segunda-feira, maio 22, 2017

Europa alivia castigo


source: tradingeconomics.com

A dívida continua alta, mas o país começou a crescer em 2013...

“O Governo saúda esta decisão. Portugal trabalhou arduamente para alcançar este resultado e dará seguimento a este trabalho para melhorar as perspetivas da economia e da sociedade portuguesas. Esta decisão é um momento de viragem na medida em que expressa a avaliação da Comissão de que o défice orçamental excessivo de Portugal foi corrigido de forma sustentável e duradoura” — in Dinheiro Vivo, 22/6/2017.

Se isto não é reconhecer os méritos da Troika, de Passos Coelho/Paulo Portas, e a confirmação de que António Costa/Centeno prosseguiram um programa de austeridade (ainda que mais leve e compensado por uma devolução de rendimentos aos funcionários públicos e pensionistas), não sei o que é.

Estão todos de parabéns, senhores deputados e governos, apesar do que doeu à maioria de nós. Até o PCP e o Bloco, afinal, acabaram por baixar os braços. Ainda bem.

Já agora, reparem como o gráfico acima desmente a basófia da Geringonça quando faz propaganda sobre os méritos da recuperação do país. Foram os portugueses que, apertados pelo garrote dos credores, reagiram em uníssono!

POST SCRIPTUM
Maria Luís Albuquerque não deixa os créditos por mãos alheias e avisa...
“Tivesse Portugal sido governado entre 2011 e 2015 por quem tanto enalteceu o Siryza e estaríamos em apuros semelhantes.” 
“A explicação para o crescimento nos países que, tal como nós, ultrapassaram com sucesso a fase mais difícil do ajustamento é semelhante à que se aplica a nós. A conjuntura externa é favorável e as reformas empreendidas estão a dar frutos. 
(...) 
Onde está a alternativa, afinal? Houve reposição mais rápida de rendimentos a alguns — trabalhadores do sector público com salário superior a 1500€, acompanhada de um aumento do salário mínimo e de um aumento, mínimo, diga-se, nas pensões. Mas ao mesmo tempo aumentaram os impostos indiretos que afetam todos independentemente do seu nível de rendimento, incluindo aqueles que nunca tiveram reduções de rendimento por este ser muito baixo e que se vêem sem aumentos há anos de mais. A sobretaxa do IRS, que ia desaparecer por ser inaceitável o “esbulho fiscal”, continua cá para a classe média, e vai continuar. A austeridade para os serviços públicos agravou-se — veja-se o regresso aos pagamentos em atraso no SNS — e os cortes nunca foram tão fundos e tão cegos. O controlo do défice passou a ser a prioridade das prioridades e parece que afinal é possível crescer sem reestruturar a dívida. E o crescimento é impulsionado pelas exportações, ou seja, pelo rendimento dos estrangeiros. Para modelo de esquerda para lá da retórica não está nada mal. Para a alternativa reclamada é que parece faltarem alguns quesitos... 
(...) 
Ouve-se, com orgulho, que os resultados da Educação em Portugal nunca foram tão bons como os relativos a 2015, com o reconhecimento que tal implica do acerto das políticas seguidas. A maioria que governa o país arrasa com todas essas reformas e rompe com o modelo que provou estar certo. Os prejudicados são, como sempre, os que menos alternativas têm. Onde está a exigência de um acordo duradouro para a Educação, que nada mude sem avaliar os resultados do que foi feito? 
A descida consistente do desemprego desde 2013 deve-se inegavelmente à reforma laboral, feita em acordo com os parceiros sociais. Se o que foi feito deu evidentes bons resultados, importaria continuar, não? Não. Nem se ouve falar no assunto, para lá dos protestos fingidos de PCP e BE que supostamente reclamam pela sua reversão.”   
— in Público, 22/5/2017  

Há, porém, outras formas de olhar para as estatísticas de sucesso que alegraram Costa e Centeno. O post de Pedro Romano no blogue Desvio Colossal é, a este respeito, do mais sensato que li nestes últimos dias.
Uma explicação trivial (mas palavrosa) para o maior crescimento económico do milénio  
Maio 18 by pedro romano/ Desvio Colossal 
O crescimento do PIB de 2,8% – o ritmo mais alto do século, como as televisões não se cansam de repetir – deixou muita gente surpreendida, algumas pessoas radiantes e outras naturalmente desgostosas. A surpresa é justificada, porque nas análises que fui lendo nos últimos tempos não havia nada que sugerisse uma aceleração tão forte. Mas penso que a ‘explicação’ para este crescimento, se é que assim lhe podemos chamar, é mais prosaica do que se presume. (...)  

