaltamecolher.blogspot.com/

skeptikos disse...

Sócrates criou 88 fundações desde 2008

http://www.netconsumo.com/2011/01/socrates-criou-88-fundacoes-desde-2008.html

Anónimo disse...

This is a crisis of the banking system, not the euro
http://www.eurointelligence.com/index.php?id=581&tx_ttnews[tt_news]=3002&tx_ttnews[backPid]=901&cHash=c374cd2038