quarta-feira, novembro 26, 2014

Dívida: a nova escravatura

Ogre demo by JSMarantz
©2011-2014 JSMarantz

Precisamos de contra-atacar os ogres de sempre e o seu apetite pela desgraça alheia


From the dawn of history, elites have always attempted to enslave humanity.  Yes, there have certainly been times when those in power have slaughtered vast numbers of people, but normally those in power find it much more beneficial to profit from the labor of those that they are able to subjugate.  If you are forced to build a pyramid, or pay a third of your crops in tribute, or hand over nearly half of your paycheck in taxes, that enriches those in power at your expense.  You become a “human resource” that is being exploited to serve the interests of others.  Today, some forms of slavery have been outlawed, but one of the most insidious forms is more pervasive than ever.  It is called debt, and virtually every major decision of our lives involves more of it.

The Federal Reserve Is At The Heart Of The Debt Enslavement System That Dominates Our Lives
By Michael Snyder, on November 24th, 2014 — The Economic Collapse.

O fascismo fiscal está em plena expansão em todo o mundo e, claro, em Portugal também, com a colaboração plena, cretina e corrupta da maioria dos partidos e políticos que operam como capatazes das elites financeiras.

O truque que nos trouxe até ao buraco negro dos derivados financeiros OTC e suas consequências nefastas chama-se endividamento, diarreia monetária (QE, WIT, etc.) e destruição maciça das taxas de juro (i.e. da poupança e da própria faculdade de poupar).

Financia-se especulativamente e com dinheiro cada vez mais virtual os governos, as empresas e as famílias até que fiquem atolados em dívidas. Depois tira-se-lhes o tapete do crédito e impõe-se a chamada consolidação orçamental aos governos, a concentração de capital ao tecido económico e financeiro, e a austeridade a quem trabalha e produz. Uma primeira consequência desta vasta manobra é a deflação resultante do colapso económico e do fim do crédito barato. O que virá depois, se olharmos para a história económica dos últimos oitenta anos (Alemanha, Hungria, Grécia, Jugoslávia, Argentina, Zimbabué, etc.), poderá mesmo ser um dominó de episódios de hiperinflação!

No fim desta deriva em direção a uma nova forma de escravatura dissimulada estaremos a perder para uma elite que conta menos de 0,1% da população mundial, uma herdade infinita onde cabe praticamente toda a riqueza produzida e todos os recursos naturais, que pinga todos os anos, meses, dias, horas, minutos, segundos e nano-segundos, nos bolsos dos novos ogres da Idade Média Tecnológica que parece aproximar-se a passos largos.

Quando é que acordamos?

2 comentários:

Anónimo disse...

Muito Interessante as opiniões do seu blog...e coerentes.
Mas, neste caso, aqueles que ainda possuem algumas poupanças o que devem fazer?! Em que investir tendo em conta os desafios dos próximos 100 anos? (sei que o objectivo do blog não é aconselhamento financeiro mas gostava de auscultar sua opinião.)

bom dia,

Ricardo Fernandes

antonio cerveira pinto disse...

Caro Anónimo:

... guardar uma parte do dinheiro debaixo do colchão (o suficiente para viver sem problemas durante 2-3 meses); manter duas contas bancárias, repartindo o dinheiro à ordem; comprar ouro e prata (barras legais); e se puder ainda investir em terras de boa qualidade e com água, se possível nas periferias verdes das duas grandes cidades (Lisboa e Porto); finalmente, creio que é semre bom comprar casas para recuperar, a bom preço, nos centros das cidades ou em periferias 'ricas' (Cascais, etc.)

Leia o q recomendo a todos neste link
http://o-antonio-maria.blogspot.pt/p/financas-pessoais.html