Se o PIB cresceu nos últimos anos e a produtividade estagnou, isso significa que toda o crescimento resulta da expansão do emprego. Isso torna a coisa mais trivial, porque tira logo de cena toda aquela conversa interessante acerca dos “novos processos produtivos”, a “reorientação do tecido económico”, “subidas na cadeia de valor” e por aí fora. Mas também nos facilita imenso a vida: para explicar o crescimento do PIB, basta-nos explicar o crescimento do emprego. (...) 
(Se) o contributo da produtividade para este crescimento é virtualmente nulo, (...) tudo se resume a saber se este ritmo de criação de emprego pode ser mantido. A curto e médio prazo, a resposta sensata é: não sabemos. Tudo depende dos factores – internos e externos (como estes) que condicionam a necessidade das empresas de contratar mais ou menos trabalhadores. Não faço ideia de como evoluir estas condições, mas parece-me que não há razões a priori para se antecipar uma grande travagem (ou, em sentido contrário, uma grande aceleração). 
Mas, no longo prazo, é óbvio que os números desta ordem não serão mantidos. Por uma razão simples: o que está a acontecer desde 2013 é uma recuperação cíclica – as pessoas que perderam os seus empregos estão agora a fazer o percurso inverso, passando do desemprego para o emprego. E há um limite até onde este processo pode ser levado, que é determinado (surpresa!) pelo número de desempregados.

Atualizado em 22/5/2017, 23:39 WET

domingo, maio 21, 2017

O tigre português

Clicar na imagem para ampliar

Afinal, não é só turismo, nem vistos gold. 


boom das exportações e do investimento produtivo que aflui agora abundantemente ao país (1) assenta em vantagens competitivas geradas desde o final século passado, e de que a aposta na formação, o domínio crescente de línguas estrangeiras (sobretudo inglês e francês) e os preços competitivos da propriedade e do trabalho acabam por ser decisivas na hora de combater uma profundíssima crise económica e financeira, ou pelo menos, de reagir aos seus efeitos mais nefastos com as armas que melhor dominamos: dar corda aos sapatos quando é preciso!

Centenas de milhar de portugueses emigraram para não deixar de pagar as suas hipotecas imobiliárias, em vez de ocuparem as praças do país ao som dos megafones populistas da desgraça. Mais, para muitos deles não se trata já de emigrar, mas de assumir a Europa e o Mundo como um espaço comum, e Portugal a sua casa de férias. Deixando para trás a endogamia própria dos pequenos países, centenas de milhar de portugueses (a diáspora portuguesa conta com mais de dois milhões de almas) aprenderam a dominar os idiomas do mundo, e a competir segundo as regras da globalização, mas também da transparência e da verdadeira igualdade de oportunidades. A pouco e pouco estas jovens gerações trazem a lição de volta ao país que os viu nascer e partir. O sucesso sem precedentes de muitos deles (2) é conhecido, e muitos mais há sem o mesmo protagonismo público.

Por cá, a Justiça e os políticos têm começado a expulsar da Política os mais corruptos, e, apesar das divergências, têm estado unidos no essencial: corrigir os erros mais crassos, pagar as dívidas, e seguir em frente. A dupla cesarista formada pelo presidente da república e pelo primeiro ministro, apesar de irritante, tem sabido potenciar os sinais da recuperação económica e financeira do país e, sobretudo António Costa, tem levado a cabo uma diplomacia externa hábil e com sinais de indiscutível visão estratégica. Sublinho, a este propósito, as suas manobras táticas no seio da União Europeia e as suas importantes visitas à China e à Índia.

Poderia ter sido Pedro Passos Coelho a cavalgar hoje a onda de sucesso português. Não foi, porque lhe coube o ónus de castigar os portugueses, e sobretudo porque não aprendeu a falar com os portugueses. A história recente ensina-nos que basta uma subida empinada e prolongada dos preços da energia para deitar por terra o melhor dos governos. O preço do petróleo continua baixo, provavelmente não regressará tão cedo aos 100 dólares, mas poderá ainda assim subir de uma guerra para a outra, ou na sequência de um novo colapso financeiros mundial, para valores que prejudiquem seriamente a nossa balança comercial e as taxas de juro da nossa dívida. Esperemos que tal não lhes aconteça (nos aconteça) nos próximos dois ou três anos. Mas como o seguro morreu de velho, o melhor é prevenir, e enquanto pau vai e vem, puxem as orelhas ao Mexia, e obriguem-no a baixar os preços especulativos internos da energia! Quanto aos rentistas preguiçosos, erradiquem-nos de vez da nossa realidade macro-económica (3).


NOTAS

  1. Galicia agranda el milagro económico portugués llenando sus polígonos
    Más de 300 pymes tienen sede en un país que repunta tras librarse del rescate
    M. SÍO . VIGO / LA VOZ 21/05/2017 05:00

    Antes de ganar Eurovisión, Portugal ya se había quitado de encima otros muchos complejos ante Europa. De entrada, el de ser un país rescatado. Hace meses que la Comisión Europea contempla sorprendida lo que ya todos llaman el milagro portugués, el que lo sitúa en el punto de mira de todas las grandes inversiones que planean sobre el Viejo Continente. Hay datos que dan cuenta de ese momento dulce. El año pasado consiguió captar más de 900 millones de euros de inversión extranjera directa. Con Tesla merodeando por la Región Norte, el país vecino se ha convertido en un polo de atracción de capital extranjero en sectores punteros como el tecnológico (Siemens) o el aeronáutico (Embraer).

    Y en esta pujanza de Portugal, el capital gallego -tan cercano geográfica e históricamente- está jugando un papel muy importante. Hay cifras y son sorprendentes. Se las ha puesto el Círculo de Empresarios de Ourense, que, en un informe a pie de campo, ha localizado más de 300 empresas gallegas instaladas en más de una veintena de polígonos industriales repartidos en la mitad norte de Portugal.

    ¿Qué clase de empresas? Pues según detalla el estudio, de todo tipo, pymes en su mayoría, con predominio de los sectores de alimentación, actividad turística, auxiliares de automoción, distribución, almacenamiento, manejo de mercancías y sector textil.

    Dicen los empresarios que la clave de estas localizaciones está en los costes. Ese estudio detecta en el norte de Portugal una veintena de parques empresariales (23 en concreto) en un radio de 50 kilómetros desde la frontera con el sur de Galicia, con 7 millones de metros cuadrados de suelo industrial a un precio medio de 20 euros el metro cuadrado y en los que hay una ocupación de hasta un 50 % de pymes procedentes del otro lado de la raia.

    • Álvaro Santos Pereira (OCDE) 
    • Álvaro Siza Vieira (arquiteto) 
    • António Guterres (ONU) 
    • António Simões (HSBC) 
    • Carlos Tavares (PGA) 
    • Cristiano Ronaldo (futebolista)
    • Durão Barroso (União Europeia) 
    • Elisa Ferreira (União Europeia)
    • Figo (futebol) 
    • Horta Osório (Lloyds)
    • Joana Vasconcelos (artista plástica)
    • Maria João Pires (pianista)
    • Maria João Rodrigues (União Europeia)
    • Salvador Sobral (músico)
    • Victor Gaspar (FMI)
  2. Costa sabe muito bem (e até Jerónimo de Sousa sabe) que o país tem que libertar as suas energias produtivas, começando por não atrapalhar mais a iniciativa privada das nano, micro e PMEs. Sabe que elevar o nosso PIB COGNITIVO é crucial para que Portugal se transfome num país rico, e culturalmente sofisticado. A mobilidade rodoviária foi conseguida no país inteiro. Falta agora pôr o Montijo a mexer, melhorar as pistas e o sistema de apoio à aterragem do aeroporto Sá Carneiro. Falta, enfim, ligar rapidamente a nossa rede ferroviária de mercadorias, e de passageiros, a Espanha e ao resto da Eurásia, fazendo da interoperabilidade ferroviária uma prioridade estratégica. Quanto às cidades-região de Lisboa e Porto, somos nós, os cidadãos, que temos que puxar as orelhas aos autarcas acomodados.

sábado, maio 20, 2017

Cesarismo bicéfalo veio para durar?

Quando o cesarismo bicéfalo (Marcelo-Costa) se esgotar (lá para 2018-2020) o sistema partidário colapsará, como tem vindo a ocorrer em tantos países.

Alguns jovens brilhantes do atual sistema partidário já devem estar a fazer as suas contas, como Macron fez, para saberem quando devem saltar fora do pântano e anunciarem novas soluções, realistas e honestas, para o país. O PSD, o PS e a esquerda estalinista e trotsquista são irreformáveis. Quando tal vier a ocorrer, o CDS também desaparecerá do mapa eleitoral.

Resta-me apenas uma dúvida, ao fazer este prognóstico: e se o cesarismo bicéfalo (de que a Geringonça é a almofada) for uma espécie de gelatina moldável —capaz de impingir não só a austeridade atual, como até agravá-la, se e quando for necessário— com o único objetivo de manter-se no poder a todo o custo?

Esta deriva cesarista só poderá consolidar-se por uma via institucional e governamental/partidária crescentemente autoritária, e por uma censura crescente nos principais órgãos da imprensa, ainda que muito bem disfarçada pela propaganda do sucesso que chega a não mais de 5% da população portuguesa.

Para já, Portugal tem vindo a tornar-se num refúgio de classes média altas e de fortunas em fuga do Médio Oriente, do Brasil, de Angola, da França e da Suécia e, pasme-se, dos próprios Estados Unidos!

O turismo é uma bênção.

Mas tudo isto de nada servirá se não houver uma refundação do estado paquidérmico e da democracia palaciana que temos.

Um banho de juventide no poder fazia-nos bem!

sexta-feira, maio 19, 2017

Nacionalidade e esquizofrenia

As moedas mundiais, que só apareceram na Época Moderna, têm tido uma duração média de 100 anos. 

Portugal foi, é e será um país europeu com os olhos virados para o mar.


El misterio portugués 
Gabriel Magalhães, 23/09/2009 03:31 | Actualizado a 02/10/2009 13:10. La Vanguardia 

¿Cuáles son los retos actuales de la portugalidad? El lector ya se ha dado cuenta de que, en realidad, Portugal es un país inviable. Siempre lo ha sido. No posee una individualidad geográfica; sus raíces más profundas las comparte con Galicia; su propio idioma es una evolución, una mundialización del gallego. La independencia portuguesa hay que crearla todos los días. Por eso, ser portugués cansa muchísimo.

Um texto subjetivo, quase justo, sobre o nosso país. Falha em dois pontos cruciais: é incapaz de explicar o mistério da nossa independência (ninguém em Portugal vive a esquizofrenia duma dupla nacionalidade imposta), bem como a existência dum idioma novo e seminal, vindo do galaico-português, que veio do latim, etc., mas que também veio do árabe, tanto no vocabulário, como na entoação da língua.

A manta de retalhos que existe na Península Ibérica resultou da chamada Reconquista Cristã, em resposta à queda do Império Romano e ao ascenso do Islão (que fecharia então o acesso a Rota da Seda, que a China está neste momento a reabrir, mas que há quem queira manter fechada...), e nem os Reis Católicos alteraram realmente este mosaico de nações. Rainhas portuguesas em Leão, Aragão e Castela foram 12...

Quanto ao futuro, diria que terminou em 2015 um ciclo de 600 anos de diáspora europeia moderna e contemporânea, cujo primeiro passo foi dado por Portugal, sob influência decisiva duma rainha portuguesa vinda de Inglaterra (Filipa de Lencastre), ao pisarmos terra em Ceuta, uma cidade estratégica que ainda hoje, mesmo tendo optado por ser espanhola, depois de 1640, continua a exibir na sua bandeira as cores de Lisboa e o brasão de armas de Portugal). Não é um pormenor!

Já agora: depois de completada a rede de autoestradas e depois da necessária atualização das ligações da nossa rede ferroviária à rede euro-asiática (2030), a prioridade será reconstruir uma marinha mercante e militar ligeiras ultra-moderna.


Clique para ampliar o gráfico


Leituras recomendadas

The Rise of the Great Powers
Documentário televisivo chinês, difundido pela CCTV-2 em Novembro de 2006

The documentary “endorses the idea that China should study the experiences of nations and empires it once condemned as aggressors bent on exploitation” and analyzes the reasons why the nine nations rose to become great powers, from the Portuguese Empire to current United States hegemony. The series was produced by an “elite team of Chinese historians” who also briefed the Politburo on the subject.” In the West the airing of Rise of the Great Powers has been seen as a sign that China is becoming increasingly open to discussing its growing international power and influence—referred to by the Chinese government as “China’s peaceful rise.” (LINK)


The rise and fall of navies, Paul Kennedy, Herald Tribune, Aril 5, 2007.

"By 2010, China's submarine force will be nearly double the size of the U.S. submarine fleet The entire Chinese naval fleet is projected to surpass the size of the U.S. fleet by 2015." -- USA Congressional Research Service, March, 2007.

In the very first decades of the 15th century, the great Chinese admiral Cheng Ho led a series of amazing maritime expeditions to the outer world, through the Straits of Malacca, into the Indian Ocean, across even to the eastern shores of Africa. Nothing at that time compared with China's surface navy.

Yet, within another decade, the overseas ventures had been scrapped by high officials in Beijing, anxious not to divert resources away from meeting the Manchu landward threat in the north and about how a seaward-bound open-market society might undermine their authority.

Coincidentally, on the other side of the globe, explorers and fishermen from Portugal, Galicia, Brittany and southwest England were pushing out, across to Newfoundland, the Azores, the western shores of Africa.

While China's great fleets were being dismantled by imperial order, Western Europe was beginning to move into "new" worlds, full of ancient peoples and cultures in the Americas, Africa, Asia and the Pacific. Any place vulnerable to Western naval and military power was at risk. Above all, as the American naval captain A. T. Mahan taught us over a century ago in his classic book, "The Influence of Sea Power Upon History" (1890), the West valued navies as the key to global influence.

terça-feira, maio 16, 2017

A propaganda do crescimento

Trading Demographics

Os ventos sopram a favor da Geringonça até 2018...


Desde que a Geringonça apareceu, fui dizendo (nomeadamente num programa de televisão entretanto extinto—Política Sueca) que a mesma beneficiava de uma conjuntura nacional (fim do momento mais áspero da austeridade) e internacional (queda dos preços do petróleo, crise na Síria e no Médio Oriente, e crise na União Europeia) favorável. Que António Costa, a Geringonça e o cesarismo bicéfalo instalado na sequência da derrota do PSD e da substituição de Cavaco Silva, tinham possibilidades objetivas e subjetivas de fazer um, ou até dois mandatos. Também sublinhei várias vezes que ou o PCP e o Bloco aproveitavam rapidamente o início da legislatura para forçarem uma coligação a sério, ou seriam forçados a engolir, com o tempo, todos os sapos que António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa lhes servissem numa bandeja de encómios.

Dito isto, o crescimento homólogo do primeiro trimestre de 2017 (2,8%), que aliás se vê no turismo, nas exportações e no boom de requalificação e especulação urbanas em curso, sendo de saudar (e também fruto de uma austeridade de esquerda evidente) pode não passar duma euforia temporária. O temporário pode, no entanto, durar até 2018 ou mesmo 2019.

Por outro lado, se olharmos para as tendências de médio-longo prazo,, a situação portuguesa continua a ser muito frágil. Basta reparar no gráfico do crescimento anual do país desde 1996 (Trading Economics), e na média desse crescimento (1,2%), ou nos valores (130%) e preço da dívida pública (3,33%), ou na relação entre as taxas de juro de referência do BCE (0%) e a inflação em Portugal (2%), ou na balança comercial (-821 milhões de euros), para percebermos que o comentador presidente tem razão: não é preciso embandeirar em arco. Nem muito menos ir atrás dos parasitas do orçamento.

POST SCRIPTUM

Como me referiu um amigo atento, e li no ECO, Dinheiro Vivo, e Jornal Económico, as receitas líquidas do Turismo em 2016 subiram para 12,6 mil milhões de euros. Por sua vez, as despesas dos portugueses no estrangeiro andaram pelos 3,82 mil milhões, no mesmo ano. Ou seja, as receitas líquidas geradas pelo turismo em 2016 devem ter rondado 8,78 mil milhões. Por comparação, no mesmo ano de 2016, a despesa pública em Educação foi da ordem dos 6 mil milhões, e o serviço da dívida pública custou cerca de 8,4 mil milhões. Já em termos líquidos, o aumento da receita do turismo terá sido da ordem dos 1,2 mil milhões de euros.

Por sua vez, no imobiliário, o investimento externo disparou para cerca de 4 mil milhões de euros em 2016 (3,3 em 2015). A subida foi, portanto, da ordem dos 1,1 mil milhões de euros.

Somando imobiliário e turismo (embora não saiba se posso fazer esta soma tão simplesmente) o montante é da ordem dos 16,6 mil milhões de euros.

Já no que se refere ao saldo da balança comercial, embora tenha melhorado, continua negativo e acima dos 900 milhões euros.

À pergunta sobre o que realmente contribuiu para o desempenho favorável da economia portuguesa em 2014, 2015 e 2016, e sobretudo para o otimismo que reina nalguns setores da sociedade desde 2015, a resposta é clara: foi o investimento externo. E este deve-se, em primeiro lugar, à conjuntura decorrente da queda dos preços do petróleo, e da disputa pelo fornecimento de gás natural à Europa entre a Rússia e vários paises do Médio Oriente. Os governos portugueses, de Pedro Passos Coelho, como de António Costa, tiverem nesta matéria um comportamento comum, procurando atrair pessoas e capitais para um país que, como sabemos, foi completamente descapitalizado pela estupidez e pela corrupção indígenas.

TURISMO UM CASO DE ESTUDO

“O Turismo de Portugal está a incentivar a parceria financeira entre o sistema público e a indústria privada de turismo. Eu gostaria muito de ouvir que isto acontece nos outros países e que é comum, mas não é, e Portugal mostra que é possível.” Dinheiro Vivo, 19/05/2017
O seu a seu dono, e neste caso chama-se Adolfo Mesquita Nunes, do governo 'da direita', de Passos Coelho e Paulo Portas. Cometeram um erro: deveriam ter anunciado o fim da austeridade e das medidas mais gravosas da mesma na campanha eleitoral que lhes retirou a maioria absoluta. A recuperação económica já tinha começado, nomeadamente nas exportações, no turismo e no investimento externo. Lembram-se dos Vistos Gold?


Atualizado em 19 maio 2017 08:20 WET

domingo, maio 14, 2017

Que dia!

Dia 13 de maio de 2017


Francisco ajoelha-se diante de Maria (é um Jesuíta, não se esqueçam), o Benfica faz o tetra, e Salvador Sobral vence e convence um festival desmiolado, com serenidade, sabedoria, sentimento e uma enorme esponaneidade. Nunca o Jazz teve tão eloquente e revolucionário intérprete português.

Salvador Sobral. A voz começa por lembrar-me a de Antony (agora Anohni), mas depois tudo muda, para melhor. Uma excelente voz e um músico que conquista imediatamente qualquer ouvido minimanente sensível e inteligente. Que ironia, tê-lo conhecido só agora, por ter ganho ontem a Eurovisão! A nova equipa da RTP está também de parabéns.

Mas que dia!

segunda-feira, maio 08, 2017

Macron e Putin

Macron e esposa durante comemoram vitória eleitoral.
Foto: REUTERS/CHRISTIAN HARTMAN


Irá a França aproximar-se da Rússia, como o está fazendo Angela Merkel?


“Os cidadãos de França confiaram-lhe a liderança do país num tempo difícil para a Europa e para toda a comunidade mundial. O aumento das ameaças do terrorismo e dos extremismos militantes é acompanhada pelo escalar de conflitos locais e pelo desestabilizar de regiões”, pode ler-se no telegrama enviado, de acordo com o Kremlin.  
“Nestas condições, é especialmente importante superar a desconfiança mútua e unir esforços para assegurar a estabilidade internacional e a segurança”, disse Putin a Macron.
Putin exorta Macron a “superar desconfiança mútua”.
RTP 08 Mai, 2017, 09:29 / atualizado em 08 Mai, 2017, 10:33

Israel é em grande parte uma construção do Reino Unido e da Rússia. Mais de metade da população judaica de Israel veio da Rússia ou tem origem russa.

Os judeus russos vítimas de perseguição do Czar Nicolau II (Pogroms) 'invadiram' Londres, nomeadamente a caminho da América, criando enormes problemas à comunidade judaica local, onde coexistiam sefarditas e ashkenazi (Disraeli era um judeu sefardita, enquanto Rothschild é considerado um judeu ashkenazi).

A solução encontrada para este êxodo de judeus de origem germânica, habitantes da Rússia, Polónia, Alemanha e Áustria (Ashkenazi), que se acentuaria enormemente com o advento do nacional-socialismo hitleriano, mas também durante a ditadura estalinista—ou seja, a criação do estado Sionista, de origem sobretudo Ashkenazi, de Israel— marca desde então as relações especiais que existem entre a Rússia e Israel.

Sendo Macron um 'discípulo' dos Rothschild, que declaradamente se assumem como membros do grupo dos judeus Ashkenazi, o apelo de Putin ganha especial significado...

Dívida, uma Supernova?

Fotografia: Axel Morin. Detroit.

Os que ganham muito são cada vez menos, e os que ganham pouco (cada vez menos) são cada vez mais. 


É este o verdadeiro paradoxo que o otimismo alucinado de alguns não alcança, ou alcança, mas ignora, preferindo as loas populistas a que os economistas desonestos conferem legitimidade académica.

E é também por isto que o declínio da era petrolífera deixou de se traduzir na subida dos preços do barril de crude, mas antes na deflação dos mesmos, arrastando países como a Venezuela, Angola, Moçambique, Nigéria, e o Médio Oriente em geral, para o colapso das respetivas sociedades.

Neste momento o status quo e o business as usual são meras aparências de estabilidade e progresso.

Na realidade, assistimos a divisões económicas, sociais e culturais profundas nas sociedades, que os movimentos populistas e o fundamentalismo religioso induzido refletem.

Estamos no fim de um ciclo de prosperidade mundial com mais de 100 anos, proporcionado pelo uso intensivo de energia abundante e barata, e por aquilo a que poderíamos chamar inflação criativa.

Esta grande revolução nos preços decorreu sensivelmente entre 1897 (D. H. Fischer) e o momento em que o decréscimo persistente da produtividade mundial, da inflação e do rendimento/consumo per capita anunciou o seu fim, dando lugar a medidas contra-cíclicas desesperadas, como a globalização e a desregulamentação laboral, comercial e financeira, o otimismo tecnológico, o endividamento público e políticas monetárias expansionistas, e ainda a grande especulação capitalista, entre 1983 e 2007, estimulada pela negociação eletrónica de títulos e outras operações financeiras (HFT), e pelos produtos financeiros complexos: Credit Debt Obligations (CDO), Credit Default Swaps (CDS), Asset Backed Secutioes (ABS), Over-the-counter Derivatives (OTC), etc.

O dilema atual é este: o petróleo é demasiado barato para quem o produz, e demasiado caro para quem o consome. Por outro lado, segundo defende Gail Tverberg, o endividamento, a eficiência e a complexidade como resposta à mudança de paradigma energético e ao fim de um ciclo económico de longa duração não impedem a chegada de uma nova era, que será necessariamente distinta da que agora declina rapidamente.

Vale a pena ler a este propósito o que Gail Tverberg apresentou recentemente em Bruxelas, num workshop promovido pela Comissão Europeia: “Elephants in the Room Regarding Energy and the Economy.”

Trata-se de uma súmula de recentes trabalhos seus, nomeadamene sobre a natureza dissipativa das estruturas económicas, e sobre o aviso paradoxal do fim da era petrolífera, ou seja, a queda dos preços do petróleo, provocada pelaa queda da procura agregada mundial de crude, pela queda dos rendimentos do trabalho, pela erosão imparável dos dividendos empresariais (nomeadamente nos produtos energéticos), pela divisão social que se agrava na maioria das sociedades desenvolvidas e ricas, ou ainda pelas crises políticas insanáveis que vão destruindo paulatinamente os estados e as instituições democráticas.

Eu recomedaria a leitura destas reflexões a Emmanuel Macron, mas também ao otimista cada vez mais irritante, Marcelo Rebelo de Sousa.




Most people assume that oil prices, and for that matter other energy prices, will rise as we reach limits. This isn’t really the way the system works; oil prices can be expected to fall too low, as we reach limits. Thus, we should not be surprised if the OPEC/Russia agreement to limit oil extraction falls apart, and oil prices fall further. This is the way the “end” is reached, not through high prices.



Many people think that the increasing use of tools can save us, because of the possibility of increased productivity.

mas...

Using more tools leads to the need for an increasing amount of debt.




—in “Why We Should Be Concerned About Low Oil Prices”
Posted on May 5, 2017 by Gail Tverberg @ Our Finite